Preço dos alimentos dispara com a seca e reaviva temor de nova crise alimentar

Revista ihu on-line

Diálogo interconvicções. A multiplicidade no pano da vida

Edição: 546

Leia mais

Cultura Pop. Na dobra do óbvio, a emergência de um mundo complexo

Edição: 545

Leia mais

Revolução 4.0. Novas fronteiras para a vida e a educação

Edição: 544

Leia mais

Mais Lidos

  • “O mercado não é Deus e a meritocracia é apenas um grande blefe”, desabafa banqueiro italiano

    LER MAIS
  • Agronegócio pode ter infectado 400 mil trabalhadores no Brasil por Covid-19

    LER MAIS
  • Meio bilhão de cristãos pedem que G20 reforme a atual arquitetura econômica

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


15 Agosto 2012

A atual alta no preço dos cereais está reavivando o temor de uma nova crise alimentar. “É possível que se instaure uma situação comparável à de 2007 e 2008”, declarou Abdolreza Abbassian, economista da Organização das Nações Unidas para a Alimentação e a Agricultura (FAO). Ainda que a princípio a ideia seja essa instituição alertar os governos e incitá-los a não tomarem medidas que possam agravar a situação, a menção à crise alimentar de 2007 e 2008 traz preocupações.

A reportagem é de Laurence Girard, publicada no jornal Le Monde e reproduzida pelo Portal Uol, 14-08-2012.

Todos se lembram da brusca elevação nos preços do trigo, e depois de todos os cereais, cujo preço quase dobrou no período. E, com o encarecimento dos gêneros de primeira necessidade, dos violentos tumultos causados pela fome que, de Dacar até a Cidade do México, passando pelo Cairo, se espalharam rapidamente.

No entanto, como afirma José Graziano da Silva, diretor-geral da FAO, em uma coluna publicada no jornal britânico “Financial Times”, “embora a situação seja precária, ainda não há uma crise”. O arroz, por exemplo, teve uma boa safra. Seu preço não entrou na espiral inflacionista dos preços dos alimentos mundiais. Segundo o índice da FAO publicado na última quinta-feira (9) e estabelecido em uma cesta básica que reúne cereais, açúcar, óleo, carne e laticínios, eles subiram 6% em julho.
Uma verdadeira inflexão, considerando que o índice estava em recuo há três meses. Mas também uma mudança no cenário estabelecido pela FAO, que considerava uma tendência de baixa nos meses de verão. A organização, no entanto, se apressou em lembrar que o índice atual, próximo de 213 pontos, era 10% menor que o pico de 238 pontos atingido em fevereiro de 2011. Um recorde que havia coincidido com os levantes da “primavera árabe”. Toda alta de preços alimentares afeta primeiramente os países mais pobres, que dependem das importações.

Essa alta de julho está diretamente ligada ao aumento do preço dos cereais, ainda que o açúcar também tenha contribuído para essa tendência inflacionista. Em um mês, a FAO calcula que o índice do preço dos cereais no mundo tenha disparado 17%, atingindo 260 pontos. Ele se aproxima do recorde absoluto de 274 pontos, atingido em 2008.

Em meados de junho, a febre tomou conta das Bolsas das matérias primas agrícolas: o preço do milho disparou em razão da seca histórica que tem atingido os Estados Unidos, principal produtor e exportador mundial do grão. Em julho, a temperatura média no território americano foi de 25,3 graus Celsius, um nível que não era atingido desde 1936: 63% do país foi afetado. Ainda que no início de agosto tenha chovido sobre o Meio Oeste, principal zona cerealista, foi tarde demais para salvar os pés de milho esturricados.

Na última sexta-feira (10), o Ministério da Agricultura Americano (USDA) revisou suas previsões de produção do cereal. Agora ele conta com uma colheita de 273 milhões de toneladas, um recuo de 13% em relação a 2011. “Em maio, a USDA antecipava uma colheita recorde de 375 milhões de toneladas”, ressalta Cédric Weber, analista da Offre et Demande Agricole.

A alta do preço do milho acarretou o aumento do preço do trigo – os pecuaristas poderiam ficar tentados a consumir mais dele para alimentar seus animais. A isso se somou uma outra preocupação, associada à seca que castiga o litoral do Mar Negro. As previsões de produção de trigo na Rússia, na Ucrânia e no Cazaquistão foram revistas, reduzindo o potencial de exportação. Na Rússia, onde as colheitas diminuíram 25%, a parte destinada à exportação poderá passar de 27 milhões para 12 milhões de toneladas entre 2011 e 2012. Nesse mercado, as boas novas paradoxalmente vêm dos Estados Unidos, também principal exportador mundial desse produto: a produção de trigo deverá ser superior às previsões, com 61 milhões de toneladas; e da Europa, onde as previsões permanecem quase estáveis, em 132 milhões de toneladas.

O preço da soja, que também foi afetada pela seca americana, se aproxima dos picos e bateu seu recorde na Bolsa de Chicago. A USDA antecipa uma queda da produção nos Estados Unidos de 12% em relação a 2011. Mas as chuvas tardias poderão ainda ter um efeito benéfico sobre as plantações.
Os aumentos de mais de 50% do preço do trigo e do milho na Bolsa de Chicago desde junho, assim como os recordes batidos pela soja, satisfazem os investidores financeiros que apostam nas matérias primas agrícolas. Segundo um estudo do Deutsche Bank, o milho lhes ofereceu, juntamente com o ouro, o melhor rendimento dos cinco últimos anos. Esses investidores, capazes de reagir a qualquer publicação de índice ou a cada antecipação meteorológica, contribuem para a volatilidade dos mercados a ampliam as variações.

Nesse contexto, a baixa da demanda de cereais permitiria acalmar a situação. Em sua coluna, Graziano da Silva exortou o governo americano a reduzir sua produção de bioetanol a partir do milho, pedindo por “uma suspensão imediata e temporária da legislação americana” que impõe cotas de biocombustível produzido a partir do cereal. Devido a medidas de incentivo, a produção de etanol absorve quase 40% das colheitas de milho nos Estados Unidos.

A atual seca fez com que fosse reativado o debate sobre a utilização de cereais como alimento, ração animal e combustível. Essa questão divide os políticos americanos; aqueles que representam Estados como o Texas, onde a pecuária é prioridade, ou como o Iowa, onde os cerealistas ditam o tom. “Em período eleitoral, é difícil para os Estados Unidos mudarem sua política de apoio aos biocombustíveis, pois é um setor econômico importante”, acredita Michel Portier, diretor da consultoria Agritel.
Graziano da Silva também alerta os países que poderiam estar inclinados a limitar suas exportações.

A Rússia havia inflado o mercado do trigo em 2010 ao fechar suas fronteiras.

Todos os olhares agora se voltam para o hemisfério sul, onde a Austrália também está sendo afetada pela seca. Já a Argentina e o Brasil, respectivamente segundo e terceiro maiores exportadores mundiais de milho, fizeram suas semeaduras no outono. A alta dos preços pode incentivá-los a plantar mais.

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Preço dos alimentos dispara com a seca e reaviva temor de nova crise alimentar - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV