Decifradas as cartas de um deportado a Auschwitz: ''Eu levava outros à morte dizendo-lhes a verdade''

Revista ihu on-line

Diálogo interconvicções. A multiplicidade no pano da vida

Edição: 546

Leia mais

Cultura Pop. Na dobra do óbvio, a emergência de um mundo complexo

Edição: 545

Leia mais

Revolução 4.0. Novas fronteiras para a vida e a educação

Edição: 544

Leia mais

Mais Lidos

  • Abuso de autoridade na igreja. Problemas e desafios da vida religiosa feminina

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


26 Novembro 2017

As 13 folhas escondidas debaixo da terra foram reencontradas e “limpas” graças às novas tecnologias. Marcel Nadjari, no campo de concentração, estava no Sonderkommando: era forçado a lidar com os deportados destinados às câmaras de gás.

A reportagem é de Patrizia Baldino, publicada no jornal La Repubblica, 23-11-2017. A tradução é de Moisés Sbardelotto.

“Como eu poderia temer a morte, depois de tudo o que eu vi aqui?” Nas suas cartas do inferno na terra, o campo de concentração de Auschwitz, Marcel Nadjari conta. Ele, um judeu grego, estava no campo de concentração como deportado, junto com seus pais e a irmã Nelli, que morreram logo depois do seu ingresso. Os seus textos, por mais de 70 anos, nunca foram lidos por ninguém.

Treze folhas arrancadas de um caderno, escritas na urgência de contar o horror que ele estava vivendo e do qual havia sido forçado a se tornar também parte ativa. Os nazistas o colocaram no Sonderkommando, aquele grupo de prisioneiros que geriam a “eliminação” dos deportados nas câmaras de gás. Uma tarefa terrível: acompanhá-los à morte, depois mover os corpos, cortar os cabelos, recolher os dentes de ouro e, por fim, queimar os restos.

A pior parte é a primeira, quando os prisioneiros destinados à solução final lhe perguntam aonde estão indo e o que acontece naqueles edifícios. “Para as pessoas cujo destino estava marcado, eu disse a verdade.”

Uma vez nus, os prisioneiros iam para a câmara de morte, com os chuveiros falsos de onde saía o gás. “Eles eram forçados a entrar às chicotadas, e depois as portas eram fechadas.”

Marcel torna-se, de perto, a testemunha da loucura nazista. Ele não tem medo de morrer, ao contrário, está convencido de que isso aconteceria em breve. E, por isso, decide confiar seus pensamentos a folhas de papel que, depois, esconde debaixo da terra. Uma recordação da sua presença e uma advertência para a humanidade que viria depois dele.

Um testemunho importante encontrado por acaso em 1980 por um estudante polonês que participava de uma escavação. O documento, que havia ficado nada menos do que 36 anos debaixo da terra, estava muito arruinado, quase ilegível.

Somente hoje, graças às novas tecnologias e ao avanço da informática, os escritos de Marcel foram finalmente traduzidos, contando uma das páginas mais atrozes do campo de extermínio.

“Todas as vezes que matam, eu me pergunto se Deus existe”, afirma ele em uma das folhas. Em outra, Marcel escreve que se arrepende de duas coisas: não ter conseguido se vingar e não ter podido dar aos outros prisioneiros uma morte mais digna e “humana”.

O historiador russo Pavel Polian, que trabalhou na tradução do documento, fez outra descoberta inesperada: Marcel sobreviveu graças ao caos provocado pela chegada do exército russo, que obrigou os responsáveis pelo campo de concentração a transferir os prisioneiros para outros campos.

Transferido para a Áustria, depois da vitória dos aliados, Nadjari foi libertado. Ele se refugiou nos Estados Unidos, onde se casou e trabalhou como alfaiate em Nova York. Morreu em 1971. Deixou uma filha, a quem foram entregues as folhas escritas pelo pai.

Agora, o precioso testemunho viajará pelas sinagogas – ele já foi lido na de Tessalônica, cidade natal da família Nadjari – para falar daquilo que Marcel queria transmitir: um pensamento de fraternidade e de solidariedade, sobretudo na dor.

Leia mais

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Decifradas as cartas de um deportado a Auschwitz: ''Eu levava outros à morte dizendo-lhes a verdade'' - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV