Mais de mil padres alemães seguirão abençoando os casais homossexuais

Revista ihu on-line

Modernismos. A fratura entre a modernidade artística e social no Brasil

Edição: 551

Leia mais

Metaverso. A experiência humana sob outros horizontes

Edição: 550

Leia mais

Caetano Veloso. Arte, política e poética da diversidade

Edição: 549

Leia mais

Mais Lidos

  • Encantar a política: Uma proposta de cristãs e cristãos católicos para o povo brasileiro. Artigo de Toninho Kalunga

    LER MAIS
  • Ucrânia, Terceira Guerra Mundial e o guia do Papa Francisco para a Igreja. Artigo de Tomáš Halík

    LER MAIS
  • Cristo e a paz. Artigo de Dietrich Bonhoeffer

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


18 Março 2021

 

Mais de mil padres alemães mostraram sua inconformidade com a negativa da Doutrina da Fé a abençoar casais homossexuais, e anunciaram sua intenção de seguir levando a cabo estas práticas, que são feitas com normalidade em todo o mundo.

A reportagem é de Jesús Bastante, publicada por Religión Digital, 17-03-2021. A tradução é de Wagner Fernandes de Azevedo.

“Não esperávamos esta resposta”, aponta a katholisch.de, Bernd Mönkebüscher, paróco de Paderborn, quem, junto ao padre da Universidade de Würzburg, pediu ao Vaticano para que reconsidere a porta fechada aos gays. “Continuaremos acompanhando as pessoas que se unem a uma associação vinculante no futuro de sua relação. Não rejeitamos uma celebração de bênçãos”, afirma em um breve comunicado, difundido através das redes sociais, e que até o momento recolheu mais de mil assinaturas de padres do país.

O recolhimento de assinaturas continuará até o Domingo de Ramos. Depois, enviarão as assinaturas ao presidente do episcopado alemão, Georg Bätzing, e à presidente dos fóruns sobre sexualidade do Caminho Sinodal, Birgit Mock. Para aderir à declaração habilitaram um e-mail: Este endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo..

 

Uma ordem “decepcionante”

Não são os únicos. Como adiantou RD, boa parte do clero austríaco, assim como padres suíços, mostraram sua inconformidade com Roma de maneira organizada, e se negaram a acatar o “dubium” do dicastério presidido pelo cardeal Ladaria.

Outros bispos alemães, como o de Dresden, Heinrich Rimmerevers, lamentaram a declaração do Vaticano, chamando-as de “decepcionantes”. “Esta carta reflete o ensinamento católico atual e não demonstra um maior desenvolvimento baseado no conhecimento científico humano atual e as necessidades pastorais atuais”, ressaltou o bispo.

Também o bispo de Osnabrück, Franz-Josef Bode, criticou o “não” do Vaticano. “Respostas tão simples foram demonstradas por muito tempo, essas não terminam com as perguntas, mas sim as alimentam”, escreveu em uma publicação na página do Facebook da Diocese de Osnabrück.

Johan Bonny, o bispo da Antuérpia, admitiu sentir “vergonha pela minha Igreja” e “incompreensão intelectual e moral” depois de que a Doutrina da Fé negou a possibilidade de abençoar as uniões entre pessoas do mesmo sexo.

“Eu queria pedir desculpas a todos aqueles que sentem esse responsum como doloroso e incompreensível”, afirmou o bispo, que participou ativamente no Sínodo da Família de 2015. “Estou irritado porque este texto não chega nem ao nível do ensino médio intelectualmente. A simplicidade dos argumentos é chocante”, disse ele à emissora de televisão belga VRT.

 

Leia mais

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Mais de mil padres alemães seguirão abençoando os casais homossexuais - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV