Coronavírus: Qual a relação do meio ambiente com a pandemia? Artigo de Bernardo Egas

Revista ihu on-line

Diálogo interconvicções. A multiplicidade no pano da vida

Edição: 546

Leia mais

Cultura Pop. Na dobra do óbvio, a emergência de um mundo complexo

Edição: 545

Leia mais

Revolução 4.0. Novas fronteiras para a vida e a educação

Edição: 544

Leia mais

Mais Lidos

  • Francisco e as uniões homossexuais

    LER MAIS
  • Dom Paulo Cezar Costa, novo Arcebispo de Brasília. Nota da Comissão Justiça e Paz de Brasília

    LER MAIS
  • O chileno salvo por Bergoglio - “Ele foi o primeiro a acolher os homossexuais como filhos de Deus”

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


26 Março 2020

"Se não entendermos a clara relação entre pandemias e meio ambiente, poderemos enfrentar problemas ainda mais sérios no futuro, basta imaginarmos a mesma taxa de contaminação atual com um vírus com letalidade ainda maior. O Covid-19 já nos provou o quanto isto pode ser desastroso.", escreve Bernardo Egas, formado em Direito pela Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro e pós-graduado pelo Master em Liderança e Gestão Pública – MLG. Atualmente é Secretário de Meio Ambiente da Cidade do Rio de Janeiro e Presidente do Fórum de Secretários de Meio Ambiente das Capitais Brasileiras – CB27, em artigo publicado por Ecodebate, 25-03-2020.

Eis o artigo.

A aviação comercial global, em 2019, transportou 4.5 bilhões de passageiros, com eficiência e rapidez. Este mundo interconectado tem inúmeras vantagens que aceleram o desenvolvimento global e multiplicam oportunidades, mas também aproxima e globaliza problemas de uma forma que não estamos preparados para suportar.

Com o novo coronavírus (Covid-19) enfrentamos uma grave pandemia, que segue se disseminando em velocidade sem precedentes. Quase todos os países já contam com casos confirmados e as diversas medidas adotadas visam evitar a expansão do contágio, para que não se ampliem os números de pessoas infectadas e os sistemas de saúde não entrem em colapso.

Muito se fala sobre a pandemia, porém, é pouco lembrado como ela pode ser relacionada à questão ambiental. No caso do Covid-19, é possível que ele tenha adquirido a capacidade de ter os humanos como hospedeiros a partir de outras espécies, como o pangolim e o morcego. Isto pode ter começado a partir do hábito de consumir, para alimentação, animais selvagens e pela destruição dos habitats naturais.

O mercado de animais selvagens

Em mercados de animais vivos, espécies que raramente se aproximariam em uma natureza não afetada pelos humanos, agora ficam amontoadas, em adensamentos mistos, possibilitando contaminações exponenciais que podem favorecer o surgimento desses vírus letais para nós.

Isto não é novidade e já tinha acontecido, em 2002, com a Síndrome Respiratória Aguda Grave (Severe Acute Respiratory Syndrome, SARS), originada do consumo de civetas africanas, provavelmente infectadas por morcegos. Outro exemplo é a doença por vírus Ebola, que também pode ser relacionada ao contato ou consumo de animais.

Adicionalmente, a crescente devastação de habitats também aumenta a nossa exposição às mais de 50 arboviroses conhecidas e, potencialmente, outras ainda desconhecidas. São doenças transmitidas por mosquitos, tais como encefalites virais, dengue, febre amarela, zica, chikungunya, mayaro, etc.

O aquecimento global

As mudanças climáticas também são uma grave ameaça porque podem favorecer o surgimento de vírus ainda desconhecidos e a expansão das arboviroses.

Com o aquecimento, mosquitos vetores podem se adaptar e colonizar áreas onde, anteriormente, o clima era hostil à sua sobrevivência. Com estações mais quentes, o Aedes Aegypti já chegou ao hemisfério norte. Segundo o Centro para Controle e Prevenção de Doenças dos Estados Unidos (CDC), o Aedes Aegypti já proliferou a ponto de ter infectado com o vírus da zika mais de 42 mil pessoas nos EUA.

O degelo do permafrost e das grandes geleiras do Himalaia, por exemplo, também pode reanimar vírus congelados. Matéria do G1, de 24/1/2020, alertava que “cientistas chineses e americanos descobriram 28 grupos de vírus desconhecidos, que estavam congelados há 15 mil anos. A pesquisa recolheu amostras do gelo glacial mais antigo da Terra, que fica em Guliya, no noroeste do Tibete, na China”.

Este é um tema vasto, detalhadamente analisado por Sonia Shah, jornalista e autora de “Pandemic: Tracking Contagions, from Cholera to Ebola and Beyond”, em seu artigo ‘Contra a pandemia, ecologia’, na edição 152 do Le Monde Diplomatique, cuja leitura e reflexão recomendo.

Enfim, se não entendermos a clara relação entre pandemias e meio ambiente, poderemos enfrentar problemas ainda mais sérios no futuro, basta imaginarmos a mesma taxa de contaminação atual com um vírus com letalidade ainda maior. O Covid-19 já nos provou o quanto isto pode ser desastroso.

E qual a lição que fica para o dia de amanhã?

Os gestores públicos precisam ter visão multidisciplinar para lidar com este mundo interconectado e o meio ambiente é disciplina fundamental na equação.

A situação atual é gravíssima. Deve ser bem compreendida pela população, por todos os seus membros, de todas as idades e de todos os níveis sociais e econômicos. Gerando a consciência que leve a que cada pessoa ofereça sua parcela de cooperação. Fique em casa; proteja a sua imunidade; cuide dos idosos; e resguarde seu lar. E, quando esta pandemia acabar, vamos cuidar melhor do meio ambiente.

Leia mais

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Coronavírus: Qual a relação do meio ambiente com a pandemia? Artigo de Bernardo Egas - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV