Hoje mais do que nunca, Argentina! A advertência de Noam Chomsky

Revista ihu on-line

Planos de saúde e o SUS. Uma relação predatória

Edição: 541

Leia mais

Hans Jonas. 40 anos de O princípio responsabilidade

Edição: 540

Leia mais

Do ethos ao business em tempos de “Future-se”

Edição: 539

Leia mais

Mais Lidos

  • Líder indígena diz que “o Irmão Francisco” está arriscando sua vida pela Amazônia

    LER MAIS
  • O agrotóxico que matou 50 milhões de abelhas em Santa Catarina em um só mês

    LER MAIS
  • “Estamos diante de uma crise do modelo de civilização”. Entrevista com Donna Haraway

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

Enviar

16 Agosto 2019

“Hoje, mais do que nunca, precisamos reunir boas pessoas, refletir sobre os problemas e criar estruturas que nos permitam alimentar, abordar e superar nossas piores aflições, nunca pela resignação, sempre pela ação, por dentro e fora das redes”, escreve Noam Chomsky, linguista e filósofo.

O artigo é publicado por Rebelión, 15-08-2019. A tradução é do Cepat.

Eis o artigo.

O processo de avanço neoliberal que Mauricio Macri desenvolveu durante sua presidência não é um problema apenas para os argentinos. E não tem nada de novo ou exclusivo, em absoluto. Da mesma maneira dramática, está acontecendo no Brasil, mas também não se restringe ao contexto latino-americano. Na verdade, neste momento, o governo conservador britânico está tentando controlar as grandes universidades, como Oxford e Cambridge, para promover um modelo de mercado, convertendo instituições acadêmicas de primeira em simples produtos comerciais.

Macri é tudo isso, representa isso, expressa isso, comanda isso, na contramão da educação pública. E não por acaso, nada pode ser mais ameaçador para seus propósitos do que libertar as pessoas, emancipá-las, ajudá-las a pensar, convidá-las a desafiar ou impulsioná-las a perguntar sobre as realidades que nenhum gerente de marketing poderia explicar. Todos os sistemas orientados para a dominação necessitam se aliar com os mecanismos de alienação, anular os questionamentos e converter as pessoas em robôs obedientes. Aqui ou ali, esse tipo de governo segue sempre o mesmo roteiro: todo o orçamento educacional transferido para a subordinação.

Em uníssono, pouco antes ou pouco depois, de diferentes ângulos da América Latina, diversas democracias vão se subjugando aos mandatos do FMI, assinando conscientemente as garantias de estagnação e os programas de ajuste que não só paralisaram o passado recente, como desmoronaram o presente e condicionaram o futuro, não se sabe por quantas décadas. Não se trata de ingenuidades, nem de equívocos, são políticas gerais delineadas para o lucro dos ricos e o poder concentrado que não pode prosperar sem o povo de mãos atadas.

Não por coincidência, todos esses governos antipopulares pagam incríveis campanhas nas redes sociais e apostam nos aplicativos que permitem promover as mentiras. Portanto, devemos usar essas mesmas ferramentas para nos organizar construtivamente contra a opressão, porque só então poderemos resistir. Hoje, mais do que nunca, precisamos reunir boas pessoas, refletir sobre os problemas e criar estruturas que nos permitam alimentar, abordar e superar nossas piores aflições, nunca pela resignação, sempre pela ação, por dentro e fora das redes.

Hoje, grito eu.

Amanhã, é a vez de vocês.

Leia mais

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Hoje mais do que nunca, Argentina! A advertência de Noam Chomsky - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV