Alemanha. “Liturgias de bênção para quem se ama” de 10 de maio “não são um caminho que leva longe. É preciso desenvolver a reflexão", afirma presiente da Conferência Episcopal Alemã

Revista ihu on-line

Modernismos. A fratura entre a modernidade artística e social no Brasil

Edição: 551

Leia mais

Metaverso. A experiência humana sob outros horizontes

Edição: 550

Leia mais

Caetano Veloso. Arte, política e poética da diversidade

Edição: 549

Leia mais

Mais Lidos

  • A sombra tenebrosa do bolsonarismo. Artigo de Leonardo Boff

    LER MAIS
  • Garimpo está destruindo vidas e terras indígenas com apoio do governo. Entrevista com Luísa Molina

    LER MAIS
  • Vaticano ordena reforma de comunidade religiosa após escândalos de abusos

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


30 Abril 2021

 

"Não considero as iniciativas públicas como as programadas para 10 de maio um sinal útil e um caminho que leve longe. As celebrações de bênção têm a sua dignidade teológica e o seu significado pastoral” e não podem tornar-se “instrumentos de manifestações ou ações de protesto” no plano eclesial. Assim escreve hoje em uma nota o presidente dos bispos alemães, Mons. Georg Bätzing, sobre a iniciativa de um grupo de párocos que convidam para o próximo dia 10 de maio a celebrar "liturgias de bênção para quem se ama", propondo aos casais interessados "receber a bênção que Deus quer dar-lhes sem nenhum segredo".

A reportagem é publicada por Serviço de Informação Religiosa - SIR, 28-04-2021. A tradução é de Luisa Rabolini.

A iniciativa, dirigida em especial aos casais do mesmo sexo, é uma das vozes que contestou a recente nota da Congregação para a Doutrina da Fé sobre as bênçãos homossexuais. O bispo de Bätzing reitera hoje, também à luz da troca do Conselho Permanente da Conferência Episcopal alemã, que "certamente, as pessoas com orientação homossexual, incluindo aquelas que vivem em uniões do mesmo sexo, têm um lugar na Igreja" e "são bem-vindas". Da mesma forma, "faz parte do serviço pastoral da Igreja responder às expectativas dessas pessoas nas respectivas situações concretas do seu caminho de vida e acompanhá-las com o cuidado pastoral".

Significa, portanto, que o confronto deve continuar na Igreja, como o próprio Bätzing escreveu no dia seguinte ao pronunciamento da Congregação, pois é necessário "aprofundar mais" a reflexão sobre esses temas "com base nas verdades fundamentais da fé e da moral, da reflexão teológica", mas também em abertura com "os resultados mais recentes nas ciências humanas" e “as situações de vida das pessoas". Finalmente, monsenhor Bätzing relança, indicando o Caminho Sinodal como lugar "central" para discutir o tema neste momento.

Leia mais

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Alemanha. “Liturgias de bênção para quem se ama” de 10 de maio “não são um caminho que leva longe. É preciso desenvolver a reflexão", afirma presiente da Conferência Episcopal Alemã - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV