Mudança climática é real. Entenda a emergência climática

Revista ihu on-line

Caetano Veloso. Arte, política e poética da diversidade

Edição: 549

Leia mais

Mulheres na pandemia. A complexa teia de desigualdades e o desafio de sobreviver ao caos

Edição: 548

Leia mais

Clarice Lispector. Uma literatura encravada na mística

Edição: 547

Leia mais

Mais Lidos

  • Desigualdade. Artigo de Ladislau Dowbor

    LER MAIS
  • Segredo, confissão e abuso: Cardeal Federigo, o Inominado e Lúcia. Artigo de Andrea Grillo

    LER MAIS
  • “É preciso afastar Bolsonaro já para parar a matança”. Entrevista com Chico Whitaker

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


20 Outubro 2020

Os fatos que você precisa saber sobre a Emergência Climática.

A reportagem é publicada por EcoDebate, 19-10-2020.

A ciência das mudanças climáticas está bem estabelecida:

• A mudança climática é real e as atividades humanas são a principal causa. (IPCC)

• A concentração de gases de efeito estufa na atmosfera terrestre está diretamente ligada à temperatura média global da Terra. (IPCC)

• A concentração tem aumentado continuamente, e com ela as temperaturas globais médias, desde a época da Revolução Industrial. (IPCC)

• O gás de efeito estufa mais abundante, responsável por cerca de dois terços dos gases de efeito estufa, o dióxido de carbono (CO2), é em grande parte o produto da queima de combustíveis fósseis. (IPCC)

O IPCC foi estabelecido pela Organização Meteorológica Mundial (OMM) e pelo Programa das Nações Unidas para o Meio Ambiente (PNUMA) para fornecer uma fonte objetiva de informações científicas sobre as mudanças climáticas. Em 2013, o IPCC forneceu um relatório globalmente revisado por pares sobre o papel das atividades humanas na mudança climática quando lançou seu Quinto Relatório de Avaliação.

O relatório foi categórico em sua conclusão: a mudança climática é real e as atividades humanas, em grande parte a liberação de gases poluentes da queima de combustíveis fósseis (carvão, petróleo, gás), é a principal causa.

Quais são os efeitos e impactos das mudanças climáticas?

Os impactos de um aumento de 1,1 grau estão aqui hoje no aumento da frequência e magnitude de eventos climáticos extremos de ondas de calor, secas, inundações, tempestades de inverno, furacões e incêndios florestais. (IPCC)

• A temperatura média global em 2019 era 1,1 graus Celsius acima do período pré-industrial, de acordo com a OMM.

• 2019 concluiu uma década de calor global excepcional, recuo do gelo e níveis recordes do mar devido aos gases de efeito estufa produzidos pelas atividades humanas. (OMM)

• As temperaturas médias para os períodos de cinco anos (2015-2019) e dez anos (2010-2019) são as mais altas já registradas. (OMM)

2019 foi o segundo ano mais quente já registrado. (OMM)

• O total anual de emissões globais de gases de efeito estufa atingiu seus níveis mais altos em 2018, sem sinais de pico. (EGR, 2019).

• Com base nos insuficientes compromissos globais de hoje para reduzir as emissões de poluentes climáticos, as emissões estão a caminho de atingir 56 Gt CO2 e até 2030, mais do que o dobro do que deveriam. (EGR, 2019)

O que precisamos fazer para limitar o aquecimento global e agir sobre as mudanças climáticas?

• Para evitar o aquecimento além de 1,5°C, precisamos reduzir as emissões em 7,6% a cada ano deste ano até 2030. (EGR, 2019)

• Há 10 anos, se os países tivessem agido com base nessa ciência, os governos teriam de reduzir as emissões em 3,3% ao ano. A cada ano que deixamos de agir, o nível de dificuldade e custo para reduzir as emissões aumenta. (EGR, 2019)

• As nações concordaram com um compromisso juridicamente vinculativo em Paris para limitar o aumento da temperatura global a não mais do que 2°C acima dos níveis pré-industriais, mas também ofereceram promessas nacionais de reduzir ou reduzir suas emissões de gases de efeito estufa até 2030. Isso é conhecido como Acordo de Paris. As promessas iniciais de 2015 são insuficientes para cumprir a meta, e os governos devem revisar e aumentar essas promessas como um objetivo principal neste ano de 2020.

• Os compromissos atualizados do Acordo de Paris serão revisados ​​na conferência sobre mudança climática conhecida como COP 26 em Glasgow, Reino Unido, em novembro de 2021. Esta conferência será a reunião intergovernamental mais importante sobre a crise climática desde que o acordo de Paris foi aprovado em 2015.

• O sucesso ou não desta conferência terá consequências graves para o mundo. Se os países não chegarem a um acordo sobre promessas suficientes, em mais 5 anos, a redução de emissões necessária saltará para quase 15,5% a cada ano. A improbabilidade de atingir essa taxa muito mais acentuada de descarbonização significa que o mundo enfrenta um aumento da temperatura global que ultrapassará 1,5°C. Cada fração do aquecimento adicional acima de 1,5°C trará impactos cada vez maiores, ameaçando vidas, fontes de alimentos, meios de subsistência e economias em todo o mundo.

• Os países não estão no caminho certo para cumprir as promessas que fizeram.

• Compromissos aumentados podem assumir muitas formas, mas no geral devem servir para mudar países e economias para um caminho de descarbonização, estabelecendo metas de carbono zero líquido e cronogramas de como atingir essa meta, mais tipicamente por meio de uma rápida aceleração da energia proveniente de fontes renováveis ​​e desaceleração rápida da dependência de combustíveis fósseis.

Por que 1,5°C é importante?

Embora ainda haja sérios impactos climáticos a 1,5°C, este é o nível que os cientistas dizem estar associado a impactos menos devastadores do que níveis mais elevados de aquecimento global. Cada fração do aquecimento adicional além de 1,5°C trará impactos piores, ameaçando vidas, meios de subsistência e economias.

• A 1,5°C, mais de 70% dos recifes de coral morrerão, mas a 2°C, todos os recifes acima de 99% serão perdidos.

• Os insetos, vitais para a polinização de safras e plantas, têm probabilidade de perder metade de seu habitat a 1,5°C, mas isso se torna quase o dobro a 2°C.

• O Oceano Ártico estando completamente livre de gelo marinho no verão teria uma probabilidade de uma vez por século a 1,5°C, mas isso salta para uma probabilidade de uma década a 2°C.

• Mais de 6 milhões de pessoas vivem atualmente em áreas costeiras vulneráveis ​​ao aumento do nível do mar em 1,5°C e, a 2°C, isso afetaria mais 10 milhões de pessoas até o final deste século.

• A elevação do nível do mar será 100 centímetros maior a 2°C do que a 1,5°C.

• A frequência e a intensidade das secas, tempestades e eventos climáticos extremos são cada vez mais prováveis ​​acima de 1,5°C.

 

Leia mais

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Mudança climática é real. Entenda a emergência climática - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV