A casa nem sempre é um lugar seguro

Revista ihu on-line

Diálogo interconvicções. A multiplicidade no pano da vida

Edição: 546

Leia mais

Cultura Pop. Na dobra do óbvio, a emergência de um mundo complexo

Edição: 545

Leia mais

Revolução 4.0. Novas fronteiras para a vida e a educação

Edição: 544

Leia mais

Mais Lidos

  • “Vejo um novo comunismo, distante do comunismo histórico, brotar do vírus”. Entrevista com Slavoj Žižek

    LER MAIS
  • Encontrar um sentido para suportar as adversidades. A sabedoria de Viktor Frankl

    LER MAIS
  • Um tempo de grande incerteza. Entrevista com o papa Francisco

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


25 Março 2020

Ficamos em casa. Este é o mantra que agora ecoa dentro de nós, nos noticiários, nas nossas páginas sociais e em apoio às determinações que pretendem proteger a população do contágio e da morte por coronavírus. Um antigo ditado, ainda válido, ao contrário, diz: "o assassino tem a chaves da casa”. Refere-se àquelas situações em que homens violentos (maridos, namorados, mas às vezes também pais ou filhos) agridem, humilham, espancam, matam esposas, namoradas, filhas e mães. Em 2018, 142 mulheres morreram por feminicídio. Em média, uma mulher é morta a cada três dias. 85% dos casos ocorrem na família e, para as mulheres, o lar pode ser o local de sua morte violenta. Ou de estupro. Ou de humilhação, física, psicológica, econômica.

O artigo é de Elena Ribet, publicada por Riforma, semanal das igrejas evangélicas batistas metodistas e valdenses da Itália, 27-03-2020. A tradução é de Luisa Rabolini.

Para essas mulheres, as determinações para a emergência Coronavírus podem ser fatais. Faltam programas específicos de proteção, são necessários fundos para os centros antiviolência, é necessária uma revolução cultural, invocada há décadas pelas diferentes expressões do feminismo e por aquelas experiências, infelizmente muito poucas e pouco visíveis, da conscientização dos homens sobre o problema. É muito cedo para fazer a contagem de feminicídios durante o Coronavírus, e gostaríamos de não ter que fazer essa contagem.

Mas nas mídias sociais, desde os primeiros dias de isolamento total, começaram a surgir simpáticas vinhetas nas quais se pedia os advogados de família para se prepararem para um aumento nos divórcios assim que a emergência do Coronavírus terminasse. Esperamos que não tenhamos que dizer o mesmo aos advogados criminalistas.

E é para contrariar de todas as maneiras o silêncio sobre esse assunto e manter alta a guarda das mulheres, da sociedade, das instituições e das igrejas, em particular, que a Federação das Mulheres Evangélicas na Itália (Fdei) publicou um comunicado à imprensa.

Precisamos proteger as mulheres vítimas de violência que são obrigadas a "ficar em casa".

Precisamos espalhar a palavra, a possibilidade de uma saída para aqueles cuja casa não é um refúgio, mas um lugar perigoso. O comunicado da Fdei é acompanhado também por uma adaptação do Salmo 31, como um convite à oração, à esperança, mas sobretudo à conscientização, que é o primeiro passo para sair da violência, que publicaremos a seguir.

Salmo 31

Tenha misericórdia de mim, ó Deus,
porque estou angustiada,
ficar em casa não é uma segurança.
Consumidos estão de tristeza meus olhos, minha alma e meu ventre.
Minha vida está gasta de tristeza, e os meus anos de lágrimas.
Sou obrigada a ficar em casa,
sofro por razões de uma convivência forçada e minha força descai por causa da minha aflição,
e os meus ossos se consomem.
Tenha misericórdia de mim, ó Deus, porque estou angustiada,
ficar em casa não é uma segurança.
Eu estou isolada com um homem violento, nada mudou,
o coronavírus não interrompeu a violência,
de meu inimigo me tornei opróbrio, a pandemia favoreceu em mim agressões e violência dentro da minha casa.
Tenha misericórdia de mim, ó Deus, porque estou angustiada,
ficar em casa não é uma segurança.
Mas eu confiei em ti, Senhor; e disse: Tu és o meu Deus.
Os meus tempos estão nas tuas mãos; livra-me das mãos dos meus inimigos e dos que me perseguem.

Leia mais

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

A casa nem sempre é um lugar seguro - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV