O vírus mutante espalha-se 10 vezes mais rápido. Assim, com a segunda onda, tomou o controle do mundo

Revista ihu on-line

Diálogo interconvicções. A multiplicidade no pano da vida

Edição: 546

Leia mais

Cultura Pop. Na dobra do óbvio, a emergência de um mundo complexo

Edição: 545

Leia mais

Revolução 4.0. Novas fronteiras para a vida e a educação

Edição: 544

Leia mais

Mais Lidos

  • “A mulher precisa, e as religiosas sobretudo, sair daquele papel de que ela é inferior”. Entrevista com a Ir. Maria Freire

    LER MAIS
  • “A eleição de uma mulher negra parecia um muro intransponível”. Primeira mulher negra eleita vereadora em Curitiba fala sobre o racismo na cidade

    LER MAIS
  • A Economia de Francisco. ‘Urge uma nova narrativa da economia’. A vídeomensagem do Papa Francisco

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


16 Novembro 2020

Um novo estudo na Science confirma a maior contagiosidade da variante D614G. "É mais eficiente na infecção de células do trato respiratório humano" e agora representa 99% de todos os Sars-Cov-2 em circulação. Isso explica a aceleração das infecções: em outubro registrou-se quase um quarto dos casos desde o início da pandemia.

A reportagem é de Elena Dusi, publicada por La Repubblica, 15-11-2020. A tradução é de Luisa Rabolini.

"Mais eficiente em infectar as células do trato respiratório humano", capaz "de ser transmitida de forma significativamente mais rápida” e “proliferar in vitro cerca de 10 vezes mais rápido”. É a identidade do coronavírus com a mutação D614G no último estudo dedicado a ele pela revista Science, com a assinatura de um dos maiores virologistas do mundo, Ralph Baric, da North Carolina University, que estuda coronavírus há trinta anos. “Os pacientes infectados com a variante D614G são caracterizados por uma carga viral mais elevada no trato respiratório superior, em comparação com a variante original, mas não por uma maior gravidade dos sintomas”. Na verdade, o coronavírus mutante de acordo com Baric é mais vulnerável aos anticorpos. E, previsivelmente, também a futuras vacinas.

Na época de Wuhan, a versão com mutação não existia. Em fevereiro apareceu na Itália e foi protagonista da primeira onda. Um estudo dos laboratórios nacionais de Los Alamos no meio do ano em Cell acompanhou sua progressão: no norte da Itália já em março eliminou as outras variantes, que continuavam ocupando a região Centro e Sul do país. Durante o mês de março, a mutação se torna prevalente na Europa e começa a se espalhar também para os Estados Unidos. Entre março e abril é registrada em cerca de metade das amostras mundiais. Hoje é 99,9% em todos os lugares.

O estudo de Baric, em hamsters, viu como o vírus mutante é capaz de se espalhar mais rapidamente "por meio de gotículas e aerossóis". E é possível que a aceleração agressiva da pandemia em todo o mundo tenha algo a ver com isso. Só outubro, mês em que o D614G já eliminou as outras variantes do ambiente, registrou um quarto das infecções desde a chegada do coronavírus, com 10 milhões em três semanas. Em novembro, enfrentamos um aumento diário de mais de meio milhão de casos. França, Itália e até mesmo a eficiente Alemanha registraram repetidos registros de infecções, apesar das medidas de contenção. Os Estados Unidos romperam a barreira diária de 100.000 positivos diários.

Nenhum país estava realmente preparado para uma segunda onda tão forte. E talvez a substituição de uma das 30 mil bases do genoma do coronavírus (uma G substituindo a D) possa estar entre as causas. Em hamsters colocados em contato com o vírus mutante, a infecção se espalhou em dois dias, para seis dos oito animais, e para todos os oito após quatro dias. No caso do vírus original, o de Wuhan, nenhum animal havia se infectado após dois dias, mas todos estavam infectados após quatro dias. “A transmissão por aerossol também é mais eficiente na versão mutante”, acrescenta outro dos autores do estudo, Yoshihiro Kawaoka, da Universidade de Wisconsin.

A variação, explica Baric com os colegas da Universidade de Wisconsin, dá ao spike, a ponta da coroa do coronavírus, uma forma ligeiramente diferente. Uma das abas do spike, com D614G, abre ligeiramente em comparação com a versão original. Isso, por razões relacionadas à biologia do vírus, permite que ele penetre mais facilmente nas células humanas. Mas, por outro lado, o obriga a descobrir o flanco aos nossos anticorpos.

Leia mais

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

O vírus mutante espalha-se 10 vezes mais rápido. Assim, com a segunda onda, tomou o controle do mundo - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV