Lula faz campanha sem propostas concretas e não faz autocrítica, aponta Le Monde

Revista ihu on-line

Diálogo interconvicções. A multiplicidade no pano da vida

Edição: 546

Leia mais

Cultura Pop. Na dobra do óbvio, a emergência de um mundo complexo

Edição: 545

Leia mais

Revolução 4.0. Novas fronteiras para a vida e a educação

Edição: 544

Leia mais

Mais Lidos

  • Cardeal Gracias: a Igreja deve abandonar o “preconceito” contra a liderança feminina

    LER MAIS
  • O encontro histórico entre Greta Thunberg e Malala Yousafzai

    LER MAIS
  • Impeachment de Dilma abriu a ‘caixa de Pandora’ que hoje legitima o machismo

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

Enviar

12 Fevereiro 2020

O jornal Le Monde que chegou às bancas na tarde desta segunda-feira (10) traz uma longa reportagem sobre a celebração dos 40 anos do Partido dos Trabalhadores (PT). O texto aproveita a ocasião para traçar um perfil do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva desde que deixou a prisão. Segundo o vespertino, o líder petista tenta voltar ao cenário político, mas até agora não apresentou nenhuma proposta concreta.

A reportagem é publicada por Radio França Internacional - RFI, 10-02-2020.

O texto do correspondente do Le Monde no Brasil conta como foi a celebração do aniversário do PT, uma legenda que “faz parte da história do país”. “Um partido que conheceu tudo do poder: a conquista (árdua), o exercício (extravagante) e sua perda (brutal)”, descreve.

Na noite de sábado (8), relata o correspondente, Lula, aclamado por milhares de partidários, insistia que “é possível construir um novo Brasil”. Ao lado do ex-presidente uruguaio José “Pepe” Mujica, o líder petista tentava mobilizar as novas gerações, com frases do tipo “Não se desanimem nunca”, ou ainda “temos a obrigação de lutar pelo povo”, enumera o jornalista.

No entanto, “por trás da euforia do momento, muita gente se questiona sobre o futuro do partido e a estratégia a ser encampada diante da extrema direita de Jair Bolsonaro”, pondera o correspondente. Segundo o texto, a incerteza sobre o futuro de Lula é a principal preocupação dos militantes. Le Monde lembra que o ex-presidente está livre até o fim dos recursos judiciais, mas continua inelegível.

O jornal aponta que, desde que saiu da prisão, o líder petista, “visivelmente marcado pelos 580 dias detido”, visitou, em três meses, apenas algumas capitais regionais. “Será que o cansaço estaria vencendo o leão velho?”, se questiona o correspondente, ressaltando que os comícios vêm sendo substituídos por uma presença importante nas redes sociais. “Nas últimas semanas, os internautas puderam ver Lula de todas as maneiras: posando com chapéu panamá ou de couro, jogando futebol, acariciando seu cachorro, dançando ou tomando banho de mar”, relata o vespertino.

Mas o jornal é categórico ao dizer que “todas essas frivolidades não fazem um programa e não têm, até agora, nenhum impacto na popularidade de Jair Bolsonaro, que beneficia de 47% de opinião favoráveis: 6 pontos a mais que no mês de agosto”, avalia o correspondente.

Além disso, ressalta o texto, “apesar do antipetismo que continua presente no Brasil, Lula se recusa a qualquer tipo de autocrítica”. Mas “se colocar em questão seria visto como admitir que os adversários tinham razão”, analisa o cientista político e especialista da história do PT, Claudio Couto.

PT adotou discurso ofensivo, frontal e caricatural

Ouvido pelo Le Monde, Couto confirma que, “desde sua liberação, Lula não apresentou propostas concretas” e aponta que, desde que se transformou novamente em oposição, o partido “adotou um discurso ofensivo, frontal e caricatural”. Prova disso foi a decisão, anunciada no sábado (8), de que o PT recusaria qualquer tipo de aliança para as eleições municipais de outubro com partidos de centro, como o DEM, ou da direita, como o PSDB. Segundo o vespertino, Lula rejeita a oposição institucional e privilegia a mobilização das ruas, como aconteceu no Chile.

“Uma linha dura que está longe de agradar a todos, principalmente na ala mais moderada do PT, na qual algumas vozes tímidas já começam a criticar a estratégia do chefe”, explica o correspondente, que usa como exemplo o governador da Bahia, Rui Costa, que pediu que Lula pregasse uma “pacificação do país”.

Mas a tensão também começa a se sentir entre os aliados de esquerda, que questionam o culto ao líder histórico. “Os chefes de partido, entre eles Lula, devem colocar de lado seus interesses pessoais para construir saídas para o país”, declarou o deputado do PSB, Alessandro Molon, citado pelo Le Monde. “Senão, Bolsonaro vai ser reeleito e a democracia brasileira será destruída”, anuncia o parlamentar.

Leia mais

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Lula faz campanha sem propostas concretas e não faz autocrítica, aponta Le Monde - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV