Quando Jorge Mario Bergoglio foi declarado "persona non grata"

Revista ihu on-line

Metaverso. A experiência humana sob outros horizontes

Edição: 550

Leia mais

Caetano Veloso. Arte, política e poética da diversidade

Edição: 549

Leia mais

Mulheres na pandemia. A complexa teia de desigualdades e o desafio de sobreviver ao caos

Edição: 548

Leia mais

Mais Lidos

  • Metaverso? Uma solução em busca de um problema. Entrevista com Luciano Floridi

    LER MAIS
  • Comunidades Eclesiais de Base, sim. Artigo de Pedro Ribeiro de Oliveira

    LER MAIS
  • A implementação do Concílio no governo do Papa Bergoglio. Artigo de Daniele Menozzi

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


23 Fevereiro 2016

Era o ano de 1998 quando Alfio Basile – ex-defensor central argentino conhecido como El Coco, respeitado e temido pelos adversários e colegas de jogo, foi nomeado treinador do San Lorenzo de Almagro, uma das esquadras de futebol mais populares da Argentina.

O comentário é de Francesco Gagliano, publicado por Sismógrafo, 22-02-2016. A tradução é de Benno Dischinger. 

Basile se pôs imediatamente ao trabalho, treinando e preparando a esquadra. Mas, havia algo, no clube, que o havia enfastiado no decurso da preparação: um padre se apresentava em todos os treinos, entrava no vestiário e saudava os jogadores, abençoando e dando-lhes rápidos conselhos de jogo.

Na conferência entre as cúpulas da esquadra e o goleiro, na véspera da partida inicial de Basile, a direção era acompanhada pelo mesmo padre, uma coisa jamais vista antes. Para El Coco a medida era o cúmulo: tomou de parte o presidente Fernando Miele e lhe disse de modo claro e decisivo que não queria que aquele sacerdote se fizesse ver de novo no vestiário: é uma distração para os garotos, não tem nenhuma autoridade neste lugar.

Miele aceitou as solicitações do treinador, mas quis precisar que o padre era somente um grande torcedor da esquadra, talvez um pouco entusiasta demais, é verdade, mas não queria criar problemas. O sacerdote em questão outro não era senão o arcebispo de Buenos Aires: Jorge Mario Bergoglio.

Anos mais tarde Basile e Miele, ambos há pouco aposentados do mundo da bola, se encontram: o ex-presidente menciona a história do padre no vestiário, El Coco a recorda mas há um detalhe que lhe escapa e Miele lho revela: “Viste quem é o novo Papa? Aquele Bergoglio que expulsaste há anos do vestiário!”

É abril de 2013, Jorge Mario Bergoglio se tornou Pontífice com o nome de Francisco há pouco mais de um mês. Basile hoje, aos jornalistas que lho perguntam, diz que gostaria de encontrar o Papa para contar-lhe a história, ver se ele a recorda. “Seguramente a recordará melhor do que ele”, escutou como resposta. 

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Quando Jorge Mario Bergoglio foi declarado "persona non grata" - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV