Meditando sobre a morte durante uma pandemia. Artigo de Thomas Reese

Revista ihu on-line

Diálogo interconvicções. A multiplicidade no pano da vida

Edição: 546

Leia mais

Cultura Pop. Na dobra do óbvio, a emergência de um mundo complexo

Edição: 545

Leia mais

Revolução 4.0. Novas fronteiras para a vida e a educação

Edição: 544

Leia mais

Mais Lidos

  • O cálculo político de Ciro Gomes

    LER MAIS
  • Tomar a Bíblia ao pé da letra

    LER MAIS
  • A riqueza dos mais ricos cresce um trilhão durante a covid. O ranking dos patrimônios

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


24 Março 2020

Este isolamento me deu tempo para pensar sobre como todos nós vamos morrer um dia. Nós simplesmente não sabemos quando. Uma pandemia impossibilita não pensar na morte.

O comentário é do jesuíta estadunidense Thomas J. Reese, ex-editor-chefe da revista America, dos jesuítas dos Estados Unidos, de 1998 a 2005, e autor de “O Vaticano por dentro” (Ed. Edusc, 1998), em artigo publicado por Religion News Service, 23-03-2020. A tradução é de Moisés Sbardelotto.

Eis o artigo.

Estou em quarentena devido ao contato com alguém que teve a Covid-19, mas não estou apresentando sintomas.

No entanto, meu isolamento me deu tempo para pensar sobre como todos nós vamos morrer um dia. Nós simplesmente não sabemos quando. É fácil ignorar a morte quando somos jovens ou estamos com boa saúde, mas as doenças e outros desastres nos forçam a reconhecer a nossa finitude. Uma pandemia impossibilita não pensar na morte.

A morte é o grande nivelador. Ela afeta ricos e pobres, famosos e humildes, poderosos e fracos, santos e pecadores.

Na parábola do rico insensato no Evangelho de Lucas, Jesus conta a história de um homem rico que planeja construir celeiros maiores para a sua colheita, mas Deus lhe diz: “Tolo! Ainda nesta noite, tua vida te será tirada. E para quem ficará o que acumulaste?”. E Jesus conclui: “Assim acontece com quem ajunta tesouros para si mesmo, mas não se torna rico diante de Deus” [Lucas 12,13-21].

No Evangelho de Mateus, Jesus também descreve como seremos julgados após a morte. “Eu estava com fome, e me destes de comer”, diz o Filho do Homem [Mateus 25,35]. E aqueles que foram justos vão para a vida eterna.

A expressão latina “Memento mori” – “Lembre-se da morte” – era dita aos generais romanos vitoriosos, para que não se tornassem arrogantes e ambiciosos. A frase foi escolhida por escritores espirituais para lembrar aos cristãos que algum dia eles enfrentarão o julgamento.

Santo Inácio Loyola, o fundador dos jesuítas e um grande guia espiritual, recomendava meditar sobre a morte como uma parte dos seus “Exercícios Espirituais”, uma série de meditações para ajudar uma pessoa em retiro a se aproximar de Deus e a descobrir o que Ele quer que façamos. Inácio pergunta ao retirante: “Se você estivesse no seu leito de morte revendo a sua vida, que decisões você gostaria de ter tomado?”. Isso ajuda o retirante a rever as decisões passadas, mas, mais importante, a pensar nas decisões futuras.

Eis aqui algumas coisas em que podemos pensar durante esta pandemia quando meditamos sobre a morte.

Primeiro, precisamos pensar sobre a família. O Papa Francisco diz que as palavras mais importantes em uma família são “obrigado” e “desculpe”.

Como os idosos são mais suscetíveis ao coronavírus, ligue para casa e diga: “Obrigado”. Agradeça aos seus pais por todos os sacrifícios que eles fizeram por você. Seja específico. Essa pode ser a sua última chance. É verdade que eles não foram pais perfeitos, mas fizeram o melhor que puderam. Se você é pai ou mãe agora, você entende isso.

Diga-lhes que você sente muito por ser egocêntrico e imaturo, e por não dizer a eles com frequência suficiente que os ama. Se eles já morreram, não se preocupe, eles ainda podem ouvi-lo.

Pais, liguem para seus filhos. O tempo está passando; seu tempo está acabando. Diga-lhes como você se orgulha deles. Que você está muito feliz por tê-los como filhos. Diga-lhes que você os ama e sente muito por não ter sido melhor. Diga-lhes que eles são a melhor coisa que já aconteceu com você. Diga-lhes que, quando você for embora, eles ficarão bem, e você torcerá por eles do céu.

Depois, ligue para seus amigos e amigas, e para quem foi importante em sua vida. Diga-lhes o quanto eles significam para você. Agradeça-lhes por ficarem com você quando você foi um idiota ou apenas um chato.

E, se você for realmente corajoso, ligue para alguns inimigos e diga que sente muito por aquilo que você fez para jogar lenha na fogueira da sua disputa. Diga-lhes que você deseja curar essa ferida, se reconciliar. Se não funcionar, se eles desligarem, deixe para lá.

Se você conhece alguém que está doente, envie-lhe orações e seus melhores votos. Se ligar para eles, seja breve. Trata-se deles, não de você.

E, por fim, se conseguirmos passar por tudo isto, não se esqueça de que ainda morreremos um dia. Então, usemos o tempo que nos resta para tornar este mundo um lugar melhor, sendo gentil com as pessoas e com o planeta Terra antes de morrermos.

Estando há uma semana em quarentena, acho que devo praticar o que eu prego.

Meus pais já se foram, e eu não tenho filhos, mas sou grato à minha família jesuíta pela sua tolerância, companheirismo e humor. Sou grato a todos os jornalistas com quem interagi ao longo dos anos (preferiria apenas que uma filha minha não se casasse com um deles).

E sou grato a vocês, leitores e leitoras. Fico sempre admirado que alguém leia as minhas colunas ou se importe com o que eu tenho a dizer. Da mesma forma, aos paroquianos e paroquianas que têm sido tão pacientes me ouvindo pregar. Minhas desculpas pelo meu clericalismo e por não ser uma melhor fonte de alimento espiritual.

Mas, para um cristão, a morte nunca é o fim. Nós acreditamos na ressurreição, na vida após a morte. Então, agradeço especialmente a Deus pela vida e pelo belo mundo que Ele nos deu e por seu Filho que nos amou e liderou o caminho.

Por isso, da próxima vez que vir um belo pôr-do-sol, levante sua taça e louve ao Senhor. E que todos possamos festejar no céu.

Leia mais

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Meditando sobre a morte durante uma pandemia. Artigo de Thomas Reese - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV