Onde estão os partidos e as entidades de classe?

Revista ihu on-line

Metaverso. A experiência humana sob outros horizontes

Edição: 550

Leia mais

Caetano Veloso. Arte, política e poética da diversidade

Edição: 549

Leia mais

Mulheres na pandemia. A complexa teia de desigualdades e o desafio de sobreviver ao caos

Edição: 548

Leia mais

Mais Lidos

  • Uma visão do suicídio no Brasil em resposta à outra visão apresentada

    LER MAIS
  • "É hora de reaprender a arte de sonhar com os xamãs nativos"

    LER MAIS
  • Não tenho nenhuma esperança de que o Governo Bolsonaro ainda se empenhe em transmutar sua visão a respeito da Amazônia. Entrevista com Dom Erwin Krautler

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


20 Março 2020

"Quem terá poder convocatório? Por que não todos partidos progressistas e de centro, superadas barreiras absurdas, lideranças independentes (que falta nos faz Betinho!), todas as entidades democráticas, nacionais e populares, numa ampla frente de salvação nacional? Sem chefes em disputa, mas com sentido de pátria em perigo", escreve Luiz Alberto Gomez de Souza, sociólogo.

Eis o artigo.

O PSOL desautoriza ações individuais, pois "está debatendo a melhor tática... a iniciativa atropela o debate interno... Seguiremos debatendo... as medidas adequadas..." São poucos mas seguem debatendo e debatendo sem parar, em disputas internas. Estão fazendo naufragar a candidatura Freixo pois não aceitam alianças... Haja debate interno quando o país está em chamas! 

O PT deu início ao primeiro dos seminários preparatórios para seu congresso... de novembro... Lula faz declarações pontuais de críticas às ações do governo, mas parece preservado para um momento posterior que não se sabe quando será. 

No PDT Ciro Gomes apresenta a meta de criar dois milhões de empregos no primeiro ano de "seu" governo (sic). 

PSB faz debate para organizar um planejamento estratégico. 

O MST tende a repetir a mesma análise de conjuntura nas falas de seu chefe. 

Onde estão a ABI, a OAB, a CNBB, centrais na deposição de Collor

Mas a entrevista do governo ontem mostrou um ministério ordem unida, como sabujos, alinhados a seu presidente, a quem referiam todas as iniciativas tomadas nos setores, como firmes e lúcidas decisões dele... Seu olhar vazio indicava o contrário. 

As decisões inadiáveis ficaram por conta dos panelaços. Uma vez mais a população toma a iniciativa, sem apoios logísticos de uma oposição enfrascada em seus debates internos. Ela aposta que "Bolsonaro pode naufragar", vítima de suas próprias confusões e pelo ruído ritmado dos protestos. 

A esperança está nas ruas e não só em contabilizar panelaços de parte a parte. 

Quem terá poder convocatório? Por que não todos partidos progressistas e de centro, superadas barreiras absurdas, lideranças independentes (que falta nos faz Betinho!), todas as entidades democráticas, nacionais e populares, numa ampla frente de salvação nacional? Sem chefes em disputa, mas com sentido de pátria em perigo. E, principalmente, com o surgimento, nas bases, de grupos de jovens, mulheres, idosos, negros, profissionais, indígenas, LGBT, etc., com o sangue novo de propostas inéditas e inesperadas. A utopia emergindo no meio de nós. O Brasil tem fôlego para isso. Que Francisco, Gramsci e Rosa Luxemburgo nos iluminem.

 

Leia mais

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Onde estão os partidos e as entidades de classe? - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV