Os bispos alemães apelam à “unidade” na sua visita ao Vaticano, mas recordam que a meta do caminho da fé é Jesus Cristo, não Roma

Mais Lidos

  • “A destruição das florestas não se deve apenas ao que comemos, mas também ao que vestimos”. Entrevista com Rubens Carvalho

    LER MAIS
  • Povos Indígenas em debate no IHU. Do extermínio à resistência!

    LER MAIS
  • “Quanto sangue palestino deve fluir para lavar a sua culpa pelo Holocausto?”, questiona Varoufakis

    LER MAIS

Revista ihu on-line

Zooliteratura. A virada animal e vegetal contra o antropocentrismo

Edição: 552

Leia mais

Modernismos. A fratura entre a modernidade artística e social no Brasil

Edição: 551

Leia mais

Metaverso. A experiência humana sob outros horizontes

Edição: 550

Leia mais

16 Novembro 2022

Preservar a unidade e, ao mesmo tempo, permitir a conversão e a renovação. Este foi o pedido feito esta manhã, perante o túmulo do Apóstolo Pedro, no Vaticano, pelo presidente dos bispos alemães, numa Eucaristia com a qual quis iniciar oficialmente a visita ad limina que decorrerá ao longo desta semana.

A respeito de algumas acusações de que os católicos na Alemanha estão "se afastando de Roma", Bätzing quis destacar que Roma tem sido um importante "ponto de referência para a fé católica e para toda a Igreja" desde o início da história da Igreja, mas que "não é a origem e a meta do caminho que percorremos na fé", mas que "a origem e a meta" desse caminho é Jesus Cristo.

A reportagem é de José Lourenço, publicada por Religión Digital, 14-11-2022.

Preservar a unidade e, ao mesmo tempo, permitir a conversão e a renovação. Esse foi o pedido feito esta manhã, perante o túmulo do Apóstolo Pedro, no Vaticano, o presidente dos bispos alemães, numa Eucaristia com a qual quis iniciar oficialmente a visita ad limina que decorrerá ao longo desta semana e onde o trabalho do chamado Caminho Sinodal Alemão será, sem dúvida, um dos destaques.

O próprio Georg Bätzing foi um dos promotores desse caminho de reflexão após a ameaça de descarrilamento da Igreja alemã como resultado dos casos de abuso sexual descobertos por alguns relatórios devastadores de 2018, que revelaram um submundo de encobrimento que respingou até mesmo a pastores proeminentes.

A título de recomeço, o Caminho Sinodal quis reconsiderar numerosas questões que, como a ordenação de mulheres ou de homossexuais, fizeram soar o alarme não só entre alguns teólogos e cardeais alemães, mas também na própria Santa Sé, que inclusive motivou uma carta do Papa Francisco “ao Povo de Deus em peregrinação na Alemanha”.

Bätzing admitiu em sua homilia que esta tarefa de preservar a unidade "não foi uma tarefa fácil" , como foi observado na quarta assembleia do Caminho Sinodal, realizada no início de outubro, onde o voto de veto de alguns bispos impediu a aprovação de polêmicas questões relacionadas com a moralidade sexual.

Segundo o portal Katholisch, Bätzing sublinhou aos seus irmãos no episcopado que o anúncio da mensagem cristã é sempre "a mediação da cultura e da fé, um caminho de perfil mútuo, discernimento crítico e penetração" e apelou à "co-responsabilidade dos bispos e fiéis neste processo." Assim, o que é necessário, afirmou, é "ouvir bem uns aos outros, argumentar com cuidado e lutar honestamente com os outros".

A respeito de algumas acusações de que os católicos na Alemanha estão "se afastando de Roma" com suas idéias reformistas, o Bispo de Limburg quis destacar que Roma tem sido um importante "ponto de referência para a fé católica e para toda a Igreja" a história da Igreja, mas que "não é a origem e a meta do caminho que percorremos na fé", mas que "a origem e a meta" desse caminho é Jesus Cristo.

Leia mais

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Os bispos alemães apelam à “unidade” na sua visita ao Vaticano, mas recordam que a meta do caminho da fé é Jesus Cristo, não Roma - Instituto Humanitas Unisinos - IHU