Há notícias positivas sobre o Covid-19 que a mídia pouco divulga

Revista ihu on-line

Diálogo interconvicções. A multiplicidade no pano da vida

Edição: 546

Leia mais

Cultura Pop. Na dobra do óbvio, a emergência de um mundo complexo

Edição: 545

Leia mais

Revolução 4.0. Novas fronteiras para a vida e a educação

Edição: 544

Leia mais

Mais Lidos

  • “O Papa se cansou dos ‘tesouros’. Há anos desejava a reforma das finanças”. Entrevista com Oscar Andres Maradiaga

    LER MAIS
  • Agro é fogo: Queimadas são crimes do agronegócio!

    LER MAIS
  • “Não podemos esperar que o atual modelo econômico resolva os nossos problemas. Não resolveu e não resolverá”, constata o Papa

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


04 Abril 2020

Diante da pandemia do Covid-19 dois extremos devem ser evitados, admoesta o secretário geral de Apoio Pastoral da Igreja Presbiteriana do Brasil (IPB) e professor de Teologia Pastoral Valdeci Santos: descaso e paranoia.

A reportagem é de Edelberto Behs, jornalista, já foi professor e coordenador do curso de Jornalismo da Universidade do Vale do Rio dos Sinos – Unisinos.

“Negar a situação de perigo e responder com descaso é sobretudo arriscado, pois sem os devidos cuidados se torna mais fácil a contaminação. Todavia, a paranoia pode resultar em pandemônio e pânico, cujos efeitos ninguém é capaz de prever”, alerta.

Recorrendo a artigo do professor de microbiologia na Universidade de Navarra, Espanha, Ignacio López-Goñi, publicado pela BBC, Valdeci destaca que informações positivas sobre o Covid-19 quase não são divulgadas pela mídia: o vírus foi rapidamente identificado, já é possível detectá-lo; 81% dos casos são de natureza leve; há 13 vezes mais pacientes curados do que mortos.

O que existe, de momento, é uma “pandemia do medo”, afirmou o professor espanhol, mas isso não é sinônimo de morte, “pois o termo não se refere à taxa de mortalidade do agente infeccioso, mas à sua transmissibilidade e extensão geográfica”.

Segundo López-Goñi, o Covid-19 pode causar pneumonia grave e em 5% se tornar crítica ou letal. Já há mais de oito projetos contra o novo coronavírus. Existem grupos que trabalham em projetos de vacinas de combate a outros vírus semelhantes e agora tentam adaptar as pesquisas.

Por isso, recomenda Valdeci Santos, não temam, mas tomem as precauções necessárias, como lavar frequentemente as mãos com álcool em gel ou sabonete, higienizar superfícies com uma solução de álcool, evitar aglomerações, observar o isolamento social.

Hábitos culturais brasileiros, como abraçar, beijar ou cumprimentar com as mãos pessoa conhecida devem sofrer mudanças. “O mais indicado nesse momento é substituir essas saudações afetuosas por outras mais formais e gentilezas verbais”, sugere o pastor. “É preciso lembrar que a melhor maneira de demonstrar afeto nesses momentos consiste no zelo para que a pessoa amada não corra riscos de ser contaminada”, agregou.

Pessoas idosas carecem cuidados especiais e devem acompanhar as celebrações religiosas pela Internet. Valdeci propõe que idos@s sejam contatad@s por telefone, whatsapp, facebook, “com o objetivo de demonstrar afeto e união fraternal em relação a esses irmãos”. Ele recomenda, inclusive, que reuniões na igreja sejam prorrogadas ou até mesmo suspensas.

O secretário geral de Apoio Pastoral da IPB motiva fiéis e congregações à oração e intercessão pela intervenção de Deus. “Nossas ansiedades devem ser lançadas sobre o Senhor e todos as nossas preocupações devem ser apresentadas a ele”, enfatiza.

Leia mais

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Há notícias positivas sobre o Covid-19 que a mídia pouco divulga - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV