“Para que serve aumentar o PIB, se te mata?”

Revista ihu on-line

Diálogo interconvicções. A multiplicidade no pano da vida

Edição: 546

Leia mais

Cultura Pop. Na dobra do óbvio, a emergência de um mundo complexo

Edição: 545

Leia mais

Revolução 4.0. Novas fronteiras para a vida e a educação

Edição: 544

Leia mais

Mais Lidos

  • “A mulher precisa, e as religiosas sobretudo, sair daquele papel de que ela é inferior”. Entrevista com a Ir. Maria Freire

    LER MAIS
  • Governo Bolsonaro deixa estragar 6,8 milhões de testes de covid-19

    LER MAIS
  • A Economia de Francisco. ‘Urge uma nova narrativa da economia’. A vídeomensagem do Papa Francisco

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


06 Junho 2020

A crise sanitária alterou o status quo do mundo e o debate nos países ocidentais gira sobre o mesmo ponto. Reabrir muito lentamente as quarentenas e frear a economia por um tempo maior que o necessário. Reabrir muito rapidamente e correr o risco de uma nova onda de contágios que exija quarentenas ainda mais rigorosas.

A reportagem é de Federico Kucher, publicada por Página/12, 31-05-2020. A tradução é do Cepat.

Os governos devem tomar uma decisão que não é simples: são milhões de pessoas atravessadas por essa interrogação. Mas a intuição - e até mesmo algumas contas econômicas - sugere que é melhor ser moderado e ir devagar do que errar no timming reabrindo imprudentemente as atividades não essenciais.

O paperO distanciamento social é importante?”, da Universidade de Chicago, fornece algumas pistas. O objetivo é medir em termos monetários o impacto da quarentena. A conclusão dos pesquisadores é que a perda no PIB devido à interrupção de atividades não essenciais é compensada com o benefício econômico de ter salvado vidas graças ao isolamento.

A lógica desses estudos é semelhante à usada nas avaliações de custo-benefício para recomendar ou não a implementação de um projeto de investimento. Nesse caso, os benefícios são equivalentes aos custos evitados de cada morte causados pela pandemia.

Colocado em outras palavras, o que a sociedade poupa por salvar vidas supera em termos monetários o que se perde ao fechar indústrias não prioritárias. A ideia de colocar um preço na vida humana é chocante. Mas é uma maneira de combater os argumentos econômicos dos analistas com pressa em abrir a quarentena.

Em sua última coluna no The New York Times, Paul Krugman analisa esses modelos e até cita outros estudos de caso para justificar as medidas de isolamento. Não se limita a essas pesquisas, mas propõe em palavras simples algo que nenhum modelo econômico pôde expressar com tanta clareza: “Para que serve aumentar o PIB, se te mata?”.

Na semana passada, houve outros economistas de prestígio mundial que também tiveram ideias interessantes para tentar pensar nas questões da pandemia, com destaque para a coluna dos estudiosos Abhijit Banerjee e Esther Duflo, no semanário The Economist.

O primeiro é um pesquisador nascido na Índia e a segunda é uma pesquisadora da França. No ano passado, receberam o Prêmio Nobel por seu trabalho sobre a pobreza. O objetivo do artigo é poderoso: argumentam que a prioridade deve ser a saúde e mostram antecedentes para garantir que a economia, uma vez terminada a crise de saúde, se recuperará antes do que se pensa.

“Uma pandemia é algo semelhante aos bombardeios durante uma guerra: o impacto na economia é causado principalmente por forças externas. Então, podemos esperar que ocorra algo similar”, mencionaram. Acrescentaram que “a velocidade com a qual a Alemanha, o Japão, a Grã-Bretanha e a França se recuperaram, após a Segunda Guerra Mundial, permite observar a tendência das economias de mercado em retornar ao seu desempenho anterior”.

Os pesquisadores mencionaram que a lógica se aplica a todos os países. “Essa recuperação não é apenas uma característica das economias avançadas. Durante a Guerra do Vietnã, o país foi submetido a mais intensa campanha de bombardeio da história, a um custo humano e econômico massivo. E mais uma vez, no ano 2000, não havia diferença na pobreza, infraestrutura e capital físico e humano entre as áreas que foram bombardeadas e as que não”.

Os economistas esclareceram que existe certo consenso sobre as medidas fundamentais que devem ser tomadas até o surgimento da vacina ou de um retroviral:

1. Evitar o colapso do sistema de saúde, durante o pico da epidemia.

2. Apoiar financeiramente cidadãos vulneráveis por meio de transferências monetárias incondicionais e quase universais, para que a quarentena seja suportável (e factível).

3. Avaliar o vírus de maneira sistêmica, em um número suficiente de pessoas, para determinar quando e onde a reabertura é possível.

Em seguida, argumentam que a recuperação, principalmente nos países subdesenvolvidos, deve ser aprimorada com a reedição de um novo Plano Marshall pós-Covid-19. Este último parece fundamental na América Latina. Os países da região - independentemente de terem aplicado um isolamento mais ou menos rigoroso - registrarão um colapso de suas economias este ano.

O último relatório do Instituto de Finanças Internacionais recalculou suas projeções do Produto Interno Bruto para a região. Em abril, afirmavam que o Brasil cairia 4,1%, em 2020. Agora, estimam que retrocederá em 6,9%. Na Colômbia, a recessão esperada passou de 2,5% para 5,4%, no Chile, de 3,8% para 4,4%, e no México, de 5,8% para 8,7%. “Esperamos uma contração extraordinariamente profunda na região”.

Leia mais

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

“Para que serve aumentar o PIB, se te mata?” - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV