O xadrez do fator tempo na Justiça e da prisão de Cunha

Revista ihu on-line

Planos de saúde e o SUS. Uma relação predatória

Edição: 541

Leia mais

Planos de saúde e o SUS. Uma relação predatória

Edição: 541

Leia mais

Hans Jonas. 40 anos de O princípio responsabilidade

Edição: 540

Leia mais

Hans Jonas. 40 anos de O princípio responsabilidade

Edição: 540

Leia mais

Do ethos ao business em tempos de “Future-se”

Edição: 539

Leia mais

Do ethos ao business em tempos de “Future-se”

Edição: 539

Leia mais

Mais Lidos

  • Por que o Papa Francisco não tem medo de um cisma

    LER MAIS
  • Os 12% do presidente – em que lugar da sociedade habita o bolsonarista convicto?

    LER MAIS
  • Comunhão na Igreja dos EUA ''já está fraturada''. Entrevista com Massimo Faggioli

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

Enviar

06 Maio 2016

Fator 1 – Em tese, Eduardo Cunha poderá ser preso a qualquer momento.

O STF (Supremo Tribunal Federal) não apenas retirou Cunha do cargo de presidente da Câmara como suspendeu seu mandato. O Procurador Geral da República (PGR) já tem evidências de monta para atuar contra Cunha. Tanto, aliás, que fundamentavam o pedido junto ao Supremo. E a ação prevista contra obstrução da Justiça deve ser a prisão. Não se surpreenda se nos próximos dias Cunha vier a ser preso.

O comentário é de Luis Nassif, jornalista, publicado por Jornal GGN, 06-05-2016.

Fator 2 – a demora no julgamento e o fator tempo.

Não é fácil para um Ministro do STF uma decisão tão forte quanto investir contra o presidente de outro poder.

Mesmo assim, as explicações para a demora do Ministro Teori Zavaski, em apreciar a denúncia do Procurador Geral da República (PGR) contra o deputado Eduardo Cunha, mereceram inúmeras versões que circularam pela mídia:

1. O pedido do PGR não estava bem fundamentado.

2. Havia receio de colocar no plenário e a proposta ser rejeitada.

3. Acelerou agora devido ao aumento da probabilidade de ele poder substituir o presidente da República.

É evidente que as desculpas escondiam um receio grande de afrontar um outro poder.

Mas de dezembro para cá, não houve um elemento novo na denúncia do PGR. O que mudou foi a posição dos Ministros do STF. E o único fato novo no período foi a constatação da quase irreversibilidade do processo de impeachment.

Acatando o pedido do PGR, não teria se iniciado o processo de impeachment. Procrastinando – seja por que motivo for – o Supremo infligiu ao país a humilhação de um golpe parlamentar e expos a República ao mais vexaminoso episódio da sua história. É pouco?

Ouso discordar do Ministro Eugênio Aragão quando trata como inevitável a diferença entre o tempo político e o jurídico. A não ser nos ritos processuais, com prazos determinados, e para respeitar o amplo direito à defesa, o julgador não pode ser insensível ao tempo jurídico – aliás, nem o PGR.

O que interessa no julgamento são as consequências finais dos atos do infrator. Se o tempo jurídico provoca consequências, obviamente esse fato tem que ser considerado na apreciação do caso.

Ao encaminhar o processo de impeachment, a intenção de Cunha não foi bem se vingar do abandono a que foi relegado pela presidente e pelo PT no Conselho de Ética da Câmara. Cunha é frio demais, esperto demais para desperdiçar vingança. Sua intenção foi criar um fato político que, o fortalecendo, ajudasse a blindá-lo das tempestades armadas na Comissão de Ética da Câmara, na Lava Jato e no Supremo. É óbvio.

Seja qual for o motivo, houve um claro desvio de finalidade na decisão de acatar a abertura do impeachment, que veio se somar a todas as demais atitudes visando atrapalhar as investigações contra Cunha, conforme reconhecido no voto de Teori.

E aí se entra no desvio de finalidade do próprio STF. Não se trata de uma mera procrastinação, mas de uma atitude que foi peça decisiva no processo de impeachment de uma presidente da República, com todas as consequências futuras sobre a estabilidade política, sobre a imagem do país no mundo, sobre os desdobramentos futuros do golpe parlamentar nas prefeituras e governos de Estado.

Ontem mesmo, no Twitter, o ex-Ministro Joaquim Barbosa explicava com didatismo a razão do modelo político norte-americano – no qual se baseou o brasileiro – ter restringido ao máximo as possibilidades de impeachment. No presidencialismo, todo sistema político gira em torno da figura do presidente da República. Interferir nessa arquitetura política trará desdobramentos indesejáveis por muito tempo.

Na sessão de ontem, quando o Ministro Luís Roberto Barroso se permitiu um instante de Celso de Mello, e bradou sobre a necessidade de um novo Brasil, seria o caso de se indagar se um novo Brasil não exigiria igualmente um novo Supremo.

Fator 3 – as instabilidades políticas em curso e o novo posicionamento do MPF.

Tem-se, agora, um quadro de acirramento ainda maior da instabilidade política.

Em um primeiro momento, o afastamento de Cunha confere alguma legitimidade política a Michel Temer. Mas, ao mesmo tempo, deixa atiçada a tropa de deputados de baixíssimo nível que dá sustentação a Cunha. E, dependendo do comportamento de Temer, poderá sujeita-lo às represálias de Cunha, que tem bala na agulha sobre financiamentos de campanha.

Obviamente Cunha utilizará a munição apenas se sentir-se totalmente acuado.

Além disso, nos últimos dias observaram-se dois movimentos do PGR e do MPF.

Numa frente, a tentativa insistente de criminalizar Lula e de tentar inabilitá-lo para 2018. Inclusive com uma enxurrada de denúncias tomando por base os grampos autorizados por Sérgio Moro e divulgados com autorização do PGR Rodrigo Janot.

Ao mesmo tempo, movimentos novos, de setores menos infensos ao partidarismo do grupo de Curitiba e dos penalistas do MPF.

Tem-se agora, os seguintes desdobramentos possíveis do impeachment:

Episódio 1 – A AGU (Advocacia Geral da União) entrando com uma ação no Supremo visando anular o rito do impeachment conduzido por Cunha, tendo como base o voto de Teori Zavaski reconhecendo a ilegitimidade da condução dos trabalhos da Câmara por Cunha.

Episódio 2 – O TSE (Tribunal Superior Eleitoral) com o parecer do Ministério Público Federal de que o julgamento se dê em relação à chapa completa, incluindo a presidente Dilma e seu vice Temer. O que demonstra que, fora da Lava Jato, o viés político se dilui.

Episódio 3 – Os desdobramentos da Lava Jato sobre o próprio Michel Temer, a partir de evidências colhidas pelo MPF no celular do presidente da OAS.

Episódio 4 – O pedido de abertura de inquérito de Aécio Neves pela PGR. Nesse caso, só deverá ser levado a sério se o MPF investir contra Dimas Toledo, o Paulo Roberto Costa de Furnas. Há muito tempo ele já deveria ter sido alvo de ações do MPF visando uma delação premiada.

Episódio 5 – Não despreze a possibilidade de alguma ação mais drástica sobre Lula, aproveitando o momento Eduardo Cunha.

Episódio 6 – Não subestime a capacidade de retaliação de Cunha, de ousar juntar seu bando de deputados para enfrentamentos maiores.

Em suma, um cenário absolutamente imprevisível pela frente.

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

O xadrez do fator tempo na Justiça e da prisão de Cunha - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV