O grito da Terra e o grito dos Pobres

Revista ihu on-line

Diálogo interconvicções. A multiplicidade no pano da vida

Edição: 546

Leia mais

Cultura Pop. Na dobra do óbvio, a emergência de um mundo complexo

Edição: 545

Leia mais

Revolução 4.0. Novas fronteiras para a vida e a educação

Edição: 544

Leia mais

Mais Lidos

  • “O mercado não é Deus e a meritocracia é apenas um grande blefe”, desabafa banqueiro italiano

    LER MAIS
  • Agronegócio pode ter infectado 400 mil trabalhadores no Brasil por Covid-19

    LER MAIS
  • Meio bilhão de cristãos pedem que G20 reforme a atual arquitetura econômica

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


31 Outubro 2019

“Ecoam, como um grito, as considerações do Papa Francisco em sua Laudato Si’, quando clama para que a humanidade tome consciência da “necessidade de realizar mudanças de estilo de vida, de produção e de consumo” e quando aponta para uma nova economia mundial onde países ricos aceitem dividir a riqueza”, escreve Roberto Mistrorigo Barbosa, membro das Comunidades de Vida CristãCVX e da Comissão Nacional de Formação do Conselho Nacional do Laicato do BrasilCNLB.

Eis o artigo.

Em 2015, na Encíclica Laudato Si’, o Papa Francisco apelou de forma contundente para que as lideranças de todo mundo ouçam o “grito da Terra e o grito dos pobres”. Essa metáfora diz muito sobre como a humanidade tem se comportado em relação ao planeta e a seus membros mais necessitados, ou seja, é preciso que a natureza e os pobres gritem para que sejam ouvidos. Mas não basta apenas que os poderosos ouçam, é urgente que tomem alguma atitude.

Nesse sentido, recente pesquisa divulgada pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) coloca em números e perspectiva o descaso dos líderes brasileiros. Os resultados mostram que em apenas um ano aumentou em 2 milhões o número de pessoas vivendo em situação de pobreza; outros 2 milhões se transformaram em miseráveis.

Mas tão cruel quanto a miséria que se abate sobre mais de 54 milhões de brasileiros é a gigantesca má distribuição da riqueza. Nesta mesma pesquisa, o IBGE detectou que a parcela mais rica do país, cerca de 10%, tem renda 17,6 vezes maior que os mais pobres. Os endinheirados concentram 43,1% de todo rendimento, ao passo que os 40% mais pobres detêm apenas 12% da riqueza.

Na avaliação dos pesquisadores, cortes no programa Bolsa Família, o aumento do desemprego e da informalidade aliados à crise econômica tem causado essa rápida deterioração na renda das famílias.

Ao mesmo tempo em que as pessoas sofrem com a pobreza, a natureza também mostra sinais evidentes de esgotamento, como bem ilustra o Instrumentum Laboris do Sínodo Pan-Amazônico quando expressa que “a Amazônia clama por uma resposta concreta e reconciliadora”. A divisão deste documento não poderia ser mais didática, sendo a primeira parte intitulada “a voz da Amazônia”, a segunda “ecologia integral: o clamor da terra e dos pobres” e a terceira “Igreja profética na Amazônia: desafios e esperanças, a problemática eclesiológica e pastoral”.

Infelizmente, não são poucos os exemplos da irresponsabilidade para como meio ambiente. Na própria Amazônia, o ano de 2019 foi devastador, com o aumento das queimadas chamando a atenção de toda a opinião pública mundial. Neste mês de outubro, o Nordeste do Brasil sofre com o maior vazamento de petróleo em suas praias, em toda sua história. Desastres parecidos como esses e com o de Mariana, em Minas Gerais, que matou o Rio Doce, tem se tornado comuns.

Ecoam, portanto, como um grito, as considerações do Papa Francisco em sua Laudato Si’, quando clama para que a humanidade tome consciência da “necessidade de realizar mudanças de estilo de vida, de produção e de consumo” e quando aponta para uma nova economia mundial onde países ricos aceitem dividir a riqueza: “Chegou o momento de aceitar um certo decrescimento em algumas partes do mundo, aportando recursos para que seja possível crescer de maneira saudável em outras partes. É insustentável o comportamento daqueles que consomem e destroem mais e mais, enquanto outros não podem viver de acordo com sua dignidade humana”.

E em busca dessa nova economia, dessa nova maneira de nos relacionarmos com o outro e com a natureza, cabe também ouvir as palavras de Santa Dulce dos Pobres: “O importante é compreender o trabalho em favor dos necessitados como uma missão escolhida por Deus” e “O que fazer para mudar o mundo? Amar. O amor pode, sim, vencer o egoísmo”.

Leia mais

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

O grito da Terra e o grito dos Pobres - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV