O pároco de Lampedusa: “O Papa está certo: as verdades sobre os migrantes são edulcoradas, queimaduras e facadas contam outra história”

Revista ihu on-line

Metaverso. A experiência humana sob outros horizontes

Edição: 550

Leia mais

Caetano Veloso. Arte, política e poética da diversidade

Edição: 549

Leia mais

Mulheres na pandemia. A complexa teia de desigualdades e o desafio de sobreviver ao caos

Edição: 548

Leia mais

Mais Lidos

  • Discernimentos depois da Primeira Assembleia Eclesial. Artigo de Paulo Suess

    LER MAIS
  • Formação e espiritualidade do Ministro Extraordinário da Eucaristia

    LER MAIS
  • Paris, o Papa aceita a renúncia de Aupetit

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


09 Julho 2020

“Penso na Líbia, nos campos de detenção, nos abusos e violência de que os migrantes são vítimas ... Eles nos dão a versão ‘destilada’". Palavras da manhã da última quarta-feira do Papa na missa pelos sete anos de sua histórica visita a Lampedusa. A versão completa da realidade dramática de milhares de migrantes, feridos no corpo e na alma durante as viagens da esperança, Padre Carmelo La Magra, pároco de San Gelando em Lampedusa, a vê todos os dias diante de seus olhos. “Não são apenas os relatos que ouvimos na ilha. Certas histórias são contadas não por palavras, mas pelos sinais que trazem os corpos dos migrantes: queimaduras, feridas, facadas...”.

A entrevista é de Salvatore Cernuzio, publicada por Vatican Insider, 08-07-2020. A tradução é de Luisa Rabolini.

Eis a entrevista.

Padre Carmelo, o Papa está certo quando fala de versões "destiladas" ...

É claro que ele está certo. O que chega é uma versão aceitável, do nosso ponto de vista, sobre o sofrimento que os migrantes vivenciam. Histórias edulcoradas que não nos incomodam ... Isso é feito para não perturbar os corações ou para que sejam aceitas determinadas escolhas políticas. Aqui, ouvimos testemunhos diretos, vemos vídeos de pessoas penduradas de cabeça para baixo ou tratamos queimaduras nos ombros dos meninos, facadas nas solas dos pés. Essa é realidade: histórias escritas na carne das pessoas, não teorias.

Alguma coisa mudou desde a visita do papa, com seu apelo para não desviar o olhar diante dessa emergência?

Perguntamo-nos isso todos os anos e a resposta é sempre a mesma. Nada mudou, certamente nada mudou para melhor. O grito do Santo Padre foi ouvido por pessoas de boa vontade, por muitos crentes, mas parece ter caído no vazio entre aqueles que têm poder ou os papéis de responsabilidade. Posso dizer que a situação piorou? Eu não sei, eu só sei que ainda estão sendo feitos acordos com aquela Líbia de que o Papa Francisco estava falando hoje, ainda estão em vigor decretos de segurança, o período de "portos fechados" já passou, mas aqueles que fazem resgate no mar ainda são culpabilizados e se tende a dificultar quem tenta expressar um acolhimento. As pessoas morrem no mar, as pessoas ficam esperando dias e dias nos navios sem motivo. Basta pensar no que aconteceu até ontem em Malta, com 52 seres humanos em um navio que não tinha permissão para atracar. Por que fazer as pessoas sofrerem? Para quem está naquelas condições, um dia a mais faz a diferença.

Qual é a situação em Lampedusa neste momento?

Vários migrantes ainda estão presentes nos hotspots. Os desembarques continuaram nos últimos dias, após um intervalo devido ao vento que impedia as partidas. De fato, porém, nesses meses nunca foram interrompidos. Embora alguém tenha dito que a presença de ONGs era o chamariz, na verdade, nos últimos meses sem ONGs, o número de chegadas aumentou. Graças a Deus, algumas voltaram ao mar para prestar socorro. Além disso, as transferências também se tornaram mais rápidas e regulares.

Que tipo de trabalho o senhor realiza em Lampedusa. Imagino que a atividade pastoral comum como pároco em um contexto tão difícil não seja suficiente ...

Mapa de Lampedusa (Foto: Wikipédia)

Como padre e pároco, meu compromisso, em primeiro lugar, é proclamar o Evangelho aos lampedusanos e a todos os que passam por aqui. Fiquei impressionado com as palavras do papa nesta manhã sobre reconhecer o rosto de Cristo nos irmãos em dificuldade. Esse é um desafio para a nossa comunidade paroquial; existem muitos fatores que dificultam a compreensão dessa verdade do evangelho. A tarefa do pároco é mediar, ressaltar que as necessidades não têm nacionalidade, que qualquer um que tiver necessidade precisa ser ajudado.

Como isso é concretamente aplicado?

Dando voz aos migrantes para garantir seus direitos ou oferecer apoio material, às vezes alimentos, roupas ou outros auxílios durante o tempo em que estiverem aqui. Ou, ainda, ajudando os doentes visto que um dos maiores problemas de Lampedusa é a precariedade da assistência sanitária. Estamos falando de uma pequena ilha e, como tal, deve ser posta em condições de acolher bem, de ter as estruturas estáveis. Por exemplo, em maio, descobrimos que não havia lugares suficientes para acomodar pessoas que passavam o dia ao sol e as noites ao frio no píer. Então, oferecemos ao prefeito a disponibilidade de recebê-las nas salas da paróquia.

O senhor recebe críticas pelo que faz?

Sim, aconteceu e acontece. Alguns insultos, às vezes até ameaças, especialmente através das mídias sociais. Mas, tudo bem, não é nada relevante, coisa do dia-a-dia ... As ofensas continuam lá nos fóruns do Facebook.

Nestes quatro anos como pároco de Lampedusa, o senhor viu centenas de histórias de vida passarem diante de seus olhos. Qual ficou mais marcante para o senhor?

São muitas e todas tão intensas que me parece errado escolher algumas. É claro que permanece viva a memória de uma história tão tenra quanto dramática: no dia 7 de outubro de 2019, houve um grande naufrágio perto de Lampedusa e os resgatados foram trazidos ao píer. Todos tentaram rastrear seus entes queridos. A certa altura, vi um pai chegando, era jovem, com um bebê nos braços. Ele estava procurando por sua esposa, e gritava no meio da multidão. Tentei ajudá-lo, mas em algum momento percebi que não trariam mais nenhum sobrevivente para o píer. Foi uma grande dor dizer a esse jovem que não havia sinal de sua esposa. O que mais me impressionou é que, naquele momento, sequer lhe foi permitido chorar. Ele pegou o menino e o abraçou, dizendo algo sobre a mãe que não estava lá. Embora destruído pela dor, ele quis colocá-la de lado para garantir uma chegada serena ao seu filho já assustado. Dificilmente creio que esquecerei essa cena.

 

Leia mais

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

O pároco de Lampedusa: “O Papa está certo: as verdades sobre os migrantes são edulcoradas, queimaduras e facadas contam outra história” - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV