“As camas dos hospitais foram suprimidas em nome da eficiência”, afirma Noam Chomsky

Revista ihu on-line

Diálogo interconvicções. A multiplicidade no pano da vida

Edição: 546

Leia mais

Cultura Pop. Na dobra do óbvio, a emergência de um mundo complexo

Edição: 545

Leia mais

Revolução 4.0. Novas fronteiras para a vida e a educação

Edição: 544

Leia mais

Mais Lidos

  • A “cristofobia” de Bolsonaro

    LER MAIS
  • “Maciel tinha uma capacidade incrível de manipular e enganar as pessoas”, revela ex-diretora vocacional dos Legionários de Cristo

    LER MAIS
  • A sabotagem social da prisão – Um olhar sobre o sistema carcerário

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


24 Março 2020

Em casa como todos, ou ao menos como os afortunados, decido escrever a Noam Chomsky (Filadélfia, 1928) para saber, em primeiro lugar, como está e depois lhe perguntar o que pensa da crise gerada pelo coronavírus e a reação da opinião pública.

A reportagem é de Valentina Nicodi, publicada por Ctxt, 20-03-2020. A tradução é do Cepat.

Ultimamente, há quem dê crédito à ideia de que o vírus pode ter sido propagado deliberadamente, por interesses econômicos e geopolíticos. O professor Chomsky, cujos livros tive o privilégio de traduzir durante alguns anos, responde-me em algumas horas com sua habitual amabilidade.

Disse-me que está bem. Ele, assim como nós, permanece em casa, em Tucson [Estados Unidos], com sua esposa Valeria. Não é que isto o detenha, é impossível.

Informa-me que está inundado de centenas de solicitações de entrevistas todos os dias, agora mais do que nunca, e que tem uma “agenda torrencial, uma agenda incandescente”. Teria feito mais perguntas, sei que me responderia se pudesse.

“A situação é muito grave”, disse. “E não há credibilidade na afirmação de que o vírus se propagou deliberadamente”.

Em relação à atitude dos diferentes governos: “Os países asiáticos parecem ter conseguido conter o contágio, ao passo que a União Europeia atua com atraso”.

O que há de seu próprio país?: “A reação dos Estados Unidos foi terrível. Era quase impossível até mesmo testar as pessoas, sendo assim, não temos nem ideia de quantos casos há realmente”.

Em suas respostas - que minimiza dizendo “não sei se há algo que valha a pena publicar” - encontramos em pequenas pílulas o que necessitamos para entender o núcleo da verdade: “O assalto neoliberal deixou os hospitais sem preparação. Um exemplo entre todos: as camas dos hospitais foram suprimidas em nome da ‘eficiência’”.

Para piorar as coisas, o Furacão Trump. Só agora parece que as coisas estão mudando nos Estados Unidos, mas “até agora, tanto Trump como Kushner [Jared, o genro de Trump e assessor próximo] minimizaram a gravidade da crise. Esta atitude se viu amplificada pelos meios de comunicação da direita, razão pela qual muitas pessoas deixaram de tomar as precauções mais básicas”.

Chomsky resume em algumas palavras o que necessitamos saber sobre o sistema em que vivemos: “Esta crise é o enésimo exemplo do fracasso do mercado, assim como é a ameaça de uma catástrofe ambiental. O governo e as multinacionais farmacêuticas sabem, há anos, que existe uma grande probabilidade de que se produza uma grave pandemia, mas como não é bom para os lucros se preparar para isso, não se fez nada”.

Obrigado professor, espero vê-lo logo.

“Cuide-se, fique em casa”.

 

Leia mais

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

“As camas dos hospitais foram suprimidas em nome da eficiência”, afirma Noam Chomsky - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV