Perguntar ao Espírito e ao povo

Revista ihu on-line

Cultura Pop. Na dobra do óbvio, a emergência de um mundo complexo

Edição: 545

Leia mais

Revolução 4.0. Novas fronteiras para a vida e a educação

Edição: 544

Leia mais

Ontologias Anarquistas. Um pensamento para além do cânone

Edição: 543

Leia mais

Cultura Pop. Na dobra do óbvio, a emergência de um mundo complexo

Edição: 545

Leia mais

Revolução 4.0. Novas fronteiras para a vida e a educação

Edição: 544

Leia mais

Ontologias Anarquistas. Um pensamento para além do cânone

Edição: 543

Leia mais

Mais Lidos

  • Papa Francisco condena perseguição antigay e está preocupado com “cura gay”

    LER MAIS
  • Opositores do papa: continuem assim

    LER MAIS
  • Católicos e anglicanos - Trabalhar juntos para bem da humanidade, diz secretário do Vaticano

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

Enviar

Por: André | 15 Dezembro 2014

“Daí a importância da dupla escuta e do duplo encontro que Francisco propõe: ouvir o Espírito e ouvir a experiência do povo; que a pregação seja ‘encontro com a Palavra e encontro com o povo’”, escreve o teólogo jesuíta Juan Masiá, em artigo publicado no sítio Religión Digital, 11-12-2014. A tradução é de André Langer.

 
Fonte: http://bit.ly/1snJsOn  

Eis o artigo.

O Papa Francisco prefere a pastoral de perguntas, mais do que a moral de respostas. Perguntas para discernir, mais que respostas pré-fabricadas. Pastoral de cura e escuta, em vez de moral de condenações e receitas. Como os bons médicos, pergunta para diagnosticar, em vez de receitar sem diagnosticar. Sabe que não há enfermidades, mas enfermos e que não se pode diagnosticar somente diante da tela do computador sem olhar para o rosto das pessoas.

Francisco pratica o que recomenda. Ao enviar a todo o “povo fiel” as perguntas sobre os temas a serem deliberados na Igreja, está colocando em prática o método de discernimento evangélico que recomenda insistentemente em sua exortação A Alegria do Evangelho (Evangelii Gaudium).

Já na convocatória do anterior Sínodo Extraordinário (2014) manifestou seu propósito de desencadear um “processo sinodal de deliberação” que envolvesse todas as comunidades durante estes dois anos. Por isso, enviou as perguntas do documento preparatório para serem respondidas por todo o “povo fiel”, em vez de dirigi-las, como até agora, somente aos bispos. (Lamentavelmente, houve dioceses cujos bispos nem sequer enviaram o documento às paróquias.)

Desta vez, Francisco decidiu que a Relatio Synodi (Relação final do Sínodo de 2014), assim como foi concluída pelos bispos, se converta em documento preparatório (Lineamenta), como material de trabalho para a XIV Assembleia Geral Ordinária do Sínodo dos Bispos (2015). Vai acompanhada de uma longa e densa relação de perguntas para que todo o povo crente (e não apenas seus bispos) dialogue e discirna comunitariamente ao longo do ano e envie seu parecer como contribuição para a deliberação sinodal.

Este processo de deliberação encarna o método de discernimento recomendado na exortação Evangelii Gaudium (EG), insígnia emblemática da primavera de reforma eclesial. Francisco convida nessa exortação para que tenhamos uma dupla paixão: “paixão por Jesus” e “paixão pelo povo”, pela espiritualidade de “reconhecer a Deus” e “reconhecer o outro” (EG, cap. 5).

Francisco recorda aos agentes de pastoral que Jesus se irritava com os mestres exigentes que ensinam a Palavra de Deus sem se deixarem iluminar por ela e colocam sobre os ombros do povo cargas pesadas que eles mesmos não suportariam carregar. Diz Francisco que: “O pregador deve também pôr-se à escuta do povo, para descobrir aquilo que os fiéis precisam ouvir. Um pregador é um contemplativo da Palavra e também um contemplativo do povo. [...] Trata-se de relacionar a mensagem do texto bíblico com uma situação humana, com algo que as pessoas vivem, com uma experiência que precisa da luz da Palavra. Esta preocupação não é ditada por uma atitude oportunista ou diplomática, mas é profundamente religiosa e pastoral” (EG 154).

Francisco quer dizer que o pregador prepare sua homilia prestando atenção “à voz de Deus e à voz do povo”. Vox populi, vox Dei. Afirma isso sem medo de que a casta curial o acuse de “populismo”. Porque Francisco está convencido de que no discernimento evangélico se tenta reconhecer – à luz do Espírito – um apelo que Deus faz ouvir em uma determinada situação histórica (cf. EG 154).

Francisco insiste em que, ao fazer a homilia, é preciso “retomar este diálogo que já foi estabelecido entre o Senhor e o seu povo. Aquele que prega deve conhecer o coração da sua comunidade para identificar onde está vivo e ardente o desejo de Deus e também onde é que este diálogo de amor foi sufocado ou não pôde dar fruto” (EG 137).

Daí a importância da dupla escuta e do duplo encontro que Francisco propõe: ouvir o Espírito e ouvir a experiência do povo; que a pregação seja “encontro com a Palavra e encontro com o povo”. “A homilia é o ponto de comparação para avaliar a proximidade e a capacidade de encontro de um Pastor com o seu povo. De fato, sabemos que os fiéis lhe dão muita importância; e, muitas vezes, tanto eles como os próprios ministros ordenados sofrem: uns a ouvir e outros a pregar. É triste que assim seja. A homilia pode ser, realmente, uma experiência intensa e feliz do Espírito, um encontro consolador com a Palavra, uma fonte constante de renovação e crescimento” (EG 135).

Perguntar ao Espírito e ao povo, ouvir a vox populi e a vox Dei. Francisco nos anima a fazer isto durante todo o ano, em preparação ao próximo Sínodo. Seguiremos, desta vez, o conselho dado por Francisco em todas as comunidades?

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Perguntar ao Espírito e ao povo - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV