Hans Küng. “Estava em paz com a Igreja, Francisco o abençoou”. Entrevista com Walter Kasper

Revista ihu on-line

Metaverso. A experiência humana sob outros horizontes

Edição: 550

Leia mais

Caetano Veloso. Arte, política e poética da diversidade

Edição: 549

Leia mais

Mulheres na pandemia. A complexa teia de desigualdades e o desafio de sobreviver ao caos

Edição: 548

Leia mais

Mais Lidos

  • Padres despedaçados. Artigo de Pietro Parolin

    LER MAIS
  • Na igreja do Papa Francisco, os movimentos estão parando

    LER MAIS
  • Abusos, sínodo e a falsa prudência

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


08 Abril 2021

“No verão passado ele já estava muito fraco, temia-se que estivesse morrendo. Assim chamei o Papa e imediatamente Francisco, por meu intermédio, enviou-lhe a sua bênção. Hans ficou muito feliz, era importante para ele”. O cardeal teólogo Walter Kasper, de 88 anos, conhecia Küng a vida toda, "desde que ele ensinava em Tübingen no final da década de 1950", ele próprio foi seu assistente. “Tínhamos posições diferentes, mas sempre mantivemos contato”.

A entrevista com Walter Kasper é de Gian Guido Vecchi, publicada por Corriere della Sera, 07-04-2021. A tradução é de Luisa Rabolini.

 

Eis a entrevista.

 

Por que era importante, Eminência?

Porque Küng era um crítico duro, às vezes até injusto, mas no fundo de seu coração sempre foi um homem da Igreja e na Igreja. Ele nunca pensou em deixá-la, sua intenção era fazer o melhor pela Igreja, estando dentro dela. Ele sempre se sentiu cristão e católico. Por isso sentiu-se grato pelas palavras do Papa.

O que ele disse?

Recordo que o Papa me disse para lhe transmitir as suas saudações e bênçãos ‘na comunidade cristã’. E era como se Küng se sentisse em paz com a Igreja e com Francisco, uma espécie de reconciliação. Bento XVI também sabia de sua condição e orou por ele. Alguns diziam: deve ser reabilitado. Mas não faz sentido, quando você está morrendo não se fazem processos, outro juízo nos espera.

Qual foi o ponto de atrito?

Da Humanae Vitae ao sacerdócio feminino, eram diferentes. Mas a crítica central era contra o dogma da infalibilidade papal. A maneira como o fez não agradou a Roma, eu também não estava de acordo.

O que resta de Küng?

Ele tinha a capacidade de falar uma linguagem que todos podiam entender, de explicar a religião aos outros. Assim, ajudou muitos a abraçar a fé ou a permanecer na Igreja.

 

Leia mais

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Hans Küng. “Estava em paz com a Igreja, Francisco o abençoou”. Entrevista com Walter Kasper - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV