O terceiro aniversário do pontificado de Francisco segundo a narração da imprensa digital

Revista ihu on-line

Cultura Pop. Na dobra do óbvio, a emergência de um mundo complexo

Edição: 545

Leia mais

Revolução 4.0. Novas fronteiras para a vida e a educação

Edição: 544

Leia mais

Ontologias Anarquistas. Um pensamento para além do cânone

Edição: 543

Leia mais

Mais Lidos

  • O que deve ser cancelado? Eis a questão

    LER MAIS
  • Indígena assassinado no Maranhão é o 4º Guajajara morto de forma violenta em menos de dois meses

    LER MAIS
  • Padre Miguel Ángel Fiorito, SJ, meu Mestre do Diálogo: "Ele nos ensinou o caminho do discernimento". Artigo do Papa Francisco

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

Enviar

18 Março 2016

"Numerosos comentadores têm sublinhado o fato de que o dinamismo do pontificado, e portanto da diplomacia da Santa Sé, estão na base de um fenômeno inesperado: um diálogo tempestivo e direto do Papa em mérito às grandes prioridades, emergências e eventos", escrevem Luis Badilla e Francesco Gagliano, ambos jornalistas, em artigo publicado por Il sismógrafo, 16-03-2016. A tradução é de Benno Dischinger.

Eis o artigo.

O tratamento que a imprensa digital reservou ao terceiro aniversário do pontificado é muito interessante e estimulante. Do monitoramento dos últimos sete dias emergiram dois aspectos evidentes: de um lado, o enorme interesse da impressa web, que fez circular milhares de textos (inglês, espanhol, francês, italiano e português) e, do outro, as muitíssimas propostas de análises orgânicas e aprofundadas, algumas originais.

Ao contrário de quanto se podia prever com base nos primeiros textos de há uma semana, a imprensa em rede privilegiou, nos seus balanços, o elenco dos acontecimentos, decisões ou documentos importantes. Escolheu gradualmente outro caminho: aquele do comentário e dos sublinhamentos do exercício do ministério, bem como aquele da enfatização do magistério. Por isso os conteúdos mais recorrentes, também nos títulos dos artigos, consideraram quase sempre palavras e conceitos, considerados espias de convicções, estilos, propósitos, exortações e admoestações; ou então, momentos significativos, em particular no decurso das viagens e visitas do Papa, que a imprensa leu e interpretou como instantâneos de um percurso e de uma planificação eclesial. Enfim, não faltaram as “precisões” sobre o futuro, com um olhar agudo, e às vezes preocupado, sobre os desafios e as dificuldades que esperam o Papa nos próximos meses. A nosso ver, um possível “balancete do balancete” pode ser resumido nestas oito breves considerações: 

1. Análises abertas e de amplo alento

O tom e o estilo dos comentários, com as costumeiras pouquíssimas exceções, têm sido respeitosos e afetuosos, também no caso das críticas, pelo menos da parte de quem continua pensando que se pode estar educadamente em desacordo. A imensa maioria dos autores procurou honestamente entender bem para narrar bem, sem pronunciar sentenças. Com frequência os textos sublinharam que não era o caso de falar de balancete, reconhecendo que se está diante de um pontificado “canteiro” (os famosos trabalhos em curso) e, por conseguinte, que se tem a ver com um processo julgado unanimemente de alcance histórico.

2. Pontificado “canteiro”: processo aberto

A ideia de “processo aberto” tem sido uma verdadeira constante na imensa maioria dos artigos monitorados. Os autores estavam cônscios, e o confessavam, de dever enfrentar uma questão composta e difícil: por isso falaram com frequência de pausa de reflexão, de fazer o ponto da situação. Não tem sido expressado nenhum juízo lapidar e final, nenhuma condenação ou previsão catastrófica. Análises sempre abertas, possibilistas; dispostas, em suma, a contemplar um pontificado que chegou, sim, a um alvo importante, mas que está em contínuo movimento.

3. J. M. Bergoglio: "manuscrito" ainda por decifrar

Assinala-se uma forte centralidade nas análises e comentários da pessoa do Papa Francisco. São numerosas e exitosas as tentativas de “entender o homem”; o sacerdote, o pastor, e, portanto, são recorrentes as leituras biográficas que podem ajudar a decifrar o modo de fazer o Papa desejado e escolhido por Jorge Mario Bergoglio. O Papa Francisco continua sendo, para a imensa maioria dos observadores e analistas um “manuscrito” que ainda deve ser completamente decifrado, embora atualmente sejam bem claros numerosos traços pessoas e pastorais.

4. Conteúdos recorrentes...

Nas muitas análises, não obstante a diversidade de óticas e de impostações, se podem individuar alguns conteúdos mais frequentes e repetidos. Parece-nos que mais ou menos nesta ordem de frequência estas passagens sejam: o pontificado da Misericórdia; o pontificado da palavra simples e coloquial; o pontificado do dinamismo e do movimento; o pontificado das periferias; o pontificado das tentativas sinodais; o pontificado do encontro e das pontes lançadas, e enfim, o pontificado do aprofundamento do diálogo ecumênico e inter-religioso.

5. O Papa e uma liderança inédita

Os balancetes, além de confirmarem a boa relação entre o Papa e a imprensa, relação que concretiza o binômio “fazer-se escutar – ser escutado”, evidencia uma atenção ao magistério do Papa Francisco que, como não acontecia há diversos anos, está presente com frequência além dos limites daquilo que se considera “notícia religiosa”. A escuta da voz do Papa supera as fronteiras dos negócios vaticanos e entre a fazer parte da política internacional e dos grandes debates sobre os problemas e desafios da humanidade.

6. A agenda planetária

Numerosos comentadores têm sublinhado o fato de que o dinamismo do pontificado, e portanto da diplomacia da Santa Sé, estão na base de um fenômeno inesperado: um diálogo tempestivo e direto do Papa em mérito às grandes prioridades, emergências e eventos que dominam o andamento das relações internacionais. E mesmo, em não poucos casos, pareceria que seja o Papa, com os seus gestos e as suas palavras, quem dita a agenda – ou pelo menos desperta a atenção de maneira inédita – sobre questões com as quais poder público e opiniões públicas devem mensurar-se.

7. As críticas e as dúvidas

Naturalmente não faltam nestes balancetes as críticas à ação do Papa e diversos autores, ou entre linhas ou abertamente, elencam passagens ou momentos controversos. A primeira destas críticas, colocada de modo genérico, se detém sobre esta consideração: do ponto de vista das tomadas de posição e do magistério o papado aparece substancialmente claro, coerente e convincente, mas, em alguns destes momentos falta, ou não é claro até o fundo, um agir consequente. Em outras palavras: para alguns, nem sempre haveria continuidade entre palavras e ações.

Neste campo se elencam questões como os abusos e os ocultamentos, nomeações ou manutenção de pessoal eclesiástico que não é coerente com o estilo e a projetividade do pontificado; comportamentos considerados inexplicáveis (por exemplo, não ter recebido os parentes dos 43 estudantes desaparecidos no México, as vítimas dos abusos australianos presentes em Roma durante a audição do cardeal Pell). Enfim, embora de modo antes prematuro, há também aqui temas que as reformas em curso (aquela da Cúria e das Secretarias, a centralização da mídia vaticana e dos organismos considerados superados) podem levar a estruturas mastodônticas, com uma concentração de poder nas mãos de poucos e encorajando assim o estilo autoritário e decisório.

8. A “geografia eclesial”

Para concluir se deve acrescentar que diversas análises estacionaram na assim dita “geografia eclesial” do Papa Francisco, ou seja, comentaram os destinos de suas viagens internacionais, e, sobretudo as categorias sociais que, no decurso destas suas 12 Peregrinações em cinco continentes, ele quis encontrar. Alguns textos consideram que estas viagens tenham de certo modo estruturado uma “pastoral itinerante robusta e unívoca” que não deixará de provocar consequências no agir dos Episcopados locais, que certos autores consideram às vezes “frios e distantes” – pelo menos alguns – do pontificado. Esta interpretação levou algum vaticanista a refletir sobre a “solidão” do Papa Francisco.

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

O terceiro aniversário do pontificado de Francisco segundo a narração da imprensa digital - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV