Aquecimento global é “questão candente de direitos humanos”

Mais Lidos

  • Varsóvia e Gaza: 80 anos depois, dois guetos e o mesmo nazismo... e a mídia finge não ver o Terror de Estado de Netanyahu. Artigo de Luiz Cláudio Cunha

    LER MAIS
  • A 'facisfera' católica: jovens sacerdotes ultraconservadores que rezam no YouTube pela morte do Papa Francisco

    LER MAIS
  • A fé que ressurge do secularismo e do vírus. Artigo de Tomáš Halík

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


Revista ihu on-line

Zooliteratura. A virada animal e vegetal contra o antropocentrismo

Edição: 552

Leia mais

Modernismos. A fratura entre a modernidade artística e social no Brasil

Edição: 551

Leia mais

Metaverso. A experiência humana sob outros horizontes

Edição: 550

Leia mais

07 Julho 2023

Dado que os desastres climáticos extremos ameaçam o direito universal dos humanos à alimentação, o aquecimento global converteu-se numa questão candente de direitos humanos. Quem o sustenta é o Alto Comissário da ONU, Volker Türk, num discurso perante o Conselho de Direitos Humanos, no início da semana, em que defende também que “não devemos deixar [um futuro de fome e sofrimento] para os nossos filhos resolverem – apesar de o ativismo deles ser inspirador”.

A informação é publicada por 7 Margens, 05-07-2023.

O Alto Comissário sublinhou que o direito à alimentação foi “amplamente ameaçado” pelas mudanças climáticas e lembrou que houve um aumento de 134 por cento em desastres relacionados com inundações provocados pelo clima desde o início do século.

Os eventos climáticos extremos e os desastres “destroem os ecossistemas e os meios de subsistência dos agricultores”. Por outro lado, “a sua repetição rápida e implacável torna impossível para as comunidades reconstruir-se e sustentar-se”, disse ele.

Segundo o responsável da ONU, em 2021, 828 milhões de pessoas passaram fome. Esse número deverá aumentar 80 milhões até meados deste século, mantendo-se as tendências atuais.

Os impactos, nota Turk, são mais sentidos por pequenos agricultores e pessoas na África Subsaariana, na Ásia e na América Latina. Porém, com a aceleração do aquecimento, esses impactos irão amplificar-se e “nenhum país será poupado.”

Muitos dos que passam fome não contribuíram “quase nada” para os processos industriais que estão a “matar o nosso meio ambiente e a violar direitos”. Por isso, o Alto Comissário enfatiza a urgência de acabar com os subsídios aos combustíveis fósseis, transformando as instituições internacionais de desenvolvimento e financiamento em “motores de ação climática”, e fazendo da Cimeira COP28 de novembro deste ano uma “viragem decisiva”.

De acordo com ele, a geração atual dispõe das “ferramentas tecnológicas mais poderosas da história” para impedir o aquecimento do planeta em níveis que podem tornar a comida, a água e a vida humana “irreconhecíveis”.

Leia mais

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Aquecimento global é “questão candente de direitos humanos” - Instituto Humanitas Unisinos - IHU