Queima de biomassa seria a causa de 18% das emissões antrópicas

Revista ihu on-line

Cultura Pop. Na dobra do óbvio, a emergência de um mundo complexo

Edição: 545

Leia mais

Revolução 4.0. Novas fronteiras para a vida e a educação

Edição: 544

Leia mais

Ontologias Anarquistas. Um pensamento para além do cânone

Edição: 543

Leia mais

Cultura Pop. Na dobra do óbvio, a emergência de um mundo complexo

Edição: 545

Leia mais

Revolução 4.0. Novas fronteiras para a vida e a educação

Edição: 544

Leia mais

Ontologias Anarquistas. Um pensamento para além do cânone

Edição: 543

Leia mais

Cultura Pop. Na dobra do óbvio, a emergência de um mundo complexo

Edição: 545

Leia mais

Revolução 4.0. Novas fronteiras para a vida e a educação

Edição: 544

Leia mais

Ontologias Anarquistas. Um pensamento para além do cânone

Edição: 543

Leia mais

Mais Lidos

  • O Papa doa aos pobres um prédio de luxo a poucos passos de São Pedro

    LER MAIS
  • Arautos do Evangelho. Vaticano retoma a intervenção

    LER MAIS
  • Diálogo de surdos: Esquerda e direita falam só para bolhas de convertidos

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

Enviar

08 Agosto 2014

Novo estudo sugere que a queima de biomassa tem um papel muito maior nas mudanças climáticas do que se pensava, e, além disso, seria responsável por até 10% das mortes relacionadas com a poluição do ar.

A reportagem foi publicada por CarbonoBrasil, 07-08-2014.

Um pesquisador da Universidade de Stanford afirma ter quantificado pela primeira vez o grau da contribuição da queima de biomassa – como os incêndios florestais, a abertura de terras agrícolas ou o uso de matéria vegetal como combustível – para as mudanças climáticas e a saúde humana.

Marc Z. Jacobson, diretor do Programa de Energia e Atmosfera e professor de Engenharia Civil e Ambiental de Stanford,detalhou suas conclusões em um artigo publicado na edição de 30 de julho do Journal of Geophysical Research: Atmospheres.

Ele baseou o estudo em simulações tridimensionais computadorizadas dos impactos da queima da biomassa e concluiu que os efeitos têm um papel muito maior nas mudanças climáticas e na saúde humana do que se pensava.

“Calculamos que entre 5% e 10% da mortalidade relacionada à poluição do ar ao redor do mundo se deve à queima da biomassa”, disse o pesquisador. “Isso significa que causa a morte prematura de cerca de 250 mil pessoas a cada ano.”

Em relação ao aquecimento global, Jacobson afirma que quase 8,5 bilhões de toneladas de CO2 atmosférico, ou cerca de 18% de todas as emissões antrópicas, vêm da queima da biomassa. Ele lembra que as emissões totais de dióxido de carbono (CO2) decorrentes das atividades humanas, excluindo a queima da biomassa, já alcançam 39 bilhões de toneladas anualmente.

Para piorar, as pesquisas mostram que o problema não é apenas o CO2. Os carbonos negro e marrom, uma fuligem gerada nos incêndios, maximiza o impacto térmico, fazendo com que a queima da biomassa cause muito mais aquecimento por unidade de peso do que qualquer outra fonte associada às atividades humanas.

Essas partículas intensificam o aquecimento atmosférico de várias formas: se misturam às gotículas de água que formam as nuvens, que acabam absorvendo a luz solar, criando calor e acelerando a evaporação. Isso causa a dissipação da nuvem, e consequentemente do seu efeito de reflexão, permitindo que mais luz solar chegue à superfície e ao oceano.

Os carbonos negro e marrom também se misturam à neve e ao gelo, contribuindo para o aquecimento, já que a cor branca reflete o calor, mas com a mistura das partículas, a transição para tons mais escuros absorve a luz solar, causando maior derretimento. Assim, a superfície exposta do oceano e do solo, mais escuras, também absorvem mais calor.

Jacobson nota que algumas partículas, especificamente as brancas e cinzas, podem ter um efeito de resfriamento, pois refletem a luz solar. Isso deve ser contraposto às etapas de aquecimento descritas anteriormente.

O pesquisador alerta que o impacto de todos os gases do efeito estufa antrópicos somados ao carbono negro e marrom, descontando o efeito de resfriamento das partículas claras, é o aumento das temperaturas globais em cerca de 0,9ºC ao longo do período de 20 anos simulado no computador. Desse incremento líquido, os cálculos indicam que 0,4°C são de responsabilidade da queima de biomassa.

Jacobson também considerou o calor diretamente gerado pela combustão da biomassa, que contribui para a evaporação das nuvens.

“Determinamos que 7% do aquecimento líquido total causado pela queima da biomassa – ou seja, 7% do ganho líquido de 0,4° C na temperatura – pode ser atribuído ao calor direto causado pelos incêndios”, explicou ele.

Energia

A queima de resíduos agrícolas ou da atividade madeireira para a geração de energia como uma alternativa tida como ‘sustentável’ ao uso de combustíveis fósseis é criticada pelo estudo como “parcialmente verdade”. O argumento é de que, por um lado, esses resíduos podem ser cultivados, processados e convertidos ciclicamente, e, por outro, criam poluição e fluxos térmicos.

“A conclusão é que a queima de biomassa não é limpa e nem neutra climaticamente”, enfatizou Jacobson.

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Queima de biomassa seria a causa de 18% das emissões antrópicas - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV