“Papa Francisco, faça um apelo à ONU, pois os governos não ouvem os povos indígenas”. Entrevista com Gregorio Díaz Mirabal

Revista ihu on-line

Diálogo interconvicções. A multiplicidade no pano da vida

Edição: 546

Leia mais

Cultura Pop. Na dobra do óbvio, a emergência de um mundo complexo

Edição: 545

Leia mais

Revolução 4.0. Novas fronteiras para a vida e a educação

Edição: 544

Leia mais

Mais Lidos

  • Bolívia. O MAS e o triunfo avassalador

    LER MAIS
  • "Governo tenta intencionalmente destruir povos indígenas". Entrevista com Carlos Frederico Marés de Souza Filho

    LER MAIS
  • O PT e o voto evangélico

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


20 Mai 2020

A Amazônia está passando por um momento em que uma tragédia humanitária e ambiental é cada vez mais viável, como nesta segunda-feira, 18 de maio, a Rede Eclesial Pan-Amazônica - REPAM denunciava em comunicado. Um dos grupos mais ameaçados são os povos indígenas, que na região estão organizados dentro da Coordenação de Organizações Indígenas da Bacia Amazônica – COICA.

Seu coordenador geral é Gregorio Díaz Mirabal, do povo Curripaco da Venezuela, que não esconde sua preocupação crescente a cada que passa, já que a bacia amazônica é uma região estruturalmente muito fraca, onde “os povos indígenas estão sempre em um terceiro ou quarto plano, em saúde , na educação, na tecnologia”. O COVID-19 pode ter consequências terríveis, diz Díaz Mirabal, que vê o trabalho conjunto como essencial, com a REPAM e com outros aliados, inclusive pedindo intervenção humanitária da ONU.

O esforço que a COICA está realizando é grande, como sempre fizeram, uma vez que o coronavírus é mais uma ameaça que se junta a outras já presentes. Não é apenas nas comunidades mais distantes que os povos indígenas sofrem, também nos grandes centros urbanos seus direitos não são respeitados, como acontece em Manaus, Letícia ou Iquitos.

Se existe alguém no mundo em quem os povos indígenas confiam, é o Papa Francisco, a quem o coordenador da COICA chama de amigo, "a única pessoa que nos ouviu nesse nível mundial". Díaz Mirabal, auditor do Sínodo para a Amazônia, reconhece a força que o sínodo teve, "mas as pessoas esquecem-no rapidamente", afirmando que "o mundo ainda se recusa a entender que para a humanidade continuar vivendo precisamos respeitar a natureza".

A entrevista é de Luis Miguel Modino.

Eis a entrevista.

Pelo que você sabe, qual é a realidade dos povos indígenas em relação à pandemia do COVID-19?

Da COICA, estamos cada vez mais preocupados. Uma vez que a Organização Mundial da Saúde chamou a atenção, nós, 15 dias depois, decretamos a emergência, porque acreditávamos que a América Latina, e especialmente a bacia amazônica, é muito fraca estruturalmente, os governos, estruturalmente, politicamente, economicamente, socialmente, há um retrocesso na democracia da população latino-americana em geral.

Na bacia amazônica, os povos indígenas sempre fomos colocados no terceiro ou quarto plano, na saúde, na educação, na tecnologia. Fizemos nossa comunicação no dia 10 de abril, nos declarando em emergência, pois naquele momento o coronavírus estava chegando às cidades. Até hoje, os números são muito, muito alarmantes, nos declaramos em emergência permanente, estamos recebendo mensagens de desespero, principalmente da triplice fronteira do Brasil, Colômbia e Peru, onde existem muitas comunidades.

Gregorio Díaz Mirabal | Foto: Luis Miguel Modino

Agora, acreditamos que os três milhões de indígenas que habitam os 9 países correm sério risco de desaparecimento físico. Devido à pequena quantidade de população que somos, essa situação seria terrível, e é por isso que estamos buscando união com todas as pessoas que podem nos ajudar, trabalhando em conjunto com a REPAM e outros aliados. É impressionante ver como o governo, que tem capacidade para alcançar qualquer espaço, por rio, por via aérea, não quer, até hoje, reconhecer. Eles fizeram apenas decretos de emergência, mas não querem reconhecer a corresponsabilidade da qual podemos ajudar como organizações, e isso é lamentável.

Muitas organizações da COICA estão pressionando para que uma emergência de saúde internacional seja declarada, incluindo a ajuda humanitária da ONU, porque os estados já estão em colapso, os hospitais em colapso e o contágio está indo mais rápido pelos rios.

Em uma declaração divulgada pela REPAM nesta segunda-feira passada, você diz que os povos indígenas da Amazônia estão sendo ignorados. Você já falou sobre ajuda internacional, mas desde as organizações indígenas, incluindo a REPAM, o que está sendo feito para pelo menos diminuir as sérias conseqüências que estão ocorrendo?

Em primeiro lugar, nós o chamamos de protocolo de atendimento e prevenção próprio dos povos indígenas. Esse protocolo é executado pelos guardas comunitários indígenas, que estão ativando a entrada e saída das comunidades com grande severidade, para avisar quem entra e quem sai, e não sai se não for necessário. Em segundo lugar, foi solicitado apoio às organizações, a REPAM ajudou muito algumas comunidades com alimentos, remédios, prevenção, mas as próprias organizações também solicitaram apoio de aliados, ONGs.

Tudo o que se pode conseguir está sendo feito, equipamentos de proteção, máscaras, remédios, porque na Amazônia sempre surgem doenças como a malária. Existem muitas doenças na pele devido à contaminação dos rios, porque a mineração ilegal não parou, o extrativismo não parou. Várias crises que já existiam agora estão associadas ao coronavírus, portanto, qualquer medicamento que serve para atacar febre, malária, diarréia em crianças, causada por essa situação, estamos fazendo o que podemos.

Mas, realmente, para enfrentar uma pandemia desse nível, é muito pouco. Enfrentar uma pandemia de Covid, com malária, sarampo, mineração ilegal e poluição de rios, não é fácil para pequenas organizações locais enfrentá-la sozinhas. É por isso que fazemos esse chamado, para ver o que podemos fazer agora, porque o impacto que o coronavírus está atualmente causando nas comunidades indígenas está além da nossa capacidade de responder.

Vemos apenas a opção de que uma força de fora dos países, como a ONU, possa pressionar a entrada de médicos, não há médicos nas comunidades, não há medicamentos, não há equipamentos de proteção. Somente com a medicina tradicional não é possível, porque o problema é que existem muitos mineiros ilegais na Amazônia, a maioria não é indígena e está trabalhando normalmente. Esta é uma forma de contágio que só pode ser controlada pelo governo, com as forças armadas. Existem lugares onde o estado, ou uma organização internacional, pode chegar devido à inacessibilidade das comunidades.

Em Manaus, um dos focos mais graves, existem hospitais, mas não há prioridade para os povos indígenas, é o mesmo no hospital de Letícia, Colômbia, o mesmo é no hospital de qualquer capital da Amazônia, temos o mesmo problema. Eles telefonaram recentemente de Iquitos, em Loreto, Peru, onde há um hospital para quatrocentos mil habitantes e em torno de 400 comunidades, setenta mil indígenas, e dão prioridade a não indígenas. Não há hospital em milhões de quilômetros e a única maneira é levá-los a Lima, ou outra capital, mas não há capacidade. Os irmãos que estão no hospital sem camas, sem remédios, sem médicos, alguns morreram, outros se demitiram. Nesse panorama, não é necessário ser cientista ou sábio, para dizer o que acontecerá se nenhuma ação for tomada.

Estamos comemorando a Semana Laudato Si, comemorando os 5 anos da encíclica do Papa Francisco. Poderíamos dizer que este documento já era um aviso, que claramente não foi ouvido, sobre a situação que os povos indígenas estão enfrentando na Amazônia?

Diante desse desespero que estamos enfrentando, perguntaria uma vez ao Papa Francisco, sabemos que estamos trabalhando, o compromisso com a REPAM, das organizações indígenas, de aliados. Mas não é o mesmo se a COICA diz, que a REPAM diz que se o Papa diz. Quando o Papa envia uma mensagem, quando publica um tweet, milhões de pessoas o atendem, já que frequentemente falamos e não somos ouvidos.

Então, eu pediria, com muito amor e respeito, novamente ao Papa Francisco, que faça um chamado para as Nações Unidas, que faça um chamado, já que os governos não ouvem povos indígenas, que faça um chamado para as Nações Unidas, um chamado direto aos presidentes para agir. Por exemplo, no Peru eles fizeram um decreto, mas ainda está no papel, ninguém sabe como será implementado. Na Colômbia, eles militarizaram a fronteira, mas isso gera mais contágio, porque os militares chegam de fora e, no final, não controlam a fronteira, nunca a controlaram.

Gregorio Díaz Mirabal | Foto: Luis Miguel Modino

O apelo ao Papa pelo Pacto de Letícia, que foi assinado no ano passado e que, presumivelmente, quando os presidentes chegaram lá deveriam ter levado em conta a situação dessa tríplice fronteira. Se as ações tivessem sido tomadas a tempo, o Pacto de Letícia poderia agora salvar as comunidades indígenas, mas não foi. Mais uma vez, nosso amigo Papa Francisco, que é a única pessoa que nos ouviu a nível mundial, espero que ele possa dar uma conferência de imprensa específica para a bacia amazônica.

Não porque somos especiais, não porque somos essenciais para o planeta, mas somos culturas que podem desaparecer e todos sabem que esses sete milhões e meio de quilômetros quadrados de florestas, rios e selvas podem desaparecer sem a presença dos 400 povos indígenas que estamos lá. Somos 3 milhões de pessoas, mas estamos conectados com a vida do planeta, com a vida da bacia amazônica.

Quais devem ser as alternativas para o futuro, o que o mundo deve aprender, com relação ao cuidado da Amazônia e dos povos indígenas, com a pandemia que estamos enfrentando?

Sinto que o mundo não quer aprender muito, que o mundo ainda se recusa a entender que, para que a humanidade continue vivendo, precisamos respeitar a natureza. A chamada do Sínodo para a Amazônia no ano passado foi muito forte, mas as pessoas esquecem rapidamente. Neste momento, não apenas a vida dos povos indígenas está em jogo, mas também a de um ecossistema global necessário para que as mudanças climáticas não destruam a humanidade. Esse ecossistema é necessário para que haja ar limpo no planeta, para que também haja recursos naturais, não para exploração ou extrativismo, mas para a vida.

O mundo está alheio a essa realidade, é por isso que eu estava falando de um novo chamado do Papa Francisco, mas mais direta, aos responsáveis, para que médicos, remédios, alimentos, de fora dos países entrem, é claro, com permissão dos países, e que eles entrem diretamente nas comunidades, com toda prevenção, que coordenem com os povos indígenas, seria importante. No momento, somos como abelhas, em perigo. Os cientistas dizem que o ser vivo mais importante do planeta são as abelhas, e esta semana é o dia mundial da biodiversidade, mas a celebração deste ano dizem que a biodiversidade está morrendo de maneira impressionante devido à irresponsabilidade humana, e as abelhas também. Imagine a situação em que estamos nesta pandemia.

O que, como representante dos povos indígenas, você pede à Igreja Católica, à humanidade?

Eu tive a oportunidade de falar com alguns membros da Igreja Católica que estão nas comunidades. Eles são como nós, dependendo do que pode ser feito de fora, porque já de dentro já existe uma crise em um nível muito forte. Da Igreja, em todo o mundo, precisamos de suas orações, mas também precisamos das comunidades católicas do mundo que estão em melhores condições do que nós, que podem ajudar, além de suas orações, com ajuda humanitária, a fazer incidência em seus países para que haja ajuda humanitária internacional, que ainda estamos em tempo.

Se isso chegar, que eles dizem que vai piorar ainda mais no final deste mês e início de junho, ainda há tempo para fazer alguma coisa. Apenas para transmitir a preocupação de nossos líderes, de nossas comunidades, de nossos povos, que neste momento sentem que foram abandonados. Esta aliança com a REPAM e com a comunidade católica mundial, neste momento, especialmente na Europa e nos Estados Unidos, precisamos do seu apoio, obrigado.

Leia mais

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

“Papa Francisco, faça um apelo à ONU, pois os governos não ouvem os povos indígenas”. Entrevista com Gregorio Díaz Mirabal - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV