Doutrina da Fé volta a fechar a porta a qualquer benção para casais homossexuais

Revista ihu on-line

Modernismos. A fratura entre a modernidade artística e social no Brasil

Edição: 551

Leia mais

Metaverso. A experiência humana sob outros horizontes

Edição: 550

Leia mais

Caetano Veloso. Arte, política e poética da diversidade

Edição: 549

Leia mais

Mais Lidos

  • A guerra de Putin e Kirill. "O pluralismo religioso nunca foi um problema para a democracia, mas hoje o pluralismo ético moral o é para as democracias. Entrevista com José V. Casanova

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


16 Março 2021

“A benção das uniões homossexuais não pode ser considerada lícita”. Novo balde de água fria da Congregação para a Doutrina da Fé aos direitos dos casais de mesmo sexo, e sua integração na Igreja Católica. Apesar dos múltiplos esforços nos últimos anos para reivindicar uma pastoral para os homossexuais, e que o próprio Bergoglio tenha destacado em mais de uma ocasião, que “quem sou eu para julgar”, o dicastério que marca a doutrina dos católicos volta a fechar a brecha para a integração deste coletivo na Igreja Católica.

A reportagem é de Jesús Bastante, publicada por Religión Digital, 15-03-2021. A tradução é de Wagner Fernandes de Azevedo.

Em uma breve e dura nota, Ladaria responde a várias perguntas feitas à Doutrina da Fé sobre se “a Igreja dispõe do poder para dar a benção as uniões e pessoas do mesmo sexo”. A resposta é robusta: “Negativo”. E argumenta em um documento que, assegura, “é de conhecimento” do Papa Francisco.

“Não é lícito dar a benção”

“Em alguns ambientes eclesiais estão sendo difundidos projetos e propostas de bênçãos para uniões de pessoas do mesmo sexo”, diz a nota do Vaticano, referindo-se aos pedidos feitos pela Igreja alemã e outros episcopados ao redor do mundo. Apesar de reconhecer “um desejo sincero de acolher e apoiar pessoas homossexuais”, a carta deixa claro que “não é lícito dar uma bênção a relacionamentos, ou mesmo a casais estáveis, que envolvam prática sexual fora do casamento”, como “este é o caso das uniões entre pessoas do mesmo sexo”. E, é inferido (embora não seja declarado no texto), também para as uniões heterossexuais fora do casamento.

“A presença em tais relações de elementos positivos, que por si só devem ser apreciados e valorizados, ainda não é capaz de justificá-los e torná-los objeto legítimo de uma benção eclesial, porque tais elementos estão a serviço de uma união não ordenada ao desígnio de Deus ”, enfatiza a Doutrina da Fé, que mais uma vez deixa claro que “já que as bençãos sobre as pessoas estão relacionadas aos sacramentos, a benção das uniões homossexuais não pode ser considerada lícita, pois seria de certa forma uma imitação ou analogia com a bênção nupcial”. E, acrescenta, citando Amoris Laetitia, que “não há base para assimilar ou estabelecer analogias, nem mesmo remotas, entre as uniões homossexuais e o plano de Deus para o casamento e a família”.

Depois da mordida, o assopro: “A declaração da ilegalidade das bênçãos das uniões entre pessoas do mesmo sexo não é, portanto, e não quer ser, uma discriminação injusta, mas sim reivindicar a verdade do rito litúrgico e de quanto corresponde profundamente à essência dos sacramentais, como a Igreja os entende”.

Ao mesmo tempo, Ladaria recorda que “a comunidade cristã e os pastores estão chamados a acolher com respeito e delicadeza as pessoas com inclinações homossexuais, e saberão encontrar as modalidades mais adequadas, coerentes com o ensinamento eclesial, para lhes anunciar o Evangelho em sua plenitude”.

Não excluem as bênçãos individuais

De fato, acrescenta, “a resposta ao dubium proposto não exclui que sejam concedidas bênçãos a pessoas com inclinações homossexuais, que manifestam a vontade de viver na fidelidade aos desígnios revelados por Deus, bem como aos propostos pelo ensino eclesial, mas declara ilegais todas as formas de bênção que tendam a reconhecer seus sindicatos”.

A Igreja, conclui a Doutrina da Fé, “não abençoa e não pode abençoar o pecado: mas abençoa o homem pecador”. Por tudo isso, conclui, “a Igreja não tem, nem pode ter, o poder de abençoar uniões de pessoas do mesmo sexo”.

 

Leia mais

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Doutrina da Fé volta a fechar a porta a qualquer benção para casais homossexuais - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV