Mudanças climáticas podem reduzir o PIB global em até 18%

Revista ihu on-line

Metaverso. A experiência humana sob outros horizontes

Edição: 550

Leia mais

Caetano Veloso. Arte, política e poética da diversidade

Edição: 549

Leia mais

Mulheres na pandemia. A complexa teia de desigualdades e o desafio de sobreviver ao caos

Edição: 548

Leia mais

Mais Lidos

  • Metaverso? Uma solução em busca de um problema. Entrevista com Luciano Floridi

    LER MAIS
  • A implementação do Concílio no governo do Papa Bergoglio. Artigo de Daniele Menozzi

    LER MAIS
  • Comunidades Eclesiais de Base, sim. Artigo de Pedro Ribeiro de Oliveira

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


24 Abril 2021

 

A economia mundial deve perder até 18% do PIB com as mudanças climáticas se nenhuma ação for tomada, revela a análise do teste de estresse do Swiss Re Institute.

A informação é publicada por Swiss Re Institute e reproduzida por EcoDebate, 23-04-2021. A tradução e a edição são de Henrique Cortez.

O novo Índice de Economia do Clima testa como a mudança climática afetará 48 países, representando 90% da economia mundial, e classifica sua resiliência climática geral.

Impacto esperado do PIB global até 2050 em diferentes cenários em comparação com um mundo sem mudanças climáticas:
-18% se nenhuma ação de mitigação for tomada (aumento de 3,2°C);
-14% se algumas ações mitigadoras forem tomadas (aumento de 2,6°C);
-11% se outras ações de mitigação forem tomadas (aumento de 2°C);
-4% se as metas do Acordo de Paris forem atingidas (aumento abaixo de 2°C)

As economias da Ásia seriam as mais afetadas, com a China correndo o risco de perder quase 24% de seu PIB em um cenário severo, enquanto a maior economia do mundo, os EUA, deverá perder perto de 10% e a Europa quase 11%.

A mudança climática representa a maior ameaça de longo prazo para a economia global. Se nenhuma ação mitigadora for tomada, as temperaturas globais podem subir mais de 3°C e a economia mundial pode encolher 18% nos próximos 30 anos. Mas o impacto pode ser reduzido se medidas decisivas forem tomadas para cumprir as metas estabelecidas no Acordo de Paris, mostra o novo Índice de Economia do Clima do Swiss Re Institute. Isso exigirá mais do que o que é prometido hoje; os setores público e privado desempenharão um papel crucial na aceleração da transição para o zero líquido.

O Swiss Re Institute conduziu um teste de estresse para examinar como 48 economias seriam afetadas pelos efeitos contínuos das mudanças climáticas em quatro cenários diferentes de aumento de temperatura. Como o aquecimento global torna o impacto dos desastres naturais relacionados ao clima mais severo, ele pode levar a perdas substanciais de renda e produtividade ao longo do tempo. Por exemplo, o aumento do nível do mar resulta na perda de terras que poderiam ter sido usadas de forma produtiva e o estresse térmico pode levar a perdas de safra. As economias emergentes nas regiões equatoriais seriam as mais afetadas pelo aumento das temperaturas.

Grandes economias podem perder cerca de 10% do PIB em 30 anos

Em um cenário severo de aumento de temperatura de 3,2°C, a China perderá quase um quarto de seu PIB (24%) em meados do século. Os EUA, Canadá e Reino Unido teriam uma perda de cerca de 10%. A Europa sofreria um pouco mais (11%), enquanto economias como a Finlândia ou a Suíça estão menos expostas (6%) do que, por exemplo, a França ou a Grécia (13%).

Thierry Léger, diretor de Subscrição do Grupo e Presidente do Swiss Re Institute, disse: “O risco climático afeta todas as sociedades, empresas e indivíduos. Em 2050, a população mundial crescerá para quase 10 bilhões de pessoas, especialmente nas regiões mais afetadas pelas mudanças climáticas. Portanto, devemos agir agora para mitigar os riscos e alcançar metas líquidas de zero. Da mesma forma, como mostra nosso recente índice de biodiversidade, os serviços da natureza e dos ecossistemas fornecem enormes benefícios econômicos, mas estão sob intensa ameaça. É por isso que as mudanças climáticas e a perda de biodiversidade são dois desafios que precisamos enfrentar como comunidade global para manter uma economia saudável e um futuro sustentável. “

Índice de Economia do Clima classifica a resiliência dos países às mudanças climáticas

Além de avaliar o impacto econômico esperado dos riscos climáticos de cada país, o Swiss Re Institute também classificou cada país quanto à sua vulnerabilidade a condições extremas de clima seco e úmido. Além disso, analisou a capacidade do país de lidar com os efeitos das mudanças climáticas. Juntas, essas descobertas geram uma classificação da resiliência dos países aos impactos das mudanças climáticas.

A classificação exibe uma visão semelhante à análise de impacto do PIB: os países mais impactados negativamente são geralmente aqueles com menos recursos para se adaptar e mitigar os efeitos do aumento das temperaturas globais. Os países mais vulneráveis ​​neste contexto são Malásia, Tailândia, Índia, Filipinas e Indonésia. As economias avançadas do hemisfério norte são as menos vulneráveis, incluindo EUA, Canadá, Suíça e Alemanha.

Os setores público e privado desempenham um papel crucial na aceleração da ação climática

Dadas as consequências destacadas na análise do Swiss Re Institute, a necessidade de ação é indiscutível. Medidas coordenadas pelos maiores emissores de carbono do mundo são cruciais para cumprir as metas climáticas. Os setores público e privado podem facilitar e acelerar a transição, especialmente em relação aos investimentos em infraestrutura sustentável que são vitais para permanecer abaixo de um aumento de temperatura de 2°C. Dado o horizonte de longo prazo de seus passivos e capital de longo prazo para comprometer, investidores institucionais, como fundos de pensão ou seguradoras também estão idealmente posicionados para desempenhar um papel importante.

Jérôme Haegeli, economista-chefe do Grupo Swiss Re, disse: “A mudança climática é um risco sistêmico e só pode ser tratada globalmente. Até agora, muito pouco está sendo feito. A transparência e a divulgação dos esforços líquidos zero incorporados por parte dos governos e do setor privado são cruciais. Somente se os setores público e privado se unirem, a transição para uma economia de baixo carbono será possível. A cooperação global para facilitar os fluxos financeiros para economias vulneráveis ​​é essencial. Temos a oportunidade de corrigir o curso agora e construir um mundo que será mais verde, mais sustentável e mais resiliente. Nossa análise mostra o benefício de investir em uma economia líquida zero. Por exemplo, adicionar apenas 10% aos US $ 6,3 trilhões de investimentos anuais em infraestrutura global limitaria o aumento médio da temperatura abaixo de 2°C. Esta é apenas uma fração da perda no PIB global que enfrentaremos se não tomarmos as medidas adequadas. ”

Mitigar as mudanças climáticas requer um menu completo de medidas. São necessárias mais políticas de precificação de carbono combinadas com incentivos para soluções baseadas na natureza e de compensação de carbono, bem como convergência internacional sobre taxonomia para investimentos verdes e sustentáveis. Como parte dos relatórios financeiros, as instituições devem divulgar regularmente como planejam atingir o Acordo de Paris e as metas de emissão líquida zero. As resseguradoras também desempenham um papel no fornecimento de capacidade de transferência de risco, conhecimento de risco e investimento de longo prazo, usando sua compreensão de risco para ajudar famílias, empresas e sociedades a mitigar e se adaptar às mudanças climáticas.

Índice de Economia do Clima: meados do século

O Índice de Economia do Clima analisa quais economias seriam mais duramente atingidas, mais expostas e melhor posicionadas para se adaptar ao risco climático. Ele classifica os países com base em: Impacto econômico esperado de riscos climáticos “crônicos” vinculados a aumentos graduais de temperatura; o grau em que é vulnerável a eventos climáticos extremos e condições severas de calor / umidade; e a capacidade adaptativa atual de um país.

Metodologia do relatório

A análise de cenário do Swiss Re Institute usa percepções obtidas a partir de um modelo existente da Moody’s Analytics, quantificando os impactos graduais das mudanças climáticas ao longo do tempo, e de pesquisas do Banco Mundial, identificando os chamados “canais de impacto”, como o efeito do aumento temperaturas na produtividade. A análise do Swiss Re Institute incorpora as incertezas relacionadas aos impactos econômicos potenciais das mudanças climáticas em diferentes cenários de aumento da temperatura global e em diferentes níveis de severidade. Essas incertezas incluem canais de impacto adicionais e normalmente omitidos, como potenciais interrupções nas cadeias de abastecimento e comércio devido às mudanças climáticas, bem como as respectivas sensibilidades econômicas. Uma descrição detalhada da metodologia pode ser encontrada no relatório.

Clique aqui para baixar a versão eletrônica do relatório do Swiss Re Institute “The economics of Climate Change: nenhuma ação, não é uma opção” (versão em inglês).


Leia mais

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Mudanças climáticas podem reduzir o PIB global em até 18% - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV