UE destaca na COP-20 decisão alemã de reduzir emissões de gases

Revista ihu on-line

Giorgio Agamben e a impossibilidade de salvação da modernidade e da política moderna

Edição: 505

Leia mais

Pier Paolo Pasolini Um trágico moderno e sua nostalgia do sagrado

Edição: 504

Leia mais

A ‘uberização’ e as encruzilhadas do mundo do trabalho

Edição: 503

Leia mais

Mais Lidos

  • Aqueles cardeais "de periferia" escolhidos pelo papa. Artigo de Andrea Riccardi

    LER MAIS
  • Entidades pró-direitos humanos repudiam ação de Alckmin e Doria na Cracolândia

    LER MAIS
  • Agamben: profanar a Democracia Representativa

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU

close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

09 Dezembro 2014

A União Europeia destacou nessa quarta-feira (3) em Lima, no Peru, o anúncio da Alemanha de reduzir as emissões de gases de efeito estufa, cortando a produção de dióxido de carbono entre 62 e 78 milhões de toneladas.

A reportagem publicada pela Agência Brasil – EBC, com informações da Agência Lusa, 04-12-2014.

A chefe da delegação europeia à 20ª Conferência das Partes da Convenção-Quadro das Nações Unidas sobre a Mudança do Clima (COP-20), Elina Bardram, em entrevista coletiva, qualificou a decisão alemã como “muito animadora” para demonstrar que “as economias de baixo carbono têm sentido”.

A decisão alemã, considerou Elina, “demonstra que as grandes economias estão dispostas a fazer um esforço para ajudar a alcançar as metas de 2020”, quando a União Europeia quer cortar as emissões de gases em 40% em relação aos níveis de 1990.

A chefe da delegação, que estava acompanhada pelo representante de Itália, país que ocupa a presidência rotativa do Conselho Europeu, Roberto Binatti, defendeu as contribuições europeias para o combate às alterações climáticas.

Para Elina, o novo acordo mundial sobre as alterações climáticas, que está sendo negociado em Lima e deve ser aprovado em Paris, em 2015, “deverá incluir objetivos de economia de baixo carbono, com cada país agindo em concordância com os seus recursos e as suas possibilidades”.

Em todo o caso, salientou, “é decisivo que o acordo de 2015 inclua muitas ações em nível nacional para manter o aumento do aquecimento global abaixo dos 2ºC”, ponto a partir do qual se estima que as consequências mais extremas das alterações climáticas sejam irreversíveis”, disse Elina.

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Instituto Humanitas Unisinos - IHU - UE destaca na COP-20 decisão alemã de reduzir emissões de gases