Compartilhar Compartilhar
Aumentar / diminuir a letra Diminuir / Aumentar a letra

Entrevistas

Sociedade tecnocientífica e os desafios éticos. Entrevista especial com José Palazzo

“Não é possível substituir a universidade, como fonte de estudo, pensamento filosófico, crítica de valores sociais e humanismo, por ferramentas computacionais”, afirma o pesquisador.

Confira a entrevista.

Ao analisar o uso da tecnologia a partir da sua área de atuação, o ensino, o professor José Palazzo é enfático: “ciência e tecnologia podem ser importantes como ferramentas para apoiar modelos pedagógicos, mas nunca a salvação do ensino”. Crítico às posições que veem na tecnologia a possibilidade de transformar o ensino, o pesquisador diz que se trata de uma “visão distorcida da realidade”. Na entrevista concedida à IHU On-Line por e-mail, ele reitera que “precisamos ter consciência de que a tecnologia é apenas uma ferramenta e, se não construirmos valores humanos e éticos, estas novas tecnologias não trarão uma ruptura positiva na educação, mas uma baixa na qualidade da comunicação, do estudo e do comportamento social”.

Diante das evoluções técnicas da sociedade tecnocientífica, Palazzo destaca que o desafio “é conseguirmos fazer a união da pesquisa científica com o Humanismo e com os valores éticos e morais. Está na hora de darmos um basta à visão meramente econômica da sociedade e percebermos que este materialismo está nos levando para a atual crise moral e ética”.

Tecnologia, computação e educação foram os temas abordados por Palazzo na quarta-feira, 13-03-2012, na atividade inaugural do I Seminário – XIV Simpósio Internacional IHU: Revoluções Tecnocientíficas, Culturas, Indivíduos e Sociedades, que se iniciou neste mês no Instituto Humanitas Unisinos – IHU.

José Palazzo M. de Oliveira é graduado em Engenharia Elétrica e mestre em Ciências da Computação pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul – UFRGS, e doutor em Informática pelo Instituto Nacional Politécnico de Grenoble. Leciona no Instituto de Informática da Universidade Federal do Rio Grande do Sul – UFRGS.

Confira a entrevista.

IHU On-Line – Quais são as características centrais da sociedade tecnocientífica?

José Palazzo M. de Oliveira
– As características atuais, vinculadas à minha área de atuação: o ensino, podem ser caracterizadas como a visão distorcida da realidade de que a utilização de tecnologia é a solução para todos os problemas do ensino. Estas posições são fontes de contravalores criados pela radical racionalidade do que é tido como “ciência e tecnologia”. Ciência e tecnologia podem ser importantes como ferramentas para apoiar modelos pedagógicos, mas nunca a salvação do ensino.

IHU On-Line – À medida que a tecnologia evolui, quais são os desafios e desassossegos que ela traz para a vida humana?

José Palazzo M. de Oliveira
– Precisamos ter consciência de que a tecnologia é apenas uma ferramenta e, se não construirmos valores humanos e éticos, estas novas tecnologias não trarão uma ruptura positiva na educação, mas uma baixa na qualidade da comunicação, do estudo e do comportamento social. Não é possível substituir a universidade, como fonte de estudo, pensamento filosófico, crítica de valores sociais e humanismo, por ferramentas computacionais.

IHU On-Line – Qual é o sentido, as implicações e os desafios teóricos e práticos da contemporaneidade tecnocientífica para a vida cotidiana?

José Palazzo M. de Oliveira
– O principal desafio da contemporaneidade tecnocientífica é conseguirmos fazer a união da pesquisa científica com o Humanismo e com os valores éticos e morais. Está na hora de darmos um basta à visão meramente econômica da sociedade e percebermos que este materialismo está nos levando para a atual crise moral e ética.

IHU On-Line – O senhor ressalta que a tecnologia não é a solução para todos os problemas da difusão do conhecimento e reitera a necessidade de construirmos valores humanos e éticos para que as tecnologias tenham um novo renascimento. Que valores devem ser resgatados numa era em que há uma supervalorização da técnica?

José Palazzo M. de Oliveira
– Essencialmente o respeito pelo próximo considerando a natureza multiétnica e multicultural das decisões sobre a pesquisa para permitir uma integração harmoniosa dos parceiros neste projeto de ampliação do conhecimento humano.

IHU On-Line – Quais são os desafios de se pensar e fazer ética numa civilização tecnocientífica?

José Palazzo M. de Oliveira
– O principal desafio é não aceitar o modelo corrente, em que as pessoas e as organizações são avaliadas pelo que têm e não pelo que são. Isso se aplica à carreira acadêmica: o essencial é a qualidade intrínseca da pesquisa e não a supervalorização da tecnologia e dos produtos. Em um ambiente de liberdade de pesquisa, de integração da pesquisa com o ensino, e dessas com a extensão, assim como a valorização dos aspectos humanos, há espaço para novas ideias e para a abertura de novos horizontes. Este é o modelo de universidade humboldtiana; a Alemanha criou este modelo no século XIX e obteve, no início do século XX, uma das maiores concentrações de Prêmios Nobel.

Adicionar comentário


Código de segurança
Atualizar

Cadastre-se

Quero receber:


Refresh Captcha Repita o código acima:
 

Novos Comentários

"Se é verdade que houve um erro em expor-se um animal selvagem no episódio aqui relatado, também ..." Em resposta a: 'Erramos', diz Rio 2016 após morte de onça presente em tour da Tocha
"Estou de acordo com os professores.Quem tem direito as terras são os índios, não que sejam dono d..." Em resposta a: Acadêmicos do MS exigem punição para assassinos de Guarani Kaiowá
"Gostei, pois é assim que Igreja católica com seu espírito de supremacia gosta de se referir as Ig..." Em resposta a: A Igreja Católica Romana não é Igreja, afirma sínodo da Igreja ortodoxa

Conecte-se com o IHU no Facebook

Siga-nos no Twitter

Escreva para o IHU

Adicione o IHU ao seus Favoritos e volte mais vezes

Conheça a página do ObservaSinos

Acompanhe o IHU no Medium