O processo de renovação da esquerda é atravancado pela 'renovada' hegemonia do PT. Entrevista especial com Pablo Ortellado

Revista ihu on-line

Renúncia suprema. O suicídio em debate

Edição: 515

Leia mais

Lutero e a Reforma – 500 anos depois. Um debate

Edição: 514

Leia mais

Bioética e o contexto hermenêutico da Biopolítica

Edição: 513

Leia mais

Mais Lidos

  • Quem é o grupo que pode lançar Luciano Huck à presidência em 2018

    LER MAIS
  • O império dos monopólios. Artigo de Joseph Stiglitz

    LER MAIS
  • A polarização não está nos deixando pensar

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

Enviar

Por: Patricia Fachin | 23 Março 2017

Apesar de vozes à esquerda defenderem a necessidade de “enterrar” e fazer “o luto do PT” para que algo novo possa surgir no campo progressista, essa proposta foi praticamente soterrada depois do impeachment da ex-presidente Dilma Rousseff, avalia Pablo Ortellado na entrevista a seguir, concedida por telefone à IHU On-Line. As razões disso, explica, se devem ao fato de a esquerda ter se aglomerado novamente em torno do PT por conta de dois motivos: “a polarização nas eleições de 2014” e “o impeachment da ex-presidente Dilma”.

Portanto, assinala, “o fenômeno novo” na conjuntura política é que “várias dessas correntes terminaram confluindo, novamente, para o PT”. Ele exemplifica: “Toda essa disputa crítica que aconteceu durante o governo Lula sobre a transposição do rio São Francisco foi completamente esquecida, e essa transposição, que pode e deve ser criticada sob inúmeros pontos de vista, foi absolutamente celebrada como uma grande conquista, um grande legado do governo do ex-presidente Lula”.

Para ele, o discurso de parte da esquerda em defesa das “empresas nacionais” e a crítica à Lava Jato e à Operação Carne Fraca fazem parte da “estratégia discursiva do Partido dos Trabalhadores, que está tentando desacreditar a Operação Lava Jato, apresentando-a como uma grande conspiração contra a indústria nacional, que tinha se projetado por meio das políticas desenvolvimentistas dos governos Lula e Dilma. Ao apresentar a Lava Jato junto com a recente operação da Polícia Federal [Carne Fraca] como uma iniciativa contrária à indústria nacional, eles tentam deslegitimar as denúncias de corrupção que vieram da Lava Jato e que atingem praticamente toda a cúpula do PT”. Mas salienta: “Como o resto da sociedade está fora da zona de influência da esquerda, e a vê como um agente corrompido, a esquerda fala de maneira desesperada e cada vez para menos pessoas, na medida em que ela só fala para seus próprios militantes”.

Na avaliação de Ortellado, a reinvenção da política no Brasil depende de se dar um “passo seguinte”, que consiste em “um processo de renovação da esquerda em busca de alternativas que pudessem nos levar um pouco mais adiante”. Contudo, adverte, “esse processo de polarização e de renovação da hegemonia do PT no campo da esquerda está atravancando o processo de renovação, que não parece que vai acontecer tão cedo”.


Ortellado | Foto: IEA USP

Pablo Ortellado é doutor em Filosofia pela Universidade de São Paulo - USP. Atualmente é professor do curso de Gestão de Políticas Públicas, orientador no programa de pós-graduação em Estudos Culturais e coordenador do Grupo de Pesquisa em Políticas Públicas para o Acesso à Informação - Gpopai, todos na USP.

Pablo Ortellado estará no Instituto Humanitas Unisinos - IHU, nesta quinta-feira, 23-03-2017, ministrando a palestra “A reinvenção da esquerda brasileira no pós-lulismo. Continuidades e rupturas”. O evento integra o Ciclo A reinvenção da política no Brasil contemporâneo. Limites e perspectivas. Confira a programação aqui.

Confira a entrevista.

IHU On-Line - Quais são as principais correntes de esquerda existentes no país e em que aspectos elas se aproximam e se diferenciam?

Pablo Ortellado – Existem muitas esquerdas, correntes e abordagens, e é muito difícil listar todas. Para falar algo além disso, o fenômeno mais novo é que várias dessas correntes terminaram confluindo novamente para o PT em função do processo de impeachment. Logo depois do impeachment da presidente Dilma, o discurso do golpe e a urgência que trazia a palavra golpe, de uma interrupção democrática, de uma suspensão das liberdades, fez com que um pouco dessa pluralidade que existia, que estava à esquerda do PT e que tinha certa independência, se reagrupasse na defesa desse mandato que foi interrompido.

Existem muitas esquerdas, mas essa diversidade das esquerdas diminuiu recentemente, desde o processo de impeachment, quando o discurso do golpe terminou por confluir uma série dessas correntes e grupos, que acabaram se aglomerando e se coordenando em defesa daquele mandato que foi interrompido.

IHU On-Line – Então você diria que há uma união da esquerda hoje, ou apesar dessa confluência em torno do PT, há uma crise ou uma disputa interna na esquerda?

Pablo Ortellado – Existe uma enorme disputa. Se olharmos a história da esquerda no Brasil, trata-se de uma história que gira em torno do PT desde os anos 1970, porque o PT é a confluência dos movimentos sociais em um projeto de institucionalização política. Uma vez que ele se estabeleceu, terminou ultrapassando o paradigma anterior da esquerda, que era o Partidão, estabelecendo-se assim como a nova referência da esquerda: tudo se estabelece em referência ao PT, inclusive as forças políticas da esquerda. Todos os partidos que costumamos chamar de extrema-esquerda já estiveram alguma vez no PT. Inclusive aqueles partidos que buscam estar fora do campo da esquerda ou com certa autonomia em relação à esquerda – é o caso da REDE –, encontramos as raízes deles no Partido dos Trabalhadores. Isso engloba o PSTU, o PSOL, a REDE; todos eles foram desdobramentos do PT.

Além disso, vários outros grupos que não estavam vinculados aos partidos políticos acabaram confluindo no processo do impeachment. Fora disso, existe a nova esquerda autônoma e alguns partidos trotskistas, que estão tentando sair dessa zona de influência do Partido dos Trabalhadores, mas isso muda conjunturalmente.

IHU On-Line - Quais as consequências dessa confluência da esquerda em torno do PT?

Pablo Ortellado – Isso é positivo para o PT, porque ele restabeleceu sua liderança e sua hegemonia no campo da esquerda; esse é o principal resultado desse processo. A partir do momento em que as forças políticas se uniram com urgência em defesa de um mandato que foi interrompido por um processo de impeachment, o PT reapareceu como grande líder no campo da esquerda. Esse era um papel que estava muito desgastado em um passado recente e que ele recuperou totalmente. Hoje, sem dúvida, a principal força de esquerda é o PT.

IHU On-Line - Como a esquerda tem reagido diante de questões polêmicas, como a inauguração de parte da obra da transposição do rio São Francisco, a Operação Carne Fraca e a Operação Lava Jato? Parte da esquerda tanto defende a transposição, quanto faz uma crítica à Operação Carne Fraca e à Operação Lava Jato, argumentando que essas operações prejudicam as empresas nacionais. Como avalia esses discursos?

Pablo Ortellado – Existem posições minoritárias que são divergentes desses grupos que mencionei, os grupos que estão tentando escapar da polarização, sejam eles ligados aos movimentos autônomos, à REDE ou a nenhuma força política, mas são forças minoritárias.

Entretanto, esse cenário que você descreve é totalmente decorrente da “renovada” hegemonia do PT no campo da esquerda. Essas são estratégias discursivas e políticas do Partido dos Trabalhadores, que fez a transposição do rio São Francisco mesmo com denúncias de grupos ambientalistas, com denúncias de grupos que representavam as comunidades que seriam afetadas pela transposição do rio. Toda essa disputa crítica que aconteceu durante o governo Lula sobre a transposição do rio São Francisco foi completamente esquecida, e essa transposição, que pode e deve ser criticada sob inúmeros pontos de vista, foi absolutamente celebrada como uma grande conquista, um grande legado do governo do ex-presidente Lula.

Essa leitura das delações da Odebrecht e da defesa das empresas brasileiras é uma estratégia que, a meu ver, faz parte da estratégia discursiva do Partido dos Trabalhadores, que está tentando desacreditar a Operação Lava Jato, apresentando-a como uma grande conspiração contra a indústria nacional, que tinha se projetado por meio das políticas desenvolvimentistas dos governos Lula e Dilma. Ao apresentar a Lava Jato junto com a recente operação da Polícia Federal [Carne Fraca] como uma iniciativa contrária à indústria nacional, eles tentam deslegitimar as denúncias de corrupção que vieram da Lava Jato e que atingem praticamente toda a cúpula do PT. Acredito que seja uma estratégia discursiva do Partido dos Trabalhadores, e como ele retomou a hegemonia no campo da esquerda, esse discurso está sendo adotado por amplos setores; e a maioria da esquerda está, mais ou menos, encampando esse discurso, contra alguns setores que hoje são minoritários.

IHU On-Line - Mas por que a esquerda se volta para o PT como a sua tábua de salvação?

Pablo Ortellado – Na minha opinião isso tem a ver com dois elementos: a polarização nas eleições de 2014 e depois, logo em seguida, com o impeachment da ex-presidente Dilma. Essas dinâmicas de polarização terminam juntando os campos e, ao fazer isso, as forças mais organizadas tendem a estabelecer uma hegemonia. Na eleição da ex-presidente Dilma houve um processo de enorme polarização, foi uma campanha em que se afirmaram certos valores de esquerda e certo projeto de esquerda. No entanto, logo depois que a ex-presidente iniciou o mandato, o que foi dito durante a campanha foi completamente desmentido pelos fatos, mas no processo eleitoral as forças de esquerda se aglomeraram na defesa daquele projeto - esse foi o primeiro momento em que houve uma espécie de confluência.

Depois, durante o processo de impeachment, o discurso do golpe, o uso e a difusão da palavra “golpe” - que até pode ser acertada, porque descrever o impeachment como uma espécie de golpe parlamentar não é de todo errado - reavivou a memória da ditadura, a memória da violação dos direitos fundamentais, da interrupção do regime democrático, e isso gerou uma urgência e uma paixão que foram mobilizadas em torno da defesa daquele mandato. Consequentemente, isso restabeleceu a hegemonia do PT sobre um campo da esquerda que ele havia perdido. Por exemplo, amplos setores do PSOL hoje têm abordagens muito parecidas com o PT, sendo que o PSOL nasceu e sempre se marcou como uma dissidência do PT e sempre fez muita questão de marcar sua diferenciação com o petismo, mas agora eles estão muito unidos.

IHU On-Line – Quais as consequências dessa confluência para a esquerda? Será positiva?

Pablo Ortellado – Creio que não. Acredito que a experiência do governo do Partido dos Trabalhadores já mostrou seus limites: trouxe alguns avanços sociais, políticas sociais e alguma melhoria econômica para os mais pobres, mas mostrou limites muito claros. O passo seguinte deveria ser um processo de renovação da esquerda em busca de alternativas que pudessem nos levar um pouco mais adiante. Agora, esse processo de polarização e de renovação da hegemonia do PT no campo da esquerda está atravancando o processo de renovação, que parece que não vai acontecer tão cedo.

IHU On-Line - Como a esquerda lidou com os casos de corrupção? Como ela poderia ter lidado com isso?

Pablo Ortellado – Em primeiro lugar quero chamar a atenção de que essa esquerda mesmo, o Partido dos Trabalhadores, não só pode falar de corrupção, como já falou muito de corrupção. Basta lembrarmos o papel do PT nos anos 1990, que se apresentava como o “partido da ética” – esse era, inclusive, um apelido do PT. Isso aconteceu há 25 anos, quando o PT se colocava como o partido da ética, denunciando os esquemas de corrupção do governo Fernando Henrique Cardoso, a compra de votos para a reeleição, os escândalos dos anões do orçamento. Então, não apenas é possível conciliar uma posição de esquerda com a crítica de corrupção, como isso aconteceu recentemente com os próprios setores que estão denunciando isso hoje.

A defesa do patrimônio público me parece muito obviamente uma posição de esquerda, e a esquerda tem desenvolvido alternativas e propostas de políticas públicas no combate à corrupção que são próprias da esquerda, como a transparência e o controle social, assim como a independência das forças policiais e das instituições de investigação. Todas essas são iniciativas que foram propostas por agentes de esquerda.

O que é novo é que a esquerda, uma vez que tenha se tornado alvo dessas investigações de corrupção, subitamente e de maneira oportunista, mudou de posição, dizendo que a corrupção é sistêmica e relacionando qualquer crítica de corrupção a uma crítica moralista. Isso parece uma defesa muito oportunista dos seus próprios quadros de dirigentes que estão sob investigação por terem saqueado, de maneira bilionária, a principal empresa pública brasileira.

IHU On-Line – Recentemente você disse que a esquerda entrou numa “hipertrofia discursiva isolacionista e vitimista”, ao adotar o discurso de que ela está sendo perseguida. O que levou a esquerda a essa hipertrofia? Isso tem alguma relação com o desempenho da esquerda nos governos Lula e Dilma?

Pablo Ortellado – Tem. Ela fica falando porque está desesperada, ela está sob ataque de investigação. Pouco importa, neste momento, se a esquerda é mais investigada e mais cobrada do que a direita. Essa é uma questão pertinente, mas não é suficiente para eximir a esquerda das críticas por estar envolvida nos escândalos de corrupção.

Portanto, frente a isso, esses setores da esquerda que estão sendo investigados entraram em uma espécie de hipertrofia discursiva no sentido de que estão falando muito rapidamente, de uma maneira muito desesperada, e falando apenas para si mesmos. Como o resto da sociedade está fora da zona de influência da esquerda, e a vê como um agente corrompido, a esquerda fala de maneira desesperada e cada vez para menos pessoas, na medida em que ela só fala para seus próprios militantes. E a população vai se afastando dessa força política que ela vê implicada nos escândalos de corrupção, a qual é universalmente rejeitada, para além dos círculos dos militantes de esquerda, e por bons motivos.

IHU On-Line - Alguns também têm avaliado que a esquerda ainda não fez sua autocrítica acerca dos erros que cometeu, os quais levaram o país à crise em que se encontra. Como está acontecendo esse processo de autocrítica da esquerda? Que questões deveriam ser consideradas nessa autocrítica?

Pablo Ortellado – Quem tem que fazer a autocrítica são os setores que estão implicados nessas denúncias de corrupção, que são setores do Partido dos Trabalhadores, e o PT reagiu muito mal a esses escândalos. Nesse sentido a resposta do Partido dos Trabalhadores é, basicamente, “os outros também fazem e as investigações são uma perseguição contra nós”. Eles nunca disseram que esses casos de corrupção não aconteceram, dizem apenas “os outros também fazem”, e não fizeram nenhuma autocrítica. Mas o fato é que um partido de esquerda, que deveria defender e inclusive ampliar o patrimônio público, se envolveu em um esquema de corrupção no qual o patrimônio público foi saqueado para fins privados. Portanto, a esquerda não fez nenhuma autocrítica, está tentando sobreviver com a crise econômica.

A esquerda está tentando sobreviver mudando de assunto, e ao que tudo indica ela conseguirá mudar de assunto. Isso porque a crise econômica gerou uma frustração tão grande nos brasileiros, que eles começam a olhar para a experiência do Partido dos Trabalhadores como um momento de bonança na economia, e, na busca de melhorias econômicas, corre-se o risco de se deixar para trás esses escândalos de corrupção. Acho que esse é o significado da folgada liderança que o ex-presidente Lula tem na corrida presidencial de 2018. Respondendo: o PT não fez a autocrítica que deveria ter feito e é possível que ele sobreviva sem fazê-la.

IHU On-Line - Alguns têm chamado atenção para o déficit de pensamento no Brasil. Há esse déficit de pensamento? Por quais razões?

Pablo Ortellado – Com certeza existe uma falta de pensamento crítico e isso tem a ver com a polarização política. A partir do momento em que temos uma polarização numa espécie de guerra na sociedade, quando as pessoas que se interessam por política estão divididas e debatem a partir de uma chave muito belicosa e intolerante umas com as outras, não existe espaço para posição independente, porque cada lado acha que a posição independente é uma traição da causa.

Se você tem um pensamento independente, te empurram para um lado ou para o outro, e você é mutuamente atacado pelos dois lados. É por esse motivo que reflexões em busca de posições independentes estão em falta, porque qualquer voz independente é atacada por um lado ou outro, ou por ambos. Mesmo que consiga sobreviver a esses ataques, ela não consegue encontrar seu público, porque os dois lados falam o mesmo, muito alto e de maneira coordenada. Isso faz parte da guerra, e aí eles abafam as vozes independentes.

IHU On-0Line - Diante desse déficit de pensamento, é possível vislumbrar quais são as propostas da esquerda para o campo econômico e social? Que respostas a esquerda tem tentado dar à crise que o país enfrenta hoje?

Pablo Ortellado – Até onde eu sei, isso não está formulado, porque não há espaço para isso. O jornal Valor Econômico fez uma matéria relatando os debates que estão acontecendo no Instituto Lula, que basicamente são uma retomada das políticas vigentes no período do segundo mandato. Do ponto de vista de formulação específica, o que temos é isso, porque formulações de propostas independentes não têm encontrado espaço nem para serem discutidas publicamente, nem para serem adotadas por forças políticas.

A retomada do governo Lula seria uma volta à política de consumo, melhoramento do crédito das famílias, fortalecimento do BNDES, ou seja, uma política de crescimento por meio do mercado interno. É basicamente essa a proposta econômica que o Lula vem discutindo e que provavelmente trará, caso seja eleito. Ou seja, é mais do mesmo, e essa proposta não toca numa série de questões das quais dependemos para poder avançar: precisamos avançar no sistema tributário, precisamos fazer com que os ricos paguem impostos, ou seja, a tributação deveria estar no coração de uma agenda de esquerda progressiva, precisamos fortalecer os sistemas públicos universais, como educação e saúde. Tem uma série de agendas que ficaram de fora do governo Lula, como a agenda ambiental, a reforma dos meios de comunicação, e que aparentemente vão continuar fora do horizonte.

IHU On-Line – E pautas como essas teriam espaço num possível governo Ciro Gomes?

Pablo Ortellado – Não sei se o Ciro Gomes chegou a esse grau de detalhamento do que seria o seu governo.

IHU On-Line – Os nomes que aparecem por enquanto numa possível candidatura de 2018 são os de Lula, Ciro Gomes, João Doria e Bolsonaro. Como vê essas possibilidades?

Pablo Ortellado – Esse cenário vai empurrar todas as pessoas de esquerda a apoiarem Lula, porque ele é o grande candidato, e quando se colocarem as alternativas a ele, todo o campo de esquerda vai se alinhar ao lulismo por falta de opção; isso se o Lula conseguir se candidatar e não for preso ou perder sua capacidade de concorrer por conta da Lava Jato. Se as coisas continuarem como estão, ele será a grande alternativa. Um nome que se coloca é o de Ciro Gomes, mas ainda é uma incógnita o que seria uma candidatura Ciro Gomes.

IHU On-Line – Como você entende este processo: que de um lado, são feitas muitas críticas ao PT e, de outro, Lula apareça como a única opção para a esquerda?

Pablo Ortellado – Pois é, mas as pesquisas mostram que ele está numa folgada primeira posição. Eu creio que isso tem a ver com a crise econômica, porque as pessoas se importam muito com corrupção, mas se importam muito mais com o seu bem-estar econômico, o que não é absurdo quando elas se encontram desempregadas. E as pessoas têm uma memória recente de que elas viviam bem durante o governo Lula, e é verdade. Isso a meu ver explica por que o Lula está em primeiro lugar nas pesquisas eleitorais. Por outro lado, ele tem muita rejeição, cerca de 45%. Claro que as investigações de corrupção jogam contra a candidatura dele, mas se ele concorrer, certamente será o favorito, principalmente se não houver nenhuma alternativa a ele.

IHU On-Line - O cenário de mobilizações da sociedade civil mudou nos últimos meses? A esquerda tem conseguido mobilizar a população para determinadas pautas?

Pablo Ortellado – Teve a mobilização recente contra a Reforma da Previdência e essa foi uma mobilização grande, porque a reforma é muito impopular. Essa reforma tem mobilizado setores que inclusive dialogam com as forças de direita, pois ameaça diretamente os direitos das pessoas. Nesse sentido, essa reforma é diferente da PEC do teto, porque os efeitos dela não serão sentidos de maneira clara antes de dez anos. A Reforma da Previdência afeta a vida concreta das pessoas ao aumentar o limite de idade para a aposentadoria, aumentando a exigência de anos de contribuição para se aposentar. Isso tem gerado um enorme campo de mobilização contra essas reformas e explica o sucesso das mobilizações do dia 15 de março.

Essas mobilizações vão continuar durante toda a tramitação da Reforma da Previdência no Congresso; e a tramitação vai demorar, porque o Congresso sentiu que essa reforma é altamente impopular. Ao mesmo tempo, os congressistas estão sob um duplo ataque: o da Lava Jato e o da insatisfação popular. Estou esperando que tenhamos bastante mobilizações contra essa reforma.

IHU On-Line - Quais são os desafios da esquerda pós-lulismo? Que discussões a esquerda poderia pautar para pensar o desenvolvimento da sociedade brasileira?

Pablo Ortellado – O maior desafio do pós-lulismo é enterrar e fazer o luto do PT, porque o PT é uma espécie de força política com enorme capacidade de renascer e de se recolocar na sociedade civil. Isso tem a ver com o fato de ele ter no seu DNA a mobilização social. Ele não é um partido político institucional, mas um partido político que nasceu do movimento social e sempre teve esse vínculo entre a sociedade civil e o partido político. Por isso quando está muito ameaçado, ele volta às suas raízes, mobiliza a sociedade civil e a submete ao seu projeto político, e assim renasce com força. O principal desafio da esquerda pós-lulista é se livrar do PT para poder ir além do PT. O PT obteve conquistas que são meritórias e que trouxeram bem-estar para a população, mas também mostrou limites muito claros, aos quais ficaremos presos enquanto não conseguirmos nos organizar fora do Partido dos Trabalhadores.

IHU On-Line – Mas se as pesquisas estão corretas e o ex-presidente Lula for eleito em 2018, serão mais quatro anos...

Pablo Ortellado – Serão mais quatro anos de hegemonia petista, mais quatro anos com a direita enlouquecida, enfim, serão mais quatro anos.

IHU On-Line – Na prática, fazer o luto do PT implica em quê?

Pablo Ortellado – Em se organizar fora do PT, em enterrar o PT de vez, fazendo outra coisa, aprendendo obviamente com o que o PT fez de bom. Parecia que estávamos caminhando para esse cenário de enterrar o PT, mas hoje parece que ele mostrou uma enorme capacidade de renascer. A inauguração paralela que se organizou em torno da inauguração da transposição do rio São Francisco, ou a participação do Lula nas manifestações contra a Reforma da Previdência, mostram uma enorme capacidade do PT de renascer.

Leia mais

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

O processo de renovação da esquerda é atravancado pela 'renovada' hegemonia do PT. Entrevista especial com Pablo Ortellado - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV