O sonho olímpico de despoluir a Baía de Guanabara

Revista ihu on-line

Revolução 4.0. Novas fronteiras para a vida e a educação

Edição: 544

Leia mais

Ontologias Anarquistas. Um pensamento para além do cânone

Edição: 543

Leia mais

Vilém Flusser. A possibilidade de novos humanismos

Edição: 542

Leia mais

Revolução 4.0. Novas fronteiras para a vida e a educação

Edição: 544

Leia mais

Ontologias Anarquistas. Um pensamento para além do cânone

Edição: 543

Leia mais

Vilém Flusser. A possibilidade de novos humanismos

Edição: 542

Leia mais

Mais Lidos

  • Um novo documento anti-Francisco com cem assinaturas: “Atos sacrílegos durante o Sínodo, precisa se arrepender”

    LER MAIS
  • Plano de Guedes constitucionaliza drenagem de recursos dos pobres para os ricos

    LER MAIS
  • Bolívia: um levante popular aproveitado pela extrema direita. Artigo de Raúl Zibechi

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

Enviar

07 Novembro 2014

"O brasão da cidade do Rio de Janeiro traz golfinhos como elementos principais, de tão presentes que esses animais costumavam ser na costa fluminense. Hoje, a população de golfinhos que ainda existe no recôncavo da Baía de Guanabara se deve, em certa medida, à Área de Proteção Ambiental de Guapimirim, uma importante Unidade de Conservação Federal responsável pela proteção ambiental e dos manguezais na região", escrevem Marcia Hirota, diretora-executiva da Fundação SOS Mata Atlântica, e Leandra Gonçalves, bióloga e consultora da organização, em artigo publicado pelo SOS Mata Atlântica e reproduzido pelo Blog do Planeta, 05-11-2014.

Eis o artigo.

A meta de sanear 80% da Baía de Guanabara até 2016 faz parte dos compromissos assumidos pelo Governo do Estado com o Comitê Olímpico Internacional (COI) para a realização das Olimpíadas do Rio de Janeiro. No entanto, são tantos anos de descaso com a sustentabilidade da Baía que é difícil acreditar que a despoluição de suas águas será um legado dos Jogos Olímpicos.

Financiado pelo Banco Interamericano de Desenvolvimento (BID) e pelo Banco Japonês para Cooperação Internacional (JBIC), o Programa de Despoluição da Baía de Guanabara foi iniciado em 1994. Em seu encerramento oficial, em 2006, tinham sido gastos – ao longo de 13 anos – US$ 760 milhões, em valores nominais. A partir de 2007, com a troca de governo, iniciou-se o Programa de Saneamento dos Municípios do Entorno da Baía de Guanabara (PSAM) – uma das principais iniciativas do Plano Guanabara Limpa.

Apesar dos milhões já investidos, a Baía, um dos cartões postais do Rio de Janeiro, continua em elevado estado de poluição graças à intensidade das atividades industrial e portuária, dragagens, ausência de saneamento básico e controle do despejo de dejetos industriais, entre outros problemas.

A herança histórica de degradação ambiental é imensa e é por esse motivo que a meta ambiciosa de despoluição precisa ser assumida pela sociedade como um todo – em especial pelas prefeituras e habitantes dos 15 municípios do seu entorno, processo que não aconteceu efetivamente até hoje.

Não há projeto milagroso que irá despoluir a Baía até 2016 se não forem tratados os esgotos e diminuída, por exemplo, a quantidade de lixo comum e hospitalar que é jogada de forma irregular na bacia hidrográfica e acaba por afetar não só as suas águas, mas os leitos dos rios e canais que a compõem.

Além disso, não se pode negligenciar os impactos causados pela ocupação irregular de empresas no entorno, além da degradação e desmatamento de manguezais e de matas ciliares de rios e canais que fazem parte da bacia hidrográfica da Baía de Guanabara.

Por isto, o compromisso olímpico deve ser visto como uma oportunidade e uma agenda prioritária para governo do Estado do Rio de Janeiro. Para que a despoluição ocorra, faz-se necessário, sobretudo, um planejamento contínuo e monitoramento permanente. Fundamental também uma maior governança, com o estabelecimento de metas de médio e longo prazos para a realização dos projetos previstos. Para completar, não pode faltar transparência no acompanhamento das ações e a participação ativa da população e das universidades – com a elaboração de estudos científicos.

O brasão da cidade do Rio de Janeiro traz golfinhos como elementos principais, de tão presentes que esses animais costumavam ser na costa fluminense. Hoje, a população de golfinhos que ainda existe no recôncavo da Baía de Guanabara se deve, em certa medida, à Área de Proteção Ambiental de Guapimirim, uma importante Unidade de Conservação Federal responsável pela proteção ambiental e dos manguezais na região.

A melhoria da qualidade das águas da Baía de Guanabara é uma meta para 2016. No entanto, se até lá for acordado, entre todos os níveis de governo, academia, empresas e sociedade, um pacto pela sustentabilidade da Baía a longo prazo, teremos de fato um legado dos Jogos Olímpicos. Quem sabe, tenhamos também de volta os golfinhos que um dia já foram símbolo da cidade.

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

O sonho olímpico de despoluir a Baía de Guanabara - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV