Os 100 princípios de Nicolas Hulot para “um novo mundo”

Revista ihu on-line

Diálogo interconvicções. A multiplicidade no pano da vida

Edição: 546

Leia mais

Cultura Pop. Na dobra do óbvio, a emergência de um mundo complexo

Edição: 545

Leia mais

Revolução 4.0. Novas fronteiras para a vida e a educação

Edição: 544

Leia mais

Mais Lidos

  • Somos todos “luderanos”. Artigo de Edelberto Behs

    LER MAIS
  • Papa Francisco: “Sou a favor das uniões civis, as pessoas homossexuais têm direito a uma família”

    LER MAIS
  • Não é novidade: Papa Francisco defende as uniões civis há anos

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


07 Mai 2020

No dia 10 de maio de 1994, Nelson Mandela, o primeiro presidente negro da África do Sul, eleito duas semanas antes, faz um discurso de posse que marcou muita gente. Ele defende em particular os valores da reconciliação e declara: “Chegou a hora de curar as feridas. Chegou a hora de reduzir o abismo que nos separa. O tempo para a construção se aproxima”. Com a proximidade do desconfinamento e inspirado nessa frase, Nicolas Hulot, ativista ambiental e ex-ministro da Transição Ecológica e Solidária de Emmanuel Macron, decidiu declinar à sua maneira o seu “chegou a hora”, através de 100 princípios fundadores, segundo ele, de um novo mundo para o pós-crise da Covid-19.

A Fundação Nicolas Hulot também lançou um site na quarta-feira, 06 de maio, para convidar todos a assumir esses princípios.

O texto é publicado por Le Monde, 06-05-2020. A tradução é de André Langer.

Eis os princípios.

1. Chegou a hora para juntos lançar as pedras fundamentais de um novo mundo.

2. Chegou a hora de transformar o medo em esperança.

3. Chegou a hora de uma nova maneira de pensar.

4. Chegou a hora da lucidez.

5. Chegou a hora de traçar um horizonte comum.

6 Chegou a hora de não sacrificar mais o futuro pelo presente.

7. Chegou a hora de resistir ao fatalismo.

8. Chegou a hora de não deixar mais o futuro decidir por nós.

9. Chegou a hora de parar de mentir.

10. Chegou a hora de revitalizar nossa humanidade.

11. Chegou a hora da resiliência.

12. Chegou a hora de cuidar e reparar o planeta.

13. Chegou a hora de tratar as raízes das crises.

14. Chegou a hora de apreender conjuntamente as crises ecológica, climática, social, econômica e de saúde como uma única e mesma crise: uma crise de excesso.

15. Chegou a hora de ouvir os jovens e aprender com os anciãos.

16. Chegou a hora de criar vínculos.

17. Chegou a hora de construir ajuda mútua.

18. Chegou a hora de aplaudir a vida.

19. Chegou a hora de honrar a beleza do mundo.

20. Chegou a hora de lembrar que a vida está por um fio.

21. Chegou a hora de reconciliar-se com a natureza.

22. Chegou a hora de respeitar a diversidade e a integridade de tudo o que é vivo.

23. Chegou a hora de deixar espaço para o mundo selvagem.

24. Chegou a hora de tratar os animais respeitando os seus próprios interesses.

25. Chegou a hora de reconhecer a humanidade plural.

26. Chegou a hora de ouvir os povos originários.

27. Chegou a hora de cultivar a diferença.

28. Chegou a hora de ativar nossa comunidade de destino com a família humana e todos os seres vivos.

29. Chegou a hora de reconhecer nossa vulnerabilidade.

30. Chegou a hora de aprender com nossos erros.

31. Chegou a hora de fazer um inventário de nossas fraquezas e de nossas virtudes.

32. Chegou a hora de nos adaptar aos limites planetários.

33. Chegou a hora de mudar de paradigma.

34. Chegou a hora de mudar um sistema caduco.

35. Chegou a hora de redefinir os fins e os meios.

36. Chegou a hora de restaurar o significado do progresso.

37. Chegou a hora da indulgência e da exigência.

38. Chegou a hora de nos libertarmos dos dogmas.

39. Chegou a hora da inteligência coletiva.

40. Chegou a hora de uma globalização que compartilhe, colabore e seja mais complacente com os mais fracos.

41. Chegou a hora de preferir o comércio justo ao livre mercado.

42. Chegou a hora de globalizar o que é virtuoso e de desglobalizar o que é nefasto.

43. Chegou a hora de definir, preservar e proteger os bens comuns.

44. Chegou a hora da solidariedade universal.

45. Chegou a hora da transparência e da responsabilidade.

46. Chegou a hora de uma economia que preserva e redistribui a todos.

47. Chegou a hora de acabar com a desregulamentação, a especulação e a evasão fiscal.

48. Chegou a hora de perdoar a dívida dos países pobres.

49. Chegou a hora de emancipar-se das políticas partidárias.

50. Chegou a hora de libertar-se das ideologias estéreis.

51. Chegou a hora das democracias inclusivas.

52. Chegou a hora de inspirar-se nos cidadãos.

53. Chegou a hora de aplicar o princípio da precaução.

54. Chegou a hora de gravar no direito os princípios de uma política ecológica, social e civilizacional.

55. Chegou a hora de desafiar o determinismo social.

56. Chegou a hora de combater as desigualdades de destino.

57. Chegou a hora da igualdade absoluta entre mulheres e homens.

58. Chegou a hora de estender a mão aos humildes e aos invisíveis.

59. Chegou a hora de expressar mais do que apenas gratidão àquelas e àqueles, geralmente estrangeiros, que em nossos países, ontem e hoje, realizam tarefas ingratas.

60. Chegou a hora de priorizar as profissões que tornam a vida possível.

61. Chegou a hora do trabalho realizador.

62. Chegou a hora do advento da economia social e solidária.

63. Chegou a hora de eximir os serviços públicos da lei do desempenho.

64 Chegou a hora de relocalizar setores inteiros da economia.

65. Chegou a hora da coerência, e de redirecionar as nossas atividades e investimentos para o útil e não para o prejudicial.

66. Chegou a hora de educar nossos filhos para o ser, para o civismo, para o viver juntos, e de ensiná-los a habitar a terra.

67. Chegou a hora de estabelecer limites para o que machuca e nenhum limite para o que cura.

68. Chegou a hora da sobriedade.

69. Chegou a hora de aprender a viver de maneira mais simples.

70. Chegou a hora de nos reapropriar da felicidade.

71. Chegou a hora de nos libertar dos nossos vícios consumistas.

72. Chegou a hora de desacelerar.

73. Chegou a hora de viajar para dentro de nós mesmos.

74. Chegou a hora de nos livrar dos nossos condicionamentos mentais individuais e coletivos.

75. Chegou a hora de fazer eclodir desejos simples.

76. Chegou a hora de distinguir o essencial do supérfluo.

77. Chegou a hora de arbitrar nossos possíveis.

78. Chegou a hora de renunciar àquilo que compromete o futuro.

79. Chegou a hora da criatividade e do impacto positivo.

80. Chegou a hora de vincular nosso “eu” ao “nós”.

81. Chegou a hora de acreditar no outro.

82. Chegou a hora de rever nossos preconceitos.

83. Chegou a hora do discernimento.

84 Chegou a hora de admitir a complexidade.

85 Chegou a hora de sincronizar ciência e consciência.

86. Chegou a hora da unidade.

87. Chegou a hora da humildade.

88. Chegou a hora da bondade.

89. Chegou a hora da empatia.

90. Chegou a hora da dignidade para todos.

91. Chegou a hora de declarar que o racismo é a pior forma de poluição mental.

92. Chegou a hora da modéstia e da ousadia.

93. Chegou a hora de preencher a lacuna entre nossas palavras e nossas ações e de agir em larga escala.

94. Chegou a hora em que cada um deve fazer sua parte e ser o artesão do mundo de amanhã.

95. Chegou a hora do engajamento.

96. Chegou a hora de acreditar que outro mundo é possível.

97. Chegou a hora do ímpeto desenfreado para abrir novos caminhos.

98. Chegou a hora de, com base nesses princípios, escolher, incentivar e acompanhar nossos dirigentes ou representantes.

99. Chegou a hora de todos darem vida a este manifesto.

100. Chegou a hora de criar um lobby das consciências.

Leia mais

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Os 100 princípios de Nicolas Hulot para “um novo mundo” - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV