Cisma na Igreja Alemã? Cinco bispos recorrem ao Vaticano para não participar do "Caminho sinodal"

Mais Lidos

  • Eucaristia e Casa Comum: entre a vida e o ouro. Artigo de Pe. Dário Bossi

    LER MAIS
  • Para Ailton Krenak, o capitalismo “teve metástase”

    LER MAIS
  • Mataram uns 12 milhões de indígenas, contabiliza Las Casas. Artigo de Edelberto Behs

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


Revista ihu on-line

Zooliteratura. A virada animal e vegetal contra o antropocentrismo

Edição: 552

Leia mais

Modernismos. A fratura entre a modernidade artística e social no Brasil

Edição: 551

Leia mais

Metaverso. A experiência humana sob outros horizontes

Edição: 550

Leia mais

25 Janeiro 2023

 

  • Bispos Rainer Maria Woelki, de Colônia; Bertram Meier, de Augsburg; Stefan Oster, de Passau; Rudolf Voderholzer, de Regensburg, e Gregor Maria Hanke, de Eichstätt, apresentaram uma bateria de perguntas à Santa Sé;

  • Parolin, Ouellet e Ladaria deixam claro que "nem o Caminho Sinodal, nem um órgão por ele instituído, nem uma conferência episcopal têm competência para estabelecer o 'Conselho Sinodal' em nível nacional, diocesano ou paroquial";

  • O presidente dos bispos alemães assegura que “o Conselho Sinodal se moverá de acordo com o mandato contido, dentro do atual direito canônico”;

  • “Não são questões principalmente dogmáticas, mas questões de cultura sinodal vividas na deliberação e na tomada de decisões conjuntas. Ninguém questiona a autoridade do episcopado”, acrescenta Bätzing.

A reportagem é de Jesús Bastante, publicada por Religión Digital, 24-01-2023.

Os bispos alemães são obrigados a participar do Caminho Sinodal? Esta foi a pergunta formal apresentada em dezembro pelos bispos Rainer Maria Woelki, de Colônia; Bertram Meier, de Augsburg; Stefan Oster, de Passau; Rudolf Voderholzer, de Regensburg, e Gregor Maria Hanke, de Eichstätt, perante a Santa Sé. A resposta conjunta dos cardeais Parolin, Ladaria e Ouellet (supostamente aprovada pelo Papa), datada de 16 de janeiro, não deixa margem para dúvidas: "Nem o Caminho Sinodal, nem um órgão por ele instituído, nem uma conferência episcopal têm competência para estabelecer o 'Conselho sinodal' em nível nacional, diocesano ou paroquial".

Assim que o conteúdo da carta foi conhecido, o presidente da Conferência Episcopal, Georg Gätzing, reagiu , garantindo que “o Conselho Sinodal se moverá de acordo com o mandato contido, dentro do direito canônico atual”.

Dentro da Igreja alemã há desconforto com a iniciativa dos cinco prelados, mas também com a resposta dos três membros dos departamentos vaticanos com quem o Plenário do episcopado alemão já teve um encontro tenso em novembro passado, em Roma. E é que tanto Parolin quanto, especialmente, Ladaria e Ouellet, se opõem aos passos dados pelo 'Caminho Sinodal Alemão'.

"Expresso conhecimento e aprovação" do Papa Francisco

E a resposta a algumas "perguntas legítimas e necessárias sobre o Comitê Sinodal" destes cinco bispos, com o "expresso conhecimento e aprovação" do Papa Francisco, apenas aprofunda o fosso existente entre aqueles que buscam maior liberdade de opinião e aqueles que acredito que isso significa quebrar a comunhão.

Segundo a carta do Vaticano, os bispos perguntaram se estavam obrigados ou autorizados a participar do Comitê Sinodal, porque a Santa Sé havia deixado claro em junho passado que o Caminho Sinodal não tinha poder "para comprometer os bispos e os fiéis ao adoção de novas formas de governo e novas orientações doutrinárias e morais".

A carta de Ladaria, Ouellet e Parolin acrescenta que o Conselho Sinodal parece estar “acima da autoridade de cada bispo em sua diocese” e eles estão “abertos a continuar um diálogo mais profundo” que já começou durante a visita ad limina.

Bätzing: "A consulta sinodal é fortalecida"

Em resposta, Bätzing chamou a preocupação do Vaticano de "infundada". “A Santa Sé vê o perigo de um enfraquecimento do ofício episcopal, embora eu experimente a consulta sinodal como um fortalecimento deste ofício”, disse o presidente dos bispos alemães, que acrescentou que o debate com Roma será retomado “no devido tempo”. tempo".

Bätzing também revelou seu espanto pelo fato de o Vaticano falar em um "Concílio Sinodal", embora os bispos alemães “ainda não puderam falar com Roma sobre o conteúdo e os objetivos da consulta sinodal em todos os níveis da Igreja de nosso país”.

"Não se trata principalmente de questões dogmáticas, mas de questões de cultura sinodal vividas na deliberação e na tomada de decisão conjunta. Ninguém questiona a autoridade do episcopado", esclarece o presidente da Conferência Episcopal Alemã, que convida a "desenvolver uma cultura da sinodalidade", e acrescenta que "o Comité Sinodal não é questionado pela carta romana".

A maioria dos bispos seguirá em frente

“Acolheremos o convite da carta para falar oportunamente com Roma”, conclui a carta de Bätzing, acrescentando que “o processo atual reforça minha consciência de que a cooperação iniciada no Caminho Sinodal deve continuar como  experiência de partilha da responsabilidade. Não podemos delegar essas experiências. Por isso, agradeço que grande parte do Conselho Permanente tenha reafirmado a vontade de aplicar a decisão da Assembleia Sinodal no Comitê Sinodal e de iniciar consultas".

A maioria dos bispos alemães reformistas justificou sua participação no "caminho sinodal" e a consequente perda de poder dizendo que era uma expressão de sua autoridade episcopal renunciar voluntariamente ao poder, um argumento não captado nos argumentos do Vaticano. Por enquanto, a crise parece longe de terminar.

Leia mais

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Cisma na Igreja Alemã? Cinco bispos recorrem ao Vaticano para não participar do "Caminho sinodal" - Instituto Humanitas Unisinos - IHU