‘O mar está constantemente despejando corpos’: teme-se que o número de mortos nas enchentes na Líbia possa chegar a 20.000

Mais Lidos

  • Especialização em Protagonismo Feminino na Igreja: experiência de sororidade e crescimento humano integral

    LER MAIS
  • Católicos versus Evangélicos no Brasil: “guerra de posição” x “guerra de movimento”. Artigo de José Eustáquio Diniz Alves

    LER MAIS
  • No meio do caminho estava o CIMI: 50 anos do documento-denúncia “Y-Juca-Pirama” e a atuação do Pe. Antônio Iasi Jr, SJ

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


Revista ihu on-line

Zooliteratura. A virada animal e vegetal contra o antropocentrismo

Edição: 552

Leia mais

Modernismos. A fratura entre a modernidade artística e social no Brasil

Edição: 551

Leia mais

Metaverso. A experiência humana sob outros horizontes

Edição: 550

Leia mais

14 Setembro 2023

A escala total da devastação no país do norte de África ainda não está clara, enquanto as agências de ajuda lutam para chegar às áreas isoladas.

A reportagem é de Patrick Wintour e Luke Harding, publicada por The Guardian, 13-09-2023.

A ajuda internacional está lentamente a começar a chegar à devastada cidade portuária de Derna, à medida que se levantam questões sobre quantas 20 mil pessoas poderão ter morrido quando a tempestade Daniel atingiu a costa norte da Líbia no sábado à noite.

Dez mil pessoas foram declaradas desaparecidas por agências de ajuda oficiais, como o Crescente Vermelho Líbio, mas a sinistra estimativa mais elevada de 20 mil mortes veio do diretor do centro médico al-Bayda, Abdul Rahim Maziq.

Os cadáveres ainda estão espalhados pelas ruas e a água potável é escassa. A tempestade matou famílias inteiras e, dada a localização remota de algumas aldeias e a natureza rudimentar do governo municipal, levará algum tempo até que o número de mortos seja confirmado.

Mas a escala da devastação parecia ainda pior do que as autoridades previram inicialmente. O “mar despeja constantemente dezenas de corpos”, disse Hichem Abu Chkiouat, ministro da Aviação Civil na administração que dirige o leste da Líbia, acrescentando que a reconstrução custaria milhares de milhões de dólares.

A Organização Internacional para as Migrações (OIM) na Líbia disse na quarta-feira que pelo menos 30 mil pessoas foram deslocadas em Derna, a cidade mais afetada pela tempestade Daniel. A OIM acrescentou que 6.085 pessoas foram deslocadas em outras áreas atingidas pela tempestade, incluindo Benghazi, com o número de mortes ainda não verificado.

A necessidade de enterrar os corpos para evitar a propagação de doenças era tamanha que centenas de pessoas estavam sendo enterradas coletivamente em uma cova. Os residentes de Derna têm defendido um novo hospital de campanha, uma vez que os dois hospitais existentes na cidade se tornaram necrotérios improvisados.

Patrulhas marítimas trabalhavam ao longo da costa tentando localizar corpos, muitos dos quais estavam sendo levados para Tobruk para possível identificação.

Havia escassez de alimentos e água potável e as autoridades lutavam para restabelecer totalmente a Internet. Uma comissão técnica para avaliar os danos, formada pela autoridade de estradas e pontes, anunciou que a extensão da rede rodoviária destruída em Derna foi estimada em 20 milhas (30 km). A área devastada pelas inundações cobriu 90 hectares (220 acres) e cinco pontes foram destruídas.

As agências humanitárias têm lutado para chegar à cidade de pouco mais de 100 mil habitantes, prejudicada pela destruição de estradas. Foram necessários helicópteros, fornecidos principalmente pelo Egito. O Reino Unido anunciou na quarta-feira um pacote de ajuda inicial de até £ 1 milhão.

Mohamed Eljarh, um jornalista líbio que viaja para Derna, disse que as equipes de resgate ainda não chegaram a algumas partes da cidade, especialmente no leste, bem como à cidade costeira vizinha de Sousse e ao município de al-Sahel. “Até ontem à noite, houve apelos de alguns sobreviventes sob os escombros”, disse Eljarh ao The Guardian, falando da cidade vizinha de Tobruk.

Ele descreveu a situação em Sousse e nas aldeias vizinhas como um “novo episódio trágico”. “Centenas de casas estão soterradas sob lama, escombros e água. Nenhuma ajuda chegou”, disse ele. “Outras áreas foram afetadas de forma semelhante. O número de mortos será impressionante.”

Os corpos de algumas vítimas estavam a ser transferidos para Tobruk, 160 quilômetros a leste de Derna, numa tentativa de acelerar os enterros e documentar os muitos mortos.

A única estrada de montanha em funcionamento entre Tobruk e Derna estava congestionada, composta por veículos de socorro e parentes desesperados que tinham ido em busca de entes queridos desaparecidos.

A ajuda internacional chega de países historicamente ligados à Líbia, incluindo a Turquia, os Emirados Árabes Unidos e o Egito, onde foram declarados três dias de luto. Ajuda na forma de caminhões e médicos está sendo enviada do Ocidente.

O país está politicamente dividido há anos. Mas permanece a impressão de que a operação internacional de ajuda de emergência demorou a entrar em ação, com a atenção centrada no terremoto em Marrocos e os especialistas a demorarem a perceber a escala do desastre.

O governo de unidade nacional reconhecido pela ONU, com sede em Trípoli, disse na quarta-feira que 12 países enviaram ajuda e equipes de resgate para a Líbia.

O site do governo no Facebook disse que a ajuda incluiu equipes de resgate e recuperação, cães rastreadores, hospitais de campanha, equipes médicas, dispositivos de detecção térmica, equipes de mergulho e sucção de água, suprimentos de alimentos, materiais de abrigo e navios e aviões para ajudar no processo de recuperação.

Com a Líbia dividida entre duas administrações rivais, as agências humanitárias esperam uma coordenação máxima do esforço de ajuda aleatório.

A França estava enviando um hospital de campanha e cerca de 50 militares e civis capazes de tratar cerca de 500 pessoas por dia, disse Paris na terça-feira.

À medida que a tragédia se desenrola, surgem questões sobre como Derna ficou tão exposta aos danos causados ​​pela tempestade Daniel. Moin Kikhia, do grupo de reflexão do Instituto Democrático da Líbia, disse: “A perturbação ambiental provocada pela tempestade foi transformada pela corrupção endêmica e pela falta de governação numa espécie de catástrofe bíblica. Às vezes a água chegava a 20 metros de altura e as pessoas no terceiro andar eram arrastadas para o mar. Documentos de auditoria mostram que estas barragens não foram mantidas durante anos.

“Só podemos esperar que isto leve à reflexão na Líbia e no estrangeiro sobre a necessidade de eleger um novo governo único.”

Existe também a preocupação de que Derna e a vizinha Sousse, devido à sua proximidade com a Itália e a Grécia, tenham sido centros para milhares de migrantes que tentavam atravessar o Mediterrâneo, e muitos deles estariam em habitações precárias perto do porto.

Rashad Hamed, consultor especialista em dados do fundo das Nações Unidas para a infância, Unicef, disse: “A catástrofe humanitária em Derna, na Líbia, é diferente da catástrofe humanitária em Marraquexe, Marrocos. O terremoto marroquino não poderia ter sido evitado ou mitigado, enquanto o desastre de Derna foi causado por negligência e negligência grave, cujo preço foi pago por milhares de vítimas”.

Ele disse que a barragem de Wadi Derna “reteve a água da chuva e o vertedouro negligenciado da barragem, que não era limpo há muito tempo, não conseguiu drenar a água. Como resultado, a barragem ruiu e a água varreu a cidade e jogou-a no mar.”

As lutas políticas internas na Líbia já começaram, com os que estão no poder a tentar evitar a culpa. Musa al-Koni, membro do conselho presidencial da Líbia, disse: “Não se esperava que este furacão fosse tão forte e destrutivo a tal ponto, especialmente porque o país nunca tinha testemunhado tempestades tão devastadoras antes”.

Falando no canal Líbia Al Ahrar, ele disse: “Lidamos com a crise sem planos e está claro para o público o que aconteceu. Queremos que tudo seja feito ao máximo e mais rápido, e agora não temos tempo para culpar uns aos outros e devemos trabalhar o máximo que pudermos. Nenhum de nós foi exposto ao que o nosso povo foi exposto em Derna, e é natural que culpemos as nossas instituições.”

O major-general Ahmed al-Mismari, porta-voz do Exército Nacional da Líbia, que domina o leste, disse que as suas unidades agiram nas primeiras horas após a chegada da tempestade e cumpriram o seu dever ao máximo.

Ele disse: “O povo líbio é paciente e acredita no destino e no destino, e o que aconteceu é o destino de Deus, e não responsabilizamos ninguém, e consolamos a nós mesmos, aos líbios e aos muçulmanos com este número, que é provável aumentará nos próximos dias, mas as pessoas devem seguir as instruções emitidas.”

Listando todas as estradas que foram fechadas, acrescentou: “Todas as pontes em Derna estavam vulneráveis ​​a estas inundações, o que criou um desafio, pois todas as rotas de transporte foram fechadas para nós. Tentamos encontrar rotas alternativas e cada soldado deve chegar ao cidadão, qualquer que seja o problema ou dilema que enfrenta.”

Ele disse que os líbios estavam a acolher famílias deslocadas e que hotéis e escolas foram abertos para fornecer alojamento, enquanto as agências de desenvolvimento forneciam cobertura, medicamentos e serviços humanitários no meio da contínua missão de busca e salvamento.

Ele disse que o apoio estava chegando por via aérea e marítima, mas acrescentou que havia pessoas ao sul da Montanha Verde sobre as quais pouco se tinha ouvido falar.

Leia mais

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

‘O mar está constantemente despejando corpos’: teme-se que o número de mortos nas enchentes na Líbia possa chegar a 20.000 - Instituto Humanitas Unisinos - IHU