"Sair da concepção clerical ou papal da Igreja. Um desafio". Entrevista especial com Ivone Gebara

Revista ihu on-line

Revolução 4.0. Novas fronteiras para a vida e a educação

Edição: 544

Leia mais

Ontologias Anarquistas. Um pensamento para além do cânone

Edição: 543

Leia mais

Vilém Flusser. A possibilidade de novos humanismos

Edição: 542

Leia mais

Mais Lidos

  • Vandana Shiva: “Temos de destruir o mito de que a tecnologia é uma religião que não pode ser questionada”

    LER MAIS
  • III Jornada Mundial dos Pobres: o papa almoçará com 1500 convidados

    LER MAIS
  • “Em um Brasil deserto de lideranças, Lula vai fazer a festa”, afirma o cientista político Jairo Nicolau

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

Enviar

17 Agosto 2013

"Creio que há uma mudança que está se operando em parte do clero, do episcopado e de muitos fiéis, sobretudo mulheres na direção de uma nova ética sexual. O fermento está na massa. É preciso esperar que a levede lentamente”, diz a teóloga.

       Foto: www.humaniversidade.com.br

Confira a entrevista.

“O papa usou uma tática de não tocar de forma clara nos assuntos litigiosos na Igreja numa primeira visita. (...) Quis ser acolhido como Papa com um novo jeito de ser mais próximo e afetivo e sem as pompas que caracterizam a vida dos pontífices seus predecessores”, avalia Ivone Gebara em entrevista concedida à IHU On-Line por e-mail. Para ela, Francisco age como “se acreditasse que com ele uma nova era na Igreja Católica Romana pudesse ser inaugurada. Mas, não podemos esquecer que o Papa Francisco é o mesmo cardeal Bergoglio de Buenos Aires e suas posições contrárias ao casamento gay, ao aborto, aos anticoncepcionais são bem conhecidas do povo argentino”. E aponta: “E mais, a teologia e a ética sexual oficial da Igreja Católica ainda se referem a um mundo pré-moderno onde os avanços da ciência não tivessem afetado a cultura e a moralidade das pessoas”.

A teóloga afirma que a resposta do papa aos jornalistas referente à ordenação das mulheres a “surpreendeu”. “A surpresa não foi o ‘não’ em relação à ordenação, mas quando afirmou a necessidade de uma ‘teologia da mulher’ na Igreja”, menciona.

E esclarece: “Com essa resposta evidenciou um desconhecimento da luta e da produção teológica das mulheres por muitas décadas. E isto é preocupante para um pontífice que está à frente de uma Igreja majoritariamente feminina. Não sei se o desconhecimento é real ou se corresponde a uma postura política em relação ao movimento de mulheres no mundo e na Igreja. Nesse sentido avalio a visita como deixando a desejar, sobretudo que a maioria dos jovens presentes na Jornada Mundial da Juventude era de mulheres”.

Ivone Gebara é doutora em Filosofia, pela Universidade Católica de São Paulo, e em Ciências Religiosas, pela Université Catholique du Louvain, na Bélgica. Ela lecionou durante 17 anos no Instituto de Teologia do Recife - ITER, até sua dissolução, decretada pelo Vaticano, em 1989.

Confira a entrevista.

              Foto: www.unicap.br

IHU On-Line - Como avalia a visita do Papa ao Brasil?

Ivone Gebara - Quando fazemos uma avaliação de alguém, sobretudo, de um personagem público como o Papa Francisco, nos damos conta da parcialidade de nossas avaliações. Cada pessoa avalia a outra a partir de um ponto de vista ou de uma expectativa ou de uma frustração. No fundo nenhuma avaliação é completa, mesmo as que se pretendem ser avaliações gerais. Não fujo à regra. Repito como tantos outros analistas que a figura do Papa Francisco é muito simpática, sua proximidade das pessoas e seu esforço de usar uma linguagem mais simples e compreensível são dignos de nota. Além disso, tem tomado posições importantes em relação ao governo da Igreja especialmente em resposta aos escândalos do Vaticano assim como posições significativas na linha da denúncia da injustiça social como quando esteve na Ilha de Lampedusa no sul da Itália. As posições de alguém são sempre interligadas às ações presentes e do passado.

Minha avaliação toca também o meu compromisso em relação à causa das mulheres que se expressa de diferentes formas e nos diferentes contextos. A resposta que deu aos jornalistas na volta à Itália quando perguntado sobre a ordenação das mulheres me surpreendeu. A surpresa não foi o “não” em relação à ordenação, mas quando afirmou a necessidade de uma ‘teologia da mulher’ na Igreja. Com essa resposta evidenciou um desconhecimento da luta e da produção teológica das mulheres por muitas décadas. E isto é preocupante para um pontífice que está à frente de uma Igreja majoritariamente feminina. Não sei se o desconhecimento é real ou se corresponde a uma postura política em relação ao movimento de mulheres no mundo e na Igreja. Nesse sentido avalio a visita como deixando a desejar, sobretudo que a maioria dos jovens presentes na Jornada Mundial da Juventude era de mulheres.

IHU On-Line - Diferente dos outros papas, Francisco não abordou em seus discursos questões de gênero e moral, por exemplo. O que o silêncio do papa sinaliza?

Ivone Gebara - Creio que o papa usou uma tática de não tocar de forma clara nos assuntos litigiosos na Igreja numa primeira visita. A meu ver, mas posso estar enganada, quis ser acolhido como Papa com um novo jeito de ser mais próximo e afetivo e sem as pompas que caracterizam a vida dos pontífices seus predecessores. É como se acreditasse que com ele uma nova era na Igreja Católica Romana pudesse ser inaugurada. Mas, não podemos esquecer que o Papa Francisco é o mesmo cardeal Bergoglio de Buenos Aires e suas posições contrárias ao casamento gay, ao aborto, aos anticoncepcionais são bem conhecidas do povo argentino. E mais, a teologia e a ética sexual oficial da Igreja Católica ainda se referem a um mundo pré-moderno onde os avanços da ciência não tivessem afetado a cultura e a moralidade das pessoas. Por exemplo, os insistentes conselhos da Igreja contra os preservativos e anti-concepcionias revelam o quanto esses conselhos são anacrônicos em relação ao mundo de hoje. E mais, como esse tipo de exigência provoca o surgimento de comportamentos dúbios em muitas pessoas no que se refere a moral sexual. Cada um age conforme suas necessidades e crenças e a Igreja institucional age a partir de princípios ignorando a vida real das pessoas.

IHU On-Line - Questionado sobre o fato de não ter mencionado esses assuntos em seus discursos, Francisco disse que os jovens já sabem qual é a posição da Igreja em relação a tais temas. Como a senhora vê essa resposta? Vislumbra alguma mudança na doutrina da Igreja ou na maneira de abordar esses temas?

Ivone Gebara - Creio que no calor do grande espetáculo das falas do papa e do ambiente de convivência dos jovens, esses assuntos capitais não foram tocados por Francisco e não houve igualmente insistência dos jovens para isso, ao menos publicamente. Penso que o papa não desconhece o fato de que os problemas acima enumerados são fundamentalmente problemas da juventude e não dos mais velhos. O mesmo se poderia dizer das drogas. Entretanto, se a resposta não foi dada diretamente pelo Papa, aliás, uma resposta que seria bastante conhecida, foi dada por alguns grupos de Igreja talvez até apoiados por autoridades episcopais.

Em muitas sacolas entregues aos jovens havia um manual de moral sexual em diferentes línguas e, por incrível que pareça, um pequeno feto em forma de boneca assim como um pequeno terço em que cada conta representava um fetinho. Eu quase não acreditei. Precisei ver com meus próprios olhos para confirmar. Queriam instruir os jovens contra o aborto dessa forma realista, violenta e desrespeitosa dos corpos e das dores humanas.

Sinto que precisamos crescer em humanidade, precisamos nos aproximar de forma desarmada das questões e dores alheias. Com o sistema legalista de pureza apresentado por muitos grupos e pessoas da Igreja corremos o risco de acirrar as diferentes formas de violência e a mentira nas relações humanas.

Apesar disso, creio que há uma mudança que está se operando em parte do clero, do episcopado e de muitos fiéis, sobretudo mulheres na direção de uma nova ética sexual. O fermento está na massa. É preciso esperar que a levede lentamente.

IHU On-Line - Considerando os primeiros meses da atuação do Papa Francisco, o que é possível vislumbrar acerca de seu pontificado?

Ivone Gebara - Creio que ele começa com um ponto positivo. Há uma inegável aceitação de sua pessoa e uma esperança em relação a reformas na Igreja Católica. Mas sabemos bem que embora líderes sejam importantes às estruturas de poder e outras, mudam apenas com o empenho coletivo. Nesse sentido creio que os grupos católicos espalhados pelo mundo deveriam manifestar-se mais, fazer propostas e enfrentar a realidade plural da Igreja. Creio que essa realidade plural deveria ter direito de cidadania respeitada. É difícil dizer isso quando desenvolvemos ao longo de séculos a ideia da Igreja una, santa e apostólica. O convite ao respeito das diferenças, o convite à inclusão parecem ser apelos lançados em nosso século nas mais diferentes instituições. E as instituições religiosas não podem deixar de ouvi-los.

IHU On-Line - Deseja acrescentar algo?

Ivone Gebara - Gostaria de reforçar a ideia de que a Igreja também somos nós. Isto significa sair de uma concepção clerical ou papal da Igreja. Em outros termos, a Igreja não são apenas os bispos e não é apenas o Papa. Não são eles que nos entregam a fé. Não são eles que nos dão Jesus Cristo. Não são eles que nos levam a aderir aos valores que sustentam a vida. Eles têm uma função, sem dúvida, mas a realidade da fé se inscreve em cada pessoa, depois se sustenta na comunidade de fiéis capazes de ser uns para os outros justiça, misericórdia, compaixão e ajuda mútua na manutenção da vida. Sair da valorização dos esquemas hierárquicos e buscar a responsabilidade coletiva nas pequenas e grandes ações é um real desafio para todas/os nós.

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

"Sair da concepção clerical ou papal da Igreja. Um desafio". Entrevista especial com Ivone Gebara - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV