Mudanças climáticas aceleram a perda de biodiversidade

Revista ihu on-line

Clarice Lispector. Uma literatura encravada na mística

Edição: 547

Leia mais

Diálogo interconvicções. A multiplicidade no pano da vida

Edição: 546

Leia mais

Cultura Pop. Na dobra do óbvio, a emergência de um mundo complexo

Edição: 545

Leia mais

Mais Lidos

  • “Podemos dizer que esta crise foi um notável êxito científico e um enorme fracasso político”. Entrevista com Yuval Noah Harari

    LER MAIS
  • Necropolítica: a política da morte em tempos de pandemia. Artigo de Eduardo Gudynas

    LER MAIS
  • Pode a Igreja Católica concordar em mudar alguma coisa?

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


11 Dezembro 2020

Um número considerável de metas de biodiversidade existentes e propostas pós-2020 por organizações internacionais correm o risco de ser seriamente comprometidas devido às mudanças climáticas, mesmo se outras barreiras, como a exploração de habitat forem removidas, argumentam os autores de um estudo liderado por Almut Arneth do Instituto Karlsruhe de Tecnologia (KIT).

A reportagem é de Karlsruhe Institute of Technology (KIT), Climate and Environment Center, publicada por EcoDebate, 10-12-2020. A tradução e edição são de Henrique Cortez.

De acordo com sua análise publicada no PNAS, o aquecimento global acelera a perda de biodiversidade. Vice-versa, medidas para proteger a biodiversidade também podem mitigar os impactos das mudanças climáticas. Os autores sugerem que abordagens flexíveis para a conservação permitiriam respostas dinâmicas aos efeitos das mudanças climáticas nos habitats e nas espécies. (DOI: 2009584117)

Cerca de um milhão de espécies de plantas e animais estão ameaçadas de extinção em todo o mundo. No entanto, pelo menos 13 das 17 metas de desenvolvimento sustentável das Nações Unidas dependem da biodiversidade, incluindo a diversidade de espécies, a diversidade genética dentro das espécies e a diversidade dos ecossistemas. A biodiversidade regula processos fundamentais, como a formação do solo e os ciclos de água, gases-traço e nutrientes e, assim, contribui notavelmente para a regulação do clima. A perda contínua de biodiversidade faz com que a humanidade enfrente problemas ecológicos, sociais e econômicos. “Além da superexploração de recursos naturais na terra e na água, ou poluição ambiental, as mudanças climáticas também causam perda de diversidade biológica. Esse impacto aumentará no futuro ”, diz Almut Arneth, Professor da Divisão de Pesquisa Ambiental Atmosférica do Instituto de Meteorologia e Pesquisa Climática (IMK-IFU), Campus Alpine do KIT em Garmisch-Partenkirchen. Ela liderou um estudo internacional que agora é publicado nos Anais da Academia Nacional de Ciências dos Estados Unidos da América (PNAS) sob o título “As metas de biodiversidade pós-2020 precisam abraçar as mudanças climáticas”.

Metas para a conservação da biodiversidade mundial perdidas

Em seu estudo, cientistas da Alemanha, França, Itália, Espanha, Rússia, África do Sul, México e Japão analisaram as chamadas metas de Aichi para a proteção mundial da biodiversidade, adotadas pela 10ª Conferência das Partes da Convenção da ONU sobre Biodiversidade em Nagoya, prefeitura de Aichi, em 2010 para cumprimento até 2020. A maioria dessas metas será perdida. Além disso, os pesquisadores analisaram o conjunto de metas revisadas de proteção da biodiversidade atualmente negociadas pelas partes para o período após 2020, que devem ser alcançadas até 2030 ou 2050. Eles descobriram que muitas metas existentes ou propostas estão em risco devido ao aquecimento global, mesmo que o aumento médio da temperatura global permanecesse no limite inferior das projeções. “Certamente é um grande desafio, mas também uma oportunidade importante para lidar melhor no nível político com as interações entre mudanças climáticas e perda de biodiversidade, e para coordenar melhor as metas de biodiversidade com o Acordo de Paris sobre Mudanças Climáticas e os Objetivos de Desenvolvimento Sustentável ”, explica Arneth. As metas de biodiversidade propostas devem, portanto, considerar as mudanças climáticas de forma muito mais explícita, ela pensa.

As espécies estão deixando reservas naturais

Arneth dá um exemplo: Uma meta de biodiversidade para reservas naturais deve considerar o fato de que a composição e o crescimento da vegetação mudarão com a mudança climática e que certas espécies de plantas e animais irão migrar ou serão ameaçadas, se as condições climáticas estiverem mudando. Por exemplo, a mudança climática faz com que as geleiras das montanhas diminuam. Em regiões semi-áridas, entretanto, os ecossistemas de vales mais baixos dependem do degelo das geleiras no verão. Se este fluxo de água derretida diminuir devido ao recuo das geleiras, a precipitação por si só pode não ser suficiente para abastecer as plantas na bacia com água. Isso também afetará os animais que dependem das plantas.

O estudo ressalta a demanda por uma redução rápida e significativa das emissões antrópicas de gases de efeito estufa e por conter as mudanças climáticas. Vice-versa, também mostra que medidas para proteger a biodiversidade contribuiriam para a proteção do clima. “Uma melhor coordenação de acordos políticos e descobertas científicas pode acelerar a descarbonização urgente da economia e garantir a desaceleração das mudanças climáticas por medidas de proteção da biodiversidade”, resume Arneth.

Referência:

Almut Arneth, Yunne-Jai Shin, Paul Leadley, Carlo Rondinini, Elena Bukvareva, Melanie Kolb, Guy F. Midgley, Thierry Oberdorff, Ignacio Palomo, Osamu Saito: Post-2020 biodiversity targets need to embrace climate change. PNAS, 2020. DOI: 2009584117. Disponível aqui.

Leia mais

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Mudanças climáticas aceleram a perda de biodiversidade - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV