Battaglia e a atenção aos últimos. "A estátua de ouro é o capitalismo selvagem"

Revista ihu on-line

Diálogo interconvicções. A multiplicidade no pano da vida

Edição: 546

Leia mais

Cultura Pop. Na dobra do óbvio, a emergência de um mundo complexo

Edição: 545

Leia mais

Revolução 4.0. Novas fronteiras para a vida e a educação

Edição: 544

Leia mais

Mais Lidos

  • Como as lideranças católicas ajudaram a dar origem à violência no Capitólio dos EUA. Artigo de James Martin

    LER MAIS
  • “O trumpismo se infiltrou na Igreja Católica dos Estados Unidos”. Entrevista com Massimo Faggioli

    LER MAIS
  • Irlanda, 9 mil crianças mortas em casas para mães solteiras: o 'mea culpa' de Dublin sobre 76 anos de maus-tratos

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


14 Dezembro 2020

Atenção especial e engajamento de D. Domenico Battaglia, novo arcebispo de Nápolis, Itália, nomeado no sábado pelo Papa Francisco, pelos fracos e marginalizados: esteve ao lado dos dependentes químicos, de 1992 a 2016, à frente do “Centro Calabrês de Solidariedade”, estrutura ligada às Comunidades Terapêuticas (FICT) de Dom Mario Picchi da qual foi presidente nacional de 2006 a 2015. De 2000 a 2006, D. Battaglia foi também vice-presidente da Fundação Betania de Catanzaro (obra diocesana assistencialista).

As informações são publicadas por Vatican News, 12-12-2020. A tradução é de Luisa Rabolini.

Aos mais frágeis dedicou alguns trechos da carta pastoral de abril passado refletindo sobre os efeitos da pandemia, antes de tudo uma "redescoberta da fragilidade" e "a inconsistência daquilo em que pensávamos ter encontrado a chave para resolver todos os nossos problemas". E a esse respeito - como relata Avvenire - ele escrevia: “A estátua de ouro é um capitalismo selvagem, que só pensou em lucros, provocou guerras para vender armas, deixou os pobres morrerem na indiferença, rejeitou os mais desesperados em busca de pão erguendo muros contra eles e armando os navios da guarda costeira, criminalizou os que saíam em seu socorro, fez escrever editoriais, dia após dia, contra aqueles que os defendiam (incluindo o Papa Francisco), pregou ódio constante contra os ‘diferentes’, exigiu homens fortes, como os únicos que poderiam ter salvado as nações. Alguns homens fortes - continuava - realmente vieram, mas a humanidade não foi salva. Pelo contrário, precipitou na insegurança”.

"Eu estarei entre vocês como irmão que vai entre irmãos"

É sincera a primeira mensagem ao povo de Deus do novo arcebispo de Nápoles, lida pelo cardeal Crescenzio Sepe por ocasião do anúncio da nomeação. Há a gratidão do pastor por este encargo dirigido ao Senhor, ao Papa e à Comunidade; há nas palavras do prelado a “certeza de que quem o chama a tal responsabilidade é Aquele em quem depositamos toda a nossa esperança”. Renovando a confiança naquele olhar misericordioso de Deus contido também no lema episcopal escolhido, D. Battaglia pede à sua nova comunidade napolitana que “confie sempre no dom da fraternidade, no compartilhamento da vida e da fé”; que o acolha justamente como "irmão que vai entre irmãos" numa cidade, "tesouro do Sul" na qual há esperança e se luta. Depois, o agradecimento ao Cardeal Crescenzio Sepe e ao seu ministério marcado pela “paternidade, familiaridade e atenção à caridade” e pelo propósito: inspirar ao Senhor da Vida “critérios, planos pastorais, opções concretas e comportamentos quotidianos”.

Leia mais

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Battaglia e a atenção aos últimos. "A estátua de ouro é o capitalismo selvagem" - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV