Maior emissor, setor energético está no centro das atenções do relatório

Revista ihu on-line

Revolução 4.0. Novas fronteiras para a vida e a educação

Edição: 544

Leia mais

Ontologias Anarquistas. Um pensamento para além do cânone

Edição: 543

Leia mais

Vilém Flusser. A possibilidade de novos humanismos

Edição: 542

Leia mais

Mais Lidos

  • Uma análise de fundo a partir do golpe de Estado na Bolívia

    LER MAIS
  • Aumento da miséria extrema, informalidade e desigualdade marcam os dois anos da Reforma Trabalhista

    LER MAIS
  • Lula desequilibra o jogo. Craque é craque

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

Enviar

16 Abril 2014

Não é à toa que o relatório sobre mitigação do IPCC (assim como o sumário, divulgado ontem), jogue uma lupa sobre as emissões de energia. "A possibilidade de se descarbornizar a economia do mundo é muito ligada à possibilidade do setor elétrico de se descarbonizar", diz o brasileiro Roberto Schaeffer, um dos autores-líderes do capítulo sobre transportes.

A reportagem é de Daniela Chiaretti, publicada pelo jornal Valor, 14-04-2014.

Fácil entender o motivo. As emissões de gases-estufa ligadas à energia respondem por 80% do total. As principais fontes de emissão de CO2 estão na geração elétrica a carvão e gás e nos insumos à base de combustíveis fósseis usados na indústria e no transporte. O setor de transportes sozinho (considerando todos os modais, rodoviário, ferroviário, aéreo, marítimo) responde por 25% das emissões de CO2 do mundo.

A tendência é de aumento. "Quanto mais demorar, mais violenta será a necessidade de se descarbonizar a economia", diz Schaeffer, que é professor do programa de planejamento energético da Coppe/UFRJ. "A mensagem principal é que ainda existe a possibilidade de se conseguir ficar dentro do limite de 2º C de aquecimento. Mas para isso são necessárias ações urgentes e de curto prazo. Quanto mais se esperar, será mais caro e perigoso porque vamos ter que lançar mão de tecnologias não testadas ou mais caras das disponíveis hoje", diz.

Tecnologias de energia renovável, como eólica e solar, estão avançando e são mais baratas, hoje, do que eram. "Mas se não as usarmos já, vamos ter que recorrer às que não são baratas". Ele se refere à energia nuclear, à queima de fósseis com CCS (sistemas para sequestrar o carbono após a queima, tecnologia ainda em teste no mundo, cara e controversa) e outras.

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Maior emissor, setor energético está no centro das atenções do relatório - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV