Sobrevida a milhares de peixes no Rio dos Sinos

Revista ihu on-line

Planos de saúde e o SUS. Uma relação predatória

Edição: 541

Leia mais

Hans Jonas. 40 anos de O princípio responsabilidade

Edição: 540

Leia mais

Do ethos ao business em tempos de “Future-se”

Edição: 539

Leia mais

Mais Lidos

  • Por que o Papa Francisco não tem medo de um cisma

    LER MAIS
  • Os 12% do presidente – em que lugar da sociedade habita o bolsonarista convicto?

    LER MAIS
  • O cardeal Burke inicia a cruzada contra o Sínodo sobre a Amazônia, com base em um documento herético

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

Enviar

12 Dezembro 2011

Enquanto a discussão esquenta entre arrozeiros e prefeituras, a Operação Piracema deu sobrevida a cerca de 52 mil peixes no Rio dos Sinos no fim de semana. Pioneira no Estado, a ação retirou animais que agonizavam em zonas poluídas do rio e os levou para uma área com melhores níveis de oxigênio na água. Para o próximo sábado, está marcada outra transferência de peixes na região.

A reportagem é de Álisson Coelho e publicada pelo jornal Zero Hora, 12-12-2011.

Com 190 quilômetros de extensão, o Sinos tem pontos onde a água corre limpa e com alto nível de oxigênio, e outros onde a poluição predomina. Uma das zonas mais impactadas fica entre Novo Hamburgo e Sapucaia do Sul, passando por São Leopoldo, onde os animais foram coletados.

Além dos poluentes industriais, a região recebe esgoto e efluentes que vêm dos arroios Luiz Rau, Pampa, João Correa e Portão, considerado o mais poluído. Nesse ponto, os níveis de oxigênio na água chegaram a zero.

– Nessa época, os peixes estão subindo o rio para se reproduzirem na parte alta da bacia. Próximo ao centro de São Leopoldo, uma alta carga de poluição, aliada ao baixo nível das águas, fez com que os peixes ficassem retidos – explica o diretor executivo do Consórcio Pró-Sinos, Júlio Dorneles, que executou a operação.

De acordo com o biólogo Carlos Augusto Normann, ao baixo nível das águas se soma a alta carga poluente depositada no rio:

– É uma região muito industrializada, com produção de couro, calçado, tintas, galvanoplastia e metalurgia. Temos um passivo de 40 anos de poluição depositada nos arroios.

As cidades também fizeram sua parte. Novo Hamburgo hoje trata apenas 2% do seu esgoto, percentual que será elevado gradativamente nos próximos 10 anos até chegar próximo de 100%. Em São Leopoldo, o índice chega a 50%, mas outras cidades da região ainda estão iniciando esse processo.

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Sobrevida a milhares de peixes no Rio dos Sinos - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV