Por uma esquerda mais ampla e moderna. O desafio de sair da bolha e voltar a governar. Entrevista especial com Tatiana Roque

Foto: Pixabay

Por: Ricardo Machado | Edição: Patricia Fachin | 31 Maio 2019

A “união das esquerdas” precisa romper a barreira do discurso, mas para ir além das palavras de ordem “é preciso que as diferentes forças de esquerda se abram mais para a construção de agendas comuns”, diz Tatiana Roque à IHU On-Line, ao comentar a atuação das esquerdas na política brasileira. Na avaliação dela, a atual conjuntura de enfrentamento às propostas da extrema direita demanda uma “esquerda mais ampla e moderna”, mas o que se vê é “um desencontro imenso sobre os caminhos a seguir para renovar a esquerda”, constata. Enquanto isso, lamenta, “a direita está conquistando corações e mentes com um discurso antissistema, anti-establishment político. Claro que não é verdade que Bolsonaro seja um outsider, mas conseguiu se vender como tal e conquistou muita gente por isso”.

No processo de renovação pelo qual a esquerda precisa passar, defende, “precisamos de projetos mais antenados com os tempos atuais; tenho dito isso frequentemente, sobretudo em relação à nova configuração do trabalho”. Com a renovação de pautas, acredita, “surgirão novas lideranças”. E acrescenta: “Precisamos que sejam lideranças orgânicas: novos trabalhadores precarizados e informais, mulheres chefes de família, evangélicos progressistas, negros e negras que sofrem com a ação policial nas favelas; tudo isso em conjunto com os novos estudantes das universidades e institutos federais, além de pessoas que trabalham na cultura e com a agenda ecológica. Essas são as forças que vejo como essenciais à reinvenção da esquerda”.

Tatiana Roque (Foto: Mídia Ninja)

Tatiana Roque é graduada em Matemática pela Universidade Federal do Rio de Janeiro - UFRJ, mestra em Matemática Aplicada e doutora na área de História e Filosofia das Ciências pela mesma universidade. É professora do Instituto de Matemática da UFRJ e da Pós-graduação em Filosofia do IFCS/UFRJ, onde coordena um grupo de estudos sobre as reconfigurações do trabalho no mundo contemporâneo. Foi presidente do Sindicato Docente da UFRJ - ADUFRJ. Tatiana lançou recentemente seu canal no YouTube onde fala e entrevistas pessoas sobre temas ligados à educação, política, ciência e filosofia. 

 

Confira a entrevista.

IHU On-Line – Olhando para a esquerda do Brasil, que fraturas ficam evidentes?

Tatiana Roque - Fica evidente que ainda não conseguimos absorver as sucessivas derrotas desde o golpe de 2016. A fratura mais evidente, hoje, está posta entre a necessidade urgente de resistir aos retrocessos e o desafio de voltar a governar. Evidente que está em curso um ataque aos direitos sociais. Isso é gravíssimo, pois pode reverter conquistas importantes dos últimos anos, como é o caso da educação, especialmente com a expansão e democratização da rede federal. É preciso resistir contra tudo isso. Mas, na minha opinião, a esquerda não pode abandonar a perspectiva de vencer eleições para o Executivo. Isso demandará alianças mais amplas, para as quais são necessárias conversas que ainda não estou vendo acontecerem. Fala-se muito de “união das esquerdas”, o que vemos em curso nas ações de resistência. Contudo, para ir além da palavra de ordem, é preciso que as diferentes forças de esquerda se abram mais para a construção de agendas comuns, o que seria essencial para se ter uma ação mais propositiva.

IHU On-Line – Em entrevista ao El País, a senhora comenta sobre a necessidade de superar a cultura da lacração. No que consiste essa cultura?

Tatiana Roque - Lacração é um termo que vem sendo usado para designar uma atitude nas redes sociais, em que a pessoa se posiciona de modo enfático, para marcar posição. Essa atitude gera muitos likes, bem mais do que posições mais sóbrias e refletidas. Depois de minha entrevista, houve um mal-entendido, como se eu estivesse criticando os movimentos ditos “identitários”. Não estava pensando nesses movimentos de modo algum. Acho que a esquerda institucional, incluindo lideranças partidárias, vem atuando de forma identitária, precisando se demarcar o tempo todo da extrema direita, em cada posicionamento. Ora, me parece óbvio que somos contrários às posições da extrema direita. Além disso, como nas redes sociais falamos para a bolha, não vejo sentido em posicionamentos tão demarcatórios o tempo todo. Seria mais útil, no meu entender, produzir estratégias para sair da bolha, divulgando propostas concretas, além de dialogar entre diferentes campos dentro da esquerda. Isso não será obtido com marcações de posição. E sim com mais diálogo e propostas.

IHU On-Line – Em quais esquinas a esquerda que pede Lula Livre se encontra com a esquerda que pede justiça ao assassinato de Marielle Franco? Em quais esquinas se distanciam?

Tatiana Roque - Acho que são duas pautas essenciais, justas e urgentes. Porém bastante distintas. A prisão de Lula foi parte do golpe, que desde 2016 atua com nítida intenção de tirar o PT do poder. O assassinato de Marielle decorre de um problema mais antigo e crônico no Brasil, especialmente no Rio de Janeiro. Diz respeito ao envolvimento espúrio entre milícias e poder político, que se tornou quase uma definição — trágica e infeliz — da cidade. Marielle Franco, juntamente com Marcelo Freixo e o PSOL do RJ, sempre tiveram uma atuação corajosa e incisiva de combate a essa situação. No Rio, nem sempre tiveram apoio do PT para isso. Logo, é compreensível que quem está na luta por justiça no caso Marielle se incomode com a identificação dessa pauta ao Lula Livre. Isso não quer dizer que não achem justa também a luta pela liberdade de Lula. Em geral, acho que a esquerda tem a ganhar em atuar mais a partir de pautas específicas. Pode ser, inclusive, uma ótima estratégia para sair da bolha.

IHU On-Line – De que modo tais manifestações também demonstram um recorte étnico, de gênero, de classe e de idade?

Tatiana Roque - As manifestações logo após a morte de Marielle tiveram uma participação impressionante de jovens de favelas e periferias, algo mais raro de se ver nas manifestações tradicionais da esquerda. Mas isso foi logo no início, com a comoção generalizada provocada pelo assassinato brutal de uma liderança tão brilhante e promissora.


IHU On-Line – É possível, ou mesmo necessário, reinventar a esquerda brasileira? Em que sentido?

Tatiana Roque - Acho urgente. Precisamos de uma esquerda mais ampla e moderna para fazer face aos tempos atuais de ascensão da extrema direita. Mas há um desencontro imenso sobre os caminhos a seguir para renovar a esquerda. A direita está conquistando corações e mentes com um discurso antissistema, anti-establishment político. Claro que não é verdade que Bolsonaro seja um outsider, mas conseguiu se vender como tal e conquistou muita gente por isso.

Parte da esquerda acha, então, que deve ir pelo mesmo caminho, que seria o momento de radicalizar. Acho essa análise de conjuntura equivocada. É completamente diferente ter uma proposta anti-establishment de direita e uma de esquerda. Por mais “anti” que queira parecer, a direita é, por definição, garantidora da ordem. No caso atual, defende valores conservadores e se alia à ordem econômica ultraliberal. A esquerda, também por definição, tem propostas que subvertem essa ordem. Defende valores mais libertários — feminismo, direitos LGBTIs, pautas antirracistas — e propostas econômicas transformadoras, na direção da diminuição das desigualdades e da concentração de renda. Essas pautas representam, por si só, uma ameaça à ordem vigente. Como achar que a mesma disposição para radicalizar pela direita pode ser aproveitada pela esquerda? Acho impossível. Isso só vai agravar o problema. A esquerda deve mostrar que tem propostas factíveis, que são melhores porque podem construir uma sociedade mais solidária e igualitária. Isso se tornará visível na prática, conquistando governos locais e repercutindo suas políticas. Foi a parte do que deu certo nos governos conquistados pelo PT entre sua fundação e a chegada ao governo federal.

 

IHU On-Line – Como Junho de 2013 continua ainda, pelo menos para parte da esquerda, incompreensível?

Tatiana Roque - Junho foi, antes de tudo, um movimento por mais democracia e mais direitos sociais, especialmente melhores serviços públicos. Não era contra o PT inicialmente.

Depois de uma fase em que se abriu para as reivindicações de junho, formou-se um consenso no PT que diz: as condições econômicas estavam boas, o salário mínimo estava valorizado, o desemprego baixo, logo aquelas pessoas não tinham motivo para sair às ruas; se saíram é porque foram instrumentalizadas.

Discordo totalmente do princípio de que as pessoas saem às ruas quando estão em condições ruins. Acho exatamente o oposto: quando têm mais acesso a direitos e estão em melhor situação econômica, as pessoas querem mais — e podem querer mais, pois ficam empoderadas. Em junho de 2013, as pessoas estavam em boa situação por causa das políticas dos sucessivos governos do PT. Só que queriam mais. O mais trágico foi o PT não reconhecer o produto de suas próprias políticas, passando a fazer caricatura dos manifestantes.

Claro que junho de 2013 foi diferente em cada cidade. Falo muito a partir de onde vivi todos os protestos, no Rio de Janeiro. As pautas aqui eram claramente de esquerda, tenho um texto com a Mariana Patrício falando disso em detalhes.

IHU On-Line – O desencontro da esquerda parece ser também um desencontro entre tempos. Uma mais ligada à figura do líder, outra mais flexível privilegiando certas pautas. Em que ponto a convergência é potente politicamente para o Brasil?

Tatiana Roque - Precisamos de projetos mais antenados com os tempos atuais; tenho dito isso frequentemente, sobretudo em relação à nova configuração do trabalho. A partir daí, surgirão novas lideranças. Precisamos que sejam lideranças orgânicas: novos trabalhadores precarizados e informais, mulheres chefes de família, evangélicos progressistas, negros e negras que sofrem com a ação policial nas favelas; tudo isso em conjunto com os novos estudantes das universidades e institutos federais, além de pessoas que trabalham na cultura e com a agenda ecológica. Essas são as forças que vejo como essenciais à reinvenção da esquerda.

IHU On-Line – Uma questão importante é a que remete às pessoas empobrecidas que ficam fora de ambos os espectros da esquerda e que formam o imenso caldo cultural que legitima governos autoritários e conservadores (o Rio é rico de exemplos: Crivella, Witzel etc.). Como sensibilizar esses corações e mentes?

Tatiana Roque - É exatamente o que disse na resposta anterior. É um desafio para a esquerda o fato de a direita estar ganhando com o apoio de faixas da população que devem estar na base da esquerda. No caso, a faixa de pessoas que têm renda familiar entre 2 e 5 salários mínimos e que hoje votam na direita. Como trazer essas pessoas? Acho que esse é um desafio urgente.

IHU On-Line – Em que sentido a direita foi mais hábil em compreender as estéticas produzidas por Junho de 2013?

Tatiana Roque - A direita foi hábil em capturar uma estética antissistema. Isso era difícil mesmo para a esquerda, porque a esquerda estava no governo, mas havia um caminho de aprofundamento da democracia e de melhorias nos serviços públicos de transporte, educação e saúde. Se tivesse ido por aí, a esquerda poderia ter respondido e mantido o apoio de parte daquela população indignada. O desafio continua sendo esse, aliás.

 

Leia mais

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV