Brasil tem dois mil órfãos do feminicídio por ano

Revista ihu on-line

Diálogo interconvicções. A multiplicidade no pano da vida

Edição: 546

Leia mais

Cultura Pop. Na dobra do óbvio, a emergência de um mundo complexo

Edição: 545

Leia mais

Revolução 4.0. Novas fronteiras para a vida e a educação

Edição: 544

Leia mais

Mais Lidos

  • Francisco e as uniões homossexuais

    LER MAIS
  • Dom Paulo Cezar Costa, novo Arcebispo de Brasília. Nota da Comissão Justiça e Paz de Brasília

    LER MAIS
  • O chileno salvo por Bergoglio - “Ele foi o primeiro a acolher os homossexuais como filhos de Deus”

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


10 Março 2020

Em muitos casos as crianças perdem a mãe, assassinada, e o pai, que vai preso. Mas não há rede de proteção para que famílias se reorganizem.

A informação é publicada por Outra Saúde, 09-03-2020.

Reportagem de capa da Época desta semana fala sobre os órfãos do feminicídio. A pedido da revista, o Fórum Brasileiro de Segurança Pública projetou que esse crime hediondo deixa mais de dois mil órfãos no país todos os anos. Em muitos casos, as crianças perdem ao mesmo tempo a mãe, assassinada, e o pai, que vai preso. Mas apesar da complexidade do assunto, não há no Brasil uma rede de proteção que se articule para facilitar a vida dessas famílias. A matéria mostra o périplo de Vane Correia Machado, que já fez “vários requerimentos” para conseguir dar entrada no INSS e voltar a receber o Bolsa Família depois que sua filha, Aline, foi morta a pauladas pelo companheiro em sua frente e na presença dos netos, de apenas dois e nove anos. “Fui lá, levei o atestado de óbito para fazer a coisa certinha. E pedi novamente o benefício como responsável por eles, mas até agora nada”, lamentou ela à repórter Renata Mariz.

“Depois que a mãe é morta, o problema da violência doméstica é riscado e esquecido e as consequências passam a ser da família que assumirá a criação das crianças”, constatou José Raimundo Carvalho, pesquisador do tema e professor da Universidade Federal do Ceará. Procurado pela reportagem, o Ministério da Mulher, da Família e dos Direitos Humanos saiu pela tangente e disse que estuda ações para tratar “a questão dos órfãos do feminicídio”. Há algumas iniciativas isoladas em estados como Amazonas e Distrito Federal. Tocado pela Defensoria Pública do AM, o projeto Órfãos do Feminicídio orienta as famílias a chegar aos serviços necessários, como à requisição de pensão e auxílio-reclusão, no caso de o pai estar preso e ter contribuído para o INSS, ou ao atendimento psicológico ou psiquiátrico no SUS.

Um estudo do Ministério Público de São Paulo revelou, a partir da análise de 364 denúncias, a cada quatro feminicídios, um foi cometido na frente de alguém da família ou de terceiros. Dessas testemunhas, 57% eram os filhos da mulher. Um quarto deles também foi atacado no momento do assassinato. Por aqui, no período entre 2017 e 2018, enquanto os homicídios caíram 13%, os feminicídios aumentaram 4%. Incorporado em 2015 à legislação brasileira, o crime de feminicídio tem pena que varia de 12 a 30 anos, enquanto para o homicídio simples ela é de seis a 20 anos. A punição aumenta se a morte for praticada em determinadas circunstâncias, como durante a gestação, nos três meses após o parto ou na presença de filhos ou pais da vítima.

Leia mais

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Brasil tem dois mil órfãos do feminicídio por ano - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV