O rompimento da barragem da Samarco. O desafio de revegetar a área. Entrevista especial com Luiz Roberto Guimarães Guilherme

Revista ihu on-line

“Raízes do Brasil” – 80 anos. Perguntas sobre a nossa sanidade e saúde democráticas

Edição: 498

Leia mais

Desmilitarização. O Brasil precisa debater a herança da ditadura no sistema policial

Edição: 497

Leia mais

Morte. Uma experiência cada vez mais hermética e pasteurizada

Edição: 496

Leia mais

Mais Lidos

  • O que a desobediência de Renan e as bombas da igreja no Rio têm em comum?

    LER MAIS
  • Religiosos e religiosas do Brasil manifestam comunhão com o pontificado do papa Francisco

    LER MAIS
  • Proposta para Previdência endurece regra para jovens e tira renda de vulneráveis

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU

close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

12 Novembro 2015

“Definir o que seja um ‘risco aceitável’ talvez seja o principal dilema que temos para tratar de uma questão como esta que ocorreu em Mariana, particularmente quando há perda de vidas”, diz o engenheiro agrônomo.

Foto: Agência Brasil

Apesar de não ser tóxica, a lama oriunda do rompimento da barragem da empresa Samarco, mineradora responsável pela barragem de Fundão que rompeu na tarde da última quinta (05-11-2015) em Mariana, MG, poderá gerar outros problemas ambientais após a secagem, como “dificultar a penetração de água e a germinação de sementes. Estes são importantes aspectos que dificultam a revegetação da área”, explica Luiz Roberto Guimarães Guilherme na entrevista a seguir, concedida por e-mail à IHU On-Line.

De acordo com Guimarães Guilherme, especialista em solos e nutrição, após a retirada da lama da região será necessário estabelecer uma “estratégia de revegetação”, a qual precisará de um “acompanhamento/monitoramento”. Segundo ele, apesar das dificuldades, não é impossível recuperar a área afetada, inclusive preparando-a para o desenvolvimento da agricultura, mas para isso será necessário “priorizar estratégias que visem, inicialmente, aumentar o teor de matéria orgânica nas áreas afetadas. Isso não é fácil, porém não é impossível. Como estes materiais são inertes (não possuem quase nada de nutrientes), há que se pensar também em diferentes estratégias para aportar nutrientes essenciais para o processo de revegetação, combinando, com isso, o uso de plantas leguminosas, que podem fixar nitrogênio atmosférico”, frisa.

Luiz Roberto Guimarães Guilherme é engenheiro agrônomo e mestre em Solos e Nutrição de Plantas pela Escola Superior de Agricultura de Lavras, doutor em Ciência do Solo pela Universidade Estadual de Michigan (Michigan State University) e em Toxicologia Ambiental pelo Instituto de Toxicologia Ambiental (hoje Michigan State University's Center for Integrative Toxicology), Estados Unidos. Atualmente é professor da Escola Superior de Agricultura de Lavras e da Universidade Federal de Lavras.

Confira a entrevista.

Foto: www.uoguelph.ca

IHU On-Line - Quais são as características da lama oriunda da barragem? Já é possível saber se há elementos químicos presentes nessa lama?

Luiz Roberto Guimarães Guilherme - Estas lamas se constituem basicamente dos minerais hematita, goethita e quartzo. Os dois primeiros são óxidos de ferro que ocorrem comumente em solos, na fração argila. O quartzo é um importante componente das areias, que são as frações mais grosseiras dos solos. Não encontramos, em trabalhos que realizamos com lamas de mineração de ferro, nenhum problema de contaminação com metais pesados. Portanto, não há possibilidade de contaminação propriamente dita, pois não há elementos tóxicos na lama.

IHU On-Line - De que modo a lama pode impermeabilizar o solo? Quais os impactos da impermeabilização?

Luiz Roberto Guimarães Guilherme - A lama, após a secagem, fica com um aspecto "endurecido", formando uma carapaça sobre o solo, o que dificulta a penetração de água e a germinação de sementes, por exemplo. Estes são importantes aspectos que dificultam a revegetação da área.

IHU On-Line - Essa lama pode gerar outros impactos ambientais? Quais?

Luiz Roberto Guimarães Guilherme - Pelo fato de poder se espalhar por uma extensa área, creio que inúmeros rios, nascentes e áreas vegetadas poderão ser cobertas por este material, o que se configura como um impacto ambiental negativo. A extensão deste impacto será tão maior quanto maior for a área pela qual a lama poderá se espalhar.

IHU On-Line - Qual é a expectativa de recuperar ambientalmente a área que foi atingida pela lama?

Luiz Roberto Guimarães Guilherme - Esta pergunta é muito difícil de ser respondida, pois necessita uma visita "in loco" para avaliar a extensão e a intensidade do soterramento causado pelo material da barragem. Além disso, após o estabelecimento de uma estratégia de revegetação, também será necessário um acompanhamento/monitoramento da área afetada para avaliarmos o sucesso das diferentes estratégias a serem propostas.

IHU On-Line - Se a área for recuperada, será possível desenvolver agricultura na região?

Luiz Roberto Guimarães Guilherme - Sim. Para isso, há que se priorizar estratégias que visem, inicialmente, aumentar o teor de matéria orgânica nas áreas afetadas. Isso não é fácil, porém não é impossível. Como estes materiais são inertes (não possuem quase nada de nutrientes), há que se pensar também em diferentes estratégias para aportar nutrientes essenciais para o processo de revegetação, combinando, com isso, o uso de plantas leguminosas, que podem fixar nitrogênio atmosférico. Isso tudo, porém, deverá ser pensado dentro de um programa que vise identificar, também, quais seriam as principais limitações de caráter físico para o estabelecimento inicial de vegetação nestas áreas, já que isso deve ser um dos fatores críticos para o desenvolvimento das plantas.

“A extensão deste impacto será tão maior quanto maior for a área pela qual a lama poderá se espalhar

 

Esta lama, ao secar, não terá características de estrutura que sejam ideais, como se espera de um solo a ser cultivado. Resolver também este problema será um grande desafio para o pessoal especializado em física e conservação do solo. Minha área de atuação é a química e fertilidade do solo, além da toxicologia ambiental. Assim, deixo esta questão para os especialistas da área!

IHU On-Line - É possível conciliar a mineração com o meio ambiente?

Luiz Roberto Guimarães Guilherme - Sim. Temos diversos exemplos bem sucedidos no Brasil e no exterior neste sentido. Como toda atividade, ela também tem seus riscos, os quais temos que saber avaliar para decidirmos se aceitamos ou não, em função dos benefícios que iremos auferir, como pessoas, cidades, estado ou país.

As atividades de mineração foram, são e sempre serão fundamentais para o desenvolvimento da sociedade. Isso é inegável. Os benefícios econômicos e sociais deste tipo de atividade para um estado como o de Minas Gerais são inúmeros. Obviamente, há riscos ambientais que podem e devem ser controlados para que possamos usufruir dos benefícios, correndo riscos mínimos, ou "riscos aceitáveis", do ponto de vista da nossa sobrevivência como sociedade. Definir o que seja um "risco aceitável" talvez seja o principal dilema que temos para tratar de uma questão como esta que ocorreu em Mariana, particularmente quando há perda de vidas. Na verdade, isso é uma questão fundamental não só neste caso, mas também em vários outros.

Desejo finalizar esta entrevista com um exemplo neste sentido: temos, ainda hoje, uma sociedade com condições precárias de saneamento básico no Brasil. Neste sentido, estamos na "Era Medieval". Isso certamente é uma condição que causa inúmeras mortes (particularmente de crianças) que poderiam ser facilmente controladas. Os países com políticas adequadas neste sentido - saneamento básico - sabem muito bem disso. Porém, nosso país ainda não conseguiu cumprir este requisito básico de condição de vida adequada em sociedade. É óbvio que isso não deve ser usado como argumento para desviar o foco desse acidente que ocorreu em Mariana. Entretanto, se não começarmos a cobrar dos nossos governantes que questões tão simples como saneamento básico sejam resolvidas o quanto antes no Brasil, não atingiremos a maturidade para começarmos a tratar de questões mais complexas como esta de "conciliar mineração e meio ambiente".

Por Patricia Fachin

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Instituto Humanitas Unisinos - IHU - O rompimento da barragem da Samarco. O desafio de revegetar a área. Entrevista especial com Luiz Roberto Guimarães Guilherme