Eventos climáticos extremos e impactos socioeconômicos

Mais Lidos

  • Como o Papa Francisco está tentando “feminilizar” a Igreja

    LER MAIS
  • “Os maus-tratos aos animais é uma expressão do mal e da nossa incapacidade de aceitar os outros”. Entrevista com Corine Pelluchon

    LER MAIS
  • Israel-Palestina. Um soldado se sacrifica e um primeiro-ministro renuncia: o genocídio em Gaza provoca ações desesperadas

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


Revista ihu on-line

Zooliteratura. A virada animal e vegetal contra o antropocentrismo

Edição: 552

Leia mais

Modernismos. A fratura entre a modernidade artística e social no Brasil

Edição: 551

Leia mais

Metaverso. A experiência humana sob outros horizontes

Edição: 550

Leia mais

06 Outubro 2022

 

  • O número de desastres climáticos, climáticos e hídricos aumentou cinco vezes nos últimos 50 anos, causando, em média, US$ 202 milhões em perdas diárias

  • Eventos climáticos extremos causam impactos socioeconômicos duradouros, especialmente nas comunidades mais vulneráveis, que muitas vezes são as menos equipadas para responder, recuperar e se adaptar

  • Em 2022, as mudanças climáticas causadas pelo homem contribuíram ainda mais para perdas econômicas e humanas significativas associadas a fortes chuvas e eventos de calor extremo em todo o mundo.

  • Eventos climáticos extremos causam impactos socioeconômicos significativos. A OMM relata que o número de desastres relacionados ao clima aumentou cinco vezes nos últimos 50 anos, ceifando, em média, a vida de 115 pessoas e causando US$ 202 milhões em perdas diárias (OMM, 2021).

 

A reportagem é publicada por EcoDebate, 05-10-2022.

 

À medida que a ciência de atribuição continua a melhorar, as evidências da ligação entre as mudanças climáticas induzidas pelo homem e os extremos observados, como ondas de calor, chuvas intensas e ciclones tropicais, se fortaleceram (IPCC 2021). E embora os eventos climáticos extremos possam afetar qualquer pessoa, são as populações mais vulneráveis ​​do mundo, particularmente aquelas que vivem na pobreza e comunidades marginalizadas, que sofrem mais.

 

Eventos climáticos extremos em 2022

 

Figura 1. Ciclone Tropical Batsirai na costa de Madagascar no sudoeste do Oceano Índico.

 

A temporada de ciclones tropicais no sudoeste do Oceano Índico de 2021/2022 foi muito ativa, com 12 tempestades nomeadas – cinco das quais atingiram o status de ciclone tropical intenso. A tempestade tropical Ana foi a primeira tempestade da temporada, trazendo ventos fortes, chuvas fortes e inundações generalizadas para Madagascar, Malawi, Moçambique e Zimbábue no final de janeiro de 2022. Foi seguida por Batsirai, um ciclone tropical ainda mais forte, mostrado na Figura 1.

 

As tempestades causaram graves impactos humanitários em toda a região – uma das mais pobres e vulneráveis ​​do mundo. Em Moçambique, por exemplo, quase 64% da população vive em extrema pobreza, e em Madagascar, 42% das crianças menores de cinco anos sofrem de desnutrição crônica (Banco Mundial, 2021; Programa Alimentar Mundial, 2021). Como resultado dessas tempestades, dezenas de milhares de pessoas foram deslocadas, a infraestrutura foi destruída e as terras agrícolas inundadas exacerbaram ainda mais a insegurança alimentar (Otto et al., 2022).

 

Usando métodos publicados, revisados ​​por pares, a iniciativa World Weather Attribution descobriu que as mudanças climáticas provavelmente aumentaram a intensidade das chuvas associadas a essas tempestades (Otto et. al., 2022). À medida que a atmosfera se torna mais quente, ela retém mais água, o que, em média, torna as estações chuvosas e os eventos mais úmidos. Com mais emissões e temperaturas crescentes, episódios de chuvas fortes, como os associados a Ana e Batsirai, se tornarão mais comuns.

 

Populações vulneráveis, como as impactadas por Ana e Batsirai, são as mais atingidas por eventos climáticos extremos porque têm menos recursos para responder, se recuperar e se adaptar a um clima em mudança. Quando os desastres acontecem, eles atrasam o progresso em direção aos Objetivos de Desenvolvimento Sustentável e exacerbam a pobreza e a desigualdade existentes. No entanto, uma adaptação eficaz, como a implementação de sistemas de alerta precoce, pode reduzir os riscos climáticos, minimizar perdas e danos e apoiar o desenvolvimento resiliente ao clima (consulte o Capítulo: Sistemas de Alerta Precoce: Apoio à Adaptação e Redução do Risco de Desastres ) (IPCC, 2022).

 

Ao longo de 2022, períodos sucessivos de fortes chuvas no leste da Austrália resultaram em grandes inundações. No final de fevereiro e início de março de 2022, um rio atmosférico transportou grandes quantidades de umidade para a costa australiana, levando a um evento recorde de chuvas e algumas das piores inundações da história do país. Brisbane, a terceira maior cidade da Austrália, experimentou três dias consecutivos com totais de chuva superiores a 200 mm – a primeira ocorrência desse tipo desde o início das observações meteorológicas de rotina. Posteriormente, períodos de chuva forte continuaram a atingir a região encharcada de chuva de março a julho de 2022, levando a inundações severas adicionais (Figura 2).

 

O rápido aumento das águas resultantes dessa chuva extrema causou devastação generalizada e perdas econômicas. As comunidades na Austrália geralmente estão mais bem equipadas para responder, se recuperar e se adaptar em comparação com as comunidades de países de baixa renda, no entanto, as inundações ainda destacaram as desigualdades socioeconômicas que exacerbam a vulnerabilidade. Por exemplo, na devastada cidade de Lismore, as comunidades aborígenes marginalizadas foram particularmente atingidas, bem como as famílias de baixa renda que têm maior probabilidade de viver em locais propensos a inundações e não podem pagar o seguro contra inundações (Williamson, 2022).

 

A natureza variada das chuvas extremas, com algumas áreas experimentando chuvas fortes persistentes por vários dias e outras recebendo chuvas curtas, mas muito intensas, torna difícil definir como o evento pode estar conectado às mudanças climáticas causadas pelo homem. A ciência climática indica um risco crescente de chuvas de curta duração, mas extremas, com aquecimento induzido pelo homem. Fatores adicionais, como o La Niña subjacente, também aumentaram as chances de condições mais úmidas do que a média em toda a região.

 

Ondas de calor europeias

 

Figura 2. Inundações em Corinda e Oxley, subúrbios de Brisbane, Austrália, em 1º de março de 2022 (Foto: Getty Images | Bradley Kanaris | Intermittent)

 

Em junho e julho de 2022, a Europa foi afetada por duas ondas de calor extremas resultantes do ar quente no norte da África se espalhando para norte e leste, atingindo a Europa Central e o Reino Unido. Os máximos diários excederam 40 ° C em partes da Península Ibérica, que foi de 7 a 12 ° C acima do normal para essa época do ano. Em Portugal, foi medida uma temperatura máxima de 47,0 °C, superando o recorde nacional de julho de 46,5 °C (1995). Além disso, pela primeira vez registrada, as temperaturas no Reino Unido ultrapassaram 40 ° C com um recorde provisório de 40,3 ° C registrado em Coningsby em 19 de julho, batendo o recorde anterior de 38,7 ° C estabelecido em 2019. De acordo com o World Weather Iniciativa de atribuição, a mudança climática causada pelo homem tornou a onda de calor no Reino Unido pelo menos 10 vezes mais provável (Zachariah et al., 2022).

 

As ondas de calor do verão representam um risco significativo para a saúde humana e do ecossistema. Os idosos e as pessoas com condições crônicas de saúde são particularmente vulneráveis, mas outros fatores – como condições socioeconômicas, condições de trabalho, urbanização e níveis de preparação – também podem aumentar a vulnerabilidade. Em Londres, por exemplo, a ilha de calor urbana tornou a cidade significativamente mais quente do que as áreas vizinhas e os altos níveis de desigualdade exacerbaram a vulnerabilidade (Zachariah et al., 2022). Em toda a Europa, os primeiros relatórios indicam que as ondas de calor levaram a vários milhares de mortes, embora seja muito cedo para conhecer o custo humano completo desses eventos extremos.

 

Ondas de calor no sudoeste da Europa (Portugal, Espanha, sul da França, leste da Itália) de 1950 a 21 de julho de 2022 em função de sua duração (eixo x) e intensidade (anomalia média, eixo y). O tamanho das bolhas (raio) mostra a extensão espacial das ondas de calor, as anotações indicam suas datas de início e término. As cores das bolhas destacam o ano de ocorrência: azul: 2022, verde: mais recente antes de 2022, vermelho: século 21, laranja: século 20 (Deutscher Wetterdienst - DWD).

 

Referências

 

Bissolli, P., et al., 2022: Trockenheit in Europa 2022. Disponível aqui.

 

Deutscher Wetterdienst, 2022: Hitzewelle endet historisch. Disponível aqui.

 

Imbery, F., et al., 2022: Intensive Hitzewelle im Juni 2022 in Deutschland und Mitteleuropa, 2022. Disponível aqui.

 

Instituto Português do Mar e da Atmosfera, 2022: Tempo muito quente – 18 de Julho. Disponível aqui.

 

IPCC, 2021: Summary for Policymakers. In: Climate Change 2021: The Physical Science Basis. Contribution of Working Group I to the Sixth Assessment Report of the Intergovernmental Panel on Climate Change, Chapter 11 Sonia I. Seneviratne (Switzerland), Xuebin Zhang (Canada), Muhammad Adnan (Pakistan), Wafae Badi (Morocco), Claudine Dereczynski (Brazil), Alejandro Di Luca (Australia/Canada/Argentina), Subimal Ghosh (India), Iskhaq Iskandar (Indonesia), James Kossin (United States of America), Sophie Lewis (Australia), Friederike Otto (United Kingdom/Germany), Izidine Pinto (South Africa/Mozambique), Masaki Satoh (Japan), Sergio M. Vicente-Serrano (Spain), Michael Wehner (United States of America), Botao Zhou (China).

 

IPCC, 2022: Summary for Policymakers [H.-O. Pörtner, D.C. Roberts, E.S. Poloczanska, K. Mintenbeck, M. Tignor, A. Alegría, M. Craig, S. Langsdorf, S. Löschke, V. Möller, A. Okem (eds.)]. In: Climate Change 2022: Impacts, Adaptation and Vulnerability. Contribution of Working Group II to the Sixth Assessment Report of the Intergovernmental Panel on Climate Change [H.-O. Pörtner, D.C. Roberts, M. Tignor, E.S. Poloczanska, K. Mintenbeck, A. Alegría, M. Craig, S. Langsdorf, S. Löschke, V. Möller, A. Okem, B. Rama (eds.)]. Cambridge University Press, Cambridge, UK and New York, NY, USA, pp. 3–33, doi:10.1017/9781009325844.001.

 

Met Office, UK, 2022: Unprecedented extreme heatwave, July 2022, 2022: 2022_03_july_heatwave (metoffice.gov.uk). Disponível aqui.

 

Otto, F.E.L, et al., 2022: Climate change increased rainfall associated with tropical cyclones hitting highly vulnerable communities in Madagascar, Mozambique & Malawi. Disponível aqui.

 

Willliamson, B., 2022: Like many disasters in Australia, Aboriginal people are over-represented and under-resourced in the NSW floods. Disponível aqui.

 

World Bank Group, 2021: Poverty and Equity Brief, Mozambique. Disponível aqui.

 

World Food Programme, 2021: WFP Madagascar Country Brief. Disponível aqui.

 

World Meteorological Organization, 2021: WMO Atlas of Mortality and Economic Losses from Weather, Climate and Water Extremes (1970–2019). Disponível aqui.

 

World Meteorological Organization Regional Association VI, Regional Climate Centre (RCC) Network. Disponível aqui.

 

Zachariah, M., et al., 2022. Without human-caused climate change temperatures of 40°C in the UK would have been extremely unlikely. Disponível aqui.

 

Leia mais

 

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Eventos climáticos extremos e impactos socioeconômicos - Instituto Humanitas Unisinos - IHU