“As questões LGBTI também são questões pró-vida”. Entrevista com o jesuíta James Martin

Revista ihu on-line

Modernismos. A fratura entre a modernidade artística e social no Brasil

Edição: 551

Leia mais

Metaverso. A experiência humana sob outros horizontes

Edição: 550

Leia mais

Caetano Veloso. Arte, política e poética da diversidade

Edição: 549

Leia mais

Mais Lidos

  • “Fratelli Tutti” coisa nenhuma. “Memorando” exorta que antes do conclave os cardeais releiam “Dominus Iesus”

    LER MAIS
  • Nacionalismos e patriotismos. Artigo de Flavio Lazzarin

    LER MAIS
  • Diante do nacionalismo da Grande Rússia, vamos reinventar o internacionalismo. Artigo de Pierre Dardot e Christian Laval

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


01 Julho 2021

 

O padre jesuíta estadunidense conversou com Vida Nueva depois do respaldo do Papa, com uma carta escrita à mão, ao seu ministério pastoral com a comunidade LGBTQIA+.

Francisco abraçou (novamente) os católicos homossexuais. O Papa respaldou o ministério de James Martin escrevendo-lhe, à mão: “Quero agradecer o teu zelo pastoral e tua capacidade de estar próximo das pessoas, com essa proximidade que tinha Jesus e que refletia a proximidade de Deus”.

A entrevista é de Rubén Cruz, publicada por Vida Nueva Digital, 30-06-2021. A tradução é de Wagner Fernandes de Azevedo.

 

Eis a entrevista.

 

É o primeiro respaldo papal escrito ao ministério de um padre em uma pastoral de fronteira com a de católicos LGBTQIA+. Como viveu isso?

Senti-me muito agradecido por receber esta bela carta que anima a todos aqueles que acompanham as pessoas LGBTQIA+ na Igreja e, ademais, recorda à essas pessoas que Deus as ama com, como disse o Santo Padre, “proximidade, compaixão e ternura”. É a carta de um verdadeiro pastor.

 

A linguagem de Francisco em seu texto parece diferente ao utilizado recentemente pela Congregação para a Doutrina da Fé no seu documento sobre a bênção a casais do mesmo sexo, que teve sua resposta na Alemanha, onde, em 09 de maio, aconteceram bênçãos a estas pessoas a modo de contestação...

O Santo Padre não está mudando nenhum ensinamento da Igreja sobre as pessoas LGBTQIA+. Mas bem, está mudando a forma de conversa, a linguagem e o tom. E a conversa, a linguagem e o tom significam muito. Por exemplo, quando li sua carta a uma amiga LGBTQIA+, antes de difundi-la publicamente, ela começou a chorar. Isso significa que está tendo efeito.

 

O Papa, desde sua famosa intervenção no início de seu pontificado – “Se uma pessoa é gay e busca Deus, quem sou eu para julgá-la?” – tenta combinar um modelo pastoral sem alterar a doutrina, mas “fica caminho por percorrer sem modificar o ensinamento da Igreja?”

Há muito o que se fazer! Em primeiro lugar, necessitamos escutar as pessoas LGBTQIA+ sobre suas experiências de Deus e de Igreja. Em segundo lugar, devemos deixar de apontar a elas como se fossem as únicas cujas vidas as vezes não se ajustam aos ensinamentos da Igreja. Há muitos nessa categoria. E, em terceiro lugar, a Igreja necessita advogar pelas pessoas LGBTQIA+ em países onde sofrem perseguição e violência. Em alguns países podem ser encarcerados ou até mesmo executados, simplesmente por serem quem são. Então, as questões LGBTQIA+ são também questões pró-vida. Todas estas questões a Igreja pode fazer de imediato, sem mudar nenhuma doutrina. De fato, essas medidas apoiam a doutrina católica mais básica: o amor, a misericórdia e a compaixão que Jesus viveu.

 

Leia mais

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

“As questões LGBTI também são questões pró-vida”. Entrevista com o jesuíta James Martin - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV