Valdenses, há oito séculos, uma voz fora do coro. Artigo de Alessandro Santagata

Revista ihu on-line

Diálogo interconvicções. A multiplicidade no pano da vida

Edição: 546

Leia mais

Cultura Pop. Na dobra do óbvio, a emergência de um mundo complexo

Edição: 545

Leia mais

Revolução 4.0. Novas fronteiras para a vida e a educação

Edição: 544

Leia mais

Mais Lidos

  • Um gargarejo nos salvará? Enxaguar a boca e o nariz por 30 segundos com produtos de uso comum reduz muito a carga viral

    LER MAIS
  • Nós precisamos repensar radicalmente a forma como vivemos e trabalhamos

    LER MAIS
  • As duas faces perversas da informalidade: sobretrabalho e intermitência

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


23 Agosto 2016

"Os valdenses continuam sendo uma minoria contracorrente e dinâmica em uma sociedade multirreligiosa que sempre está lidando com os seus atrasos históricos e com os novos desafios culturais."

A opinião é do historiador italiano Alessandro Santagata, professor da Universidade de Roma Tor Vergata, em artigo publicado no jornal Il Manifesto, 21-08-2016. A tradução é de Moisés Sbardelotto.

Eis o texto.

Em uma nação cada vez menos religiosa, mas nem por isso menos imbuída de cultura católica, a Igreja Evangélica Valdense representa, há 800 anos, uma voz fora do coro.

Filha dos movimentos de reforma do século XII que lutavam contra a corrupção romana, essa comunidade cristã – nascido sob o ensinamento de Valdo de Lyon e forçada pelo poder secular a se enraizar naqueles que se tornariam os Vales Valdenses do Piemonte – sofreu uma primeira perseguição ainda na Idade Média e uma série de ataques sucessivos, por consequência da adesão à Reforma protestante, das "Páscoas Piemonteses" de 1655 às perseguições de 1686, que culminaram no exílio e no posterior "Glorioso Repatriamento".

Em 1848, com Carlo Alberto, ocorria, finalmente, o fim da "guetização" e o reconhecimento dos direitos civis dos valdenses, mas a liberdade de consciência ainda era negada, já que a religião católica continuava sendo religião de Estado.

A marginalização não impediu, contudo, que a presença dos valdenses fosse significativa tanto no processo do Ressurgimento, quanto na Resistência ao nazifascismo, particularmente forte nos Vales e alimentada por 20 anos de limitação das liberdades das minorias religiosas e de repressão de cultos "não admitidos".

No marco democrático do pós-guerra, a "batalha" dos valdenses continuou em uma Itália em que a simbiose entre o poder político e a Igreja Católica já tinha se tornado a figura dominante do sistema.

Do conflito pela liberdade, passava-se à campanha pela laicidade do Estado, em um país onde estava (e ainda está) em vigor a Concordata. Não é por acaso, portanto, que pastores e intelectuais valdenses e metodistas se distinguiram na elaboração de uma nova teologia, que, da distinção feita por Karl Barth entre Deus e o mundo, obtinha o fundamento de uma visão política antitética às construções culturais democratas cristãs.

Ao mesmo tempo, continuava aquele processo de reaproximação das confissões que levava à constituição da Federação das Igrejas Evangélicas e ao pacto de integração entre valdenses e metodistas.

Estamos nos anos 1970, caracterizados também no campo protestante pela penetração do marxismo e pelo desenvolvimento, muitas vezes em conexão com os grupos da "dissidência católica", das teologias políticas revolucionárias. Uma experiência simbólica dessa época foi o Centro Ecumênico de Agape, em Prali (Turim), viveiro teórico promovido pelo pastor Tullio Vinay e espaço político de referência para os extraparlamentares e para as feministas.

Quanto às relações com a Igreja Católica, os anos posteriores ao Concílio Vaticano II viram a emergência de um debate que culminou em junho de 2015, na visita do Papa Francisco ao Templo Valdense de Turim. Além dos pontos de contato em matéria de exegese e de teologia, um campo de debate é hoje a questão migratória, objeto da ação conjunta dos "Corredores Humanitários", o projeto promovido pela Federação das Igrejas Evangélicas e da Comunidade de Santo Egídio.

As distâncias, no entanto, ainda são marcantes, quando se trata da organização da Igreja – o papel das mulheres, por exemplo –, de bioética e de laicidade. Nas últimas décadas, a Igreja Valdense tem-se distinguido justamente pelas suas posições abertas e construtivas, também do ponto de vista evangélico, sobre as uniões homossexuais e de fato, assim como sobre o testamento biológico.

Os valdenses, em suma, continuam sendo uma minoria contracorrente e dinâmica em uma sociedade multirreligiosa que sempre está lidando com os seus atrasos históricos e com os novos desafios culturais.

Leia mais:

Pastor valdense expressa satisfação com a nova lei sobre as uniões civis na Itália

O Papa recebe, pela primeira vez na história, os valdenses e os metodistas

Uma delegação metodista e valdense foi recebida pelo Papa Francesco. A primeira vez isto acontece no Vaticano

Pio V para a Igreja é um santo, mas foi ele que fez degolar os valdenses

“Impossível esquecer, mas queremos recomeçar a caminhada juntos”, afirmam os valdenses ao recusar o perdão pedido por Francisco

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Valdenses, há oito séculos, uma voz fora do coro. Artigo de Alessandro Santagata - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV