O que o coronavírus tem a ver com as mudanças climáticas?

Revista ihu on-line

Diálogo interconvicções. A multiplicidade no pano da vida

Edição: 546

Leia mais

Cultura Pop. Na dobra do óbvio, a emergência de um mundo complexo

Edição: 545

Leia mais

Revolução 4.0. Novas fronteiras para a vida e a educação

Edição: 544

Leia mais

Mais Lidos

  • Como viver o Advento em tempos de quarentena

    LER MAIS
  • A vacina vai nos ajudar, mas não vai nos livrar das pandemias

    LER MAIS
  • O que as eleições de 2020 anunciam para 2022?

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


16 Março 2020

É verdade que a resposta global ao coronavírus levou a quedas significativas nas emissões de carbono em todo o mundo. Também é verdade que alguns especialistas estão dizendo que a resposta mostra o potencial para uma ação política radical diante de uma emergência.

A reportagem é de Jesse Remedios, publicada em National Catholic Reporter, 12-03-2020. A tradução é de Moisés Sbardelotto.

No entanto, não distorça essas afirmações. O coronavírus não é uma coisa boa. Seja para enfrentar a crise climática, seja para qualquer outra coisa. Em absoluto.

Primeiro, o surto está interrompendo negociações internacionais cruciais, prejudicando potencialmente as chances de um acordo climático internacional suficiente – lembre-se, nós só temos 10 anos para limitar uma catástrofe climática.

Outras possíveis desvantagens incluem o enfraquecimento da vontade política pública para a ação climática e, na verdade, o incentivo a um eventual aumento nas emissões de gases do efeito estufa quando os governos procurarem consertar a economia global.

Em suma, é muito cedo para saber exatamente qual o impacto que o coronavírus terá sobre o clima. Mas, por enquanto, para ajudar a esclarecer todas as informações confusas que estão circulando por aí, vamos explicar por que alguns aparentes “lados positivos” podem complicar a luta contra as mudanças climáticas.

Podemos falar sobre a China?

Para entender o que está acontecendo, precisamos falar sobre a Chinaa maior emissora de gases do efeito estufa e fonte do surto de coronavírus.

Até agora, você já deve ter ouvido que as emissões de dióxido de carbono da China caíram 25% desde fevereiro. Talvez você também tenha visto esta impressionante imagem da Nasa sobre a diminuição de poluentes na China:

(Imagem: NASA Earth Observatory/Joshua Stevens)

Ou esta:

(Foto: NASA Earth Observatory/Joshua Stevens)

Isso é bom, não é? Emissões mais baixas não equivalem a uma desaceleração das mudanças climáticas?

Não é bem assim. Uma ligeira “queda” nas emissões não fará uma grande diferença em longo prazo. Mudar a tendência geral de aumento das emissões é o que importa.

Então, a pergunta se torna: essa redução durará?

Infelizmente, a história sugere que não. As emissões mundiais caíram da mesma forma durante a recessão de 2008, mas, em um ano, elas se recuperaram com uma vingança. O governo chinês já prometeu um grande estímulo, o que significa que podemos esperar um aumento das emissões quando as fábricas voltarem ao trabalho.

Além disso, como católicos, é especialmente importante ter em mente que a atual redução de emissões é causada pelo sofrimento vivido por pessoas reais. Não é assim que queremos resolver a crise climática. Veja o que o professor de Estudos Ambientais da Universidade de Nova York Gernot Wagner afirmou na MIT Technology Review: “As emissões na China diminuíram porque a economia parou e as pessoas estão morrendo, e porque as pessoas pobres não conseguem obter remédios e alimentos. Essa não é uma analogia do modo como queremos reduzir as emissões das mudanças climáticas”.

Curiosamente, a China também é um importante fornecedor global de tecnologia de energia limpa, como painéis solares e turbinas eólicas. A produção e os transportes caíram devido ao coronavírus, interrompendo a cadeia de suprimento de energia limpa em todo o mundo.

E quanto aos aviões e às viagens?

As viagens aéreas comerciais são um dos piores emissores do mundo. Portanto, se eu lhe dissesse que o tráfego aéreo global caiu 4,3% em fevereiro, seria justo supor que isso provavelmente é algo bom.

Não é bem assim.

Antes do surto de coronavírus, muitas companhias aéreas estavam reagindo à pressão planejando iniciativas para reduzir suas emissões de gases do efeito estufa. Agora, as companhias aéreas estão indo rumo à crise financeira, ameaçando esses esforços de longo prazo.

No entanto, se este momento realmente criar mudanças comportamentais generalizadas – incluindo mais conforto com o trabalho remoto e as teleconferências –, isso pode levar a importantes mudanças estruturais que reduzam o nosso consumo geral de combustíveis fósseis.

Talvez o impacto mais importante da dramática queda nas viagens seja o cancelamento de reuniões internacionais sobre o clima. A ONU já cancelou uma série de reuniões que antecederiam uma grande reunião em novembro, em Glasgow, na Escócia – a mais importante desde o Acordo de Paris em 2015. O repórter climático da Time, Justin Worland, explica por que isso é ruim:

“O cancelamento das reuniões pode parecer enfadonho, mas tem o potencial de arruinar totalmente os debates sobre o clima em um momento delicado. A última grande inovação internacional sobre o clima ocorreu nas conversações sobre o clima de Paris em 2015, depois de um ano de manobras de bastidores por parte de diplomatas de todo o mundo. A China e os EUA se comprometeram a trabalhar juntos para reduzir as emissões, uma importante declaração dos maiores emissores do mundo. Países vulneráveis às mudanças climáticas se uniram para formar uma aliança formidável. E a França coordenou as inúmeras demandas dos países que se reuniriam em Paris. Essa agenda é amplamente vista como uma necessidade para grandes avanços na questão, e o fato de não poderem se encontrar face a face deixou os formuladores de políticas climáticas em dificuldades.”

Então, como o coronavírus afetará o cenário político?

Essa é uma enorme incerteza.

Em 2019, milhões de pessoas foram às ruas para protestar contra a inércia do governo. Três meses depois de 2020, milhões de pessoas estão sendo forçadas agora a ficar dentro de suas casas para limitar a propagação do vírus. Isso poderia impedir o progresso feito no ano passado.

“Em muitos países, as condições políticas não são propícias ao fortalecimento da ação climática”, disse um ex-negociador do clima à Time. “O coronavírus vai piorar uma situação já ruim.”

Ou o coronavírus pode mudar o cenário político, e os formuladores de políticas aproveitarão este momento para uma transição verde, aumentando os impostos sobre as emissões de carbono e ajudando a treinar novamente os trabalhadores para setores mais limpos. O The Guardian escreveu que a resposta ao coronavírus “mostrou como os líderes políticos e empresariais podem tomar medidas radicais de emergência sob o conselho de cientistas para proteger o bem-estar humano”.

Como parte de seu Acordo Verde de descarbonização até 2050, a União Europeia lançou no dia 4 de março um novo plano de imposto de carbono que tributará produtos de países que não estão trabalhando para reduzir as emissões. Esperamos que esse plano não apenas funcione, mas também sobreviva ao coronavírus, porque, se sairmos vivos disto, Deus sabe que precisaremos de um.

O que eu posso fazer?

Lave as mãos e fique seguro. É isso que importa agora. Mas não se esqueça da crise climática. Lute.

Leia mais

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

O que o coronavírus tem a ver com as mudanças climáticas? - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV