O alarme das Nações Unidas. Há uma emergência para 1,8 bilhão de pessoas sem-teto

Revista ihu on-line

Caetano Veloso. Arte, política e poética da diversidade

Edição: 549

Leia mais

Mulheres na pandemia. A complexa teia de desigualdades e o desafio de sobreviver ao caos

Edição: 548

Leia mais

Clarice Lispector. Uma literatura encravada na mística

Edição: 547

Leia mais

Mais Lidos

  • “Sínodo é até o limite. Inclui a todos: Os pobres, os mendigos, os jovens toxicodependentes, todos esses que a sociedade descarta, fazem parte do Sínodo”, diz o Papa Francisco

    LER MAIS
  • Por que a extrema direita elegeu Paulo Freire seu inimigo

    LER MAIS
  • Enquanto Francisco visitava a Eslováquia, a comunidade internacional celebra a mulher sacerdote da Tchecoslováquia

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


24 Março 2020

Em um momento em que os governos de todo o mundo confiam na responsabilidade das pessoas para que fiquem em casa para impedir a disseminação do coronavírus, "medidas urgentes devem ser tomadas para os desabrigados e garantir o acesso a alojamento adequado para aqueles que vivem em condições difíceis”. É isso que os especialistas das Nações Unidas solicitam, enfatizando como nessa situação a casa se tornou a principal proteção contra o vírus.

A reportagem é de Anna Lisa Antonucci, publicada por L'Osservatore Romano, 20 e 21-03-2020. A tradução é de Luisa Rabolini.

Segundo dados fornecidos pela ONU, aproximadamente 1,8 bilhão de pessoas em todo o mundo vivem na rua ou em moradias inadequadas, muitas vezes superlotadas, sem acesso a água e saneamento, o que as torna particularmente vulneráveis a contração do coronavírus. Muitas vezes, são pessoas que também sofrem de vários problemas de saúde.

"A casa - acrescenta - nunca como agora foi uma questão de vida ou morte". O maior risco, portanto, diz respeito aos sem-teto, aqueles que vivem em centros de acolhimento, aqueles que enfrentam desemprego e as consequentes dificuldades econômicas que poderiam causar a perda da moradia. De acordo com a ONU, é necessário adotar medidas urgentes, como as adotadas por alguns países, boas práticas entre as quais moratórias em relação aos despejos por atrasos de aluguel, adiamento de pagamentos hipotecários para pessoas atingidas pelo vírus e maior acesso a serviços higiênico-sanitários e abrigos para os sem-teto. "Ao garantir acesso a moradias seguras e serviços higiênico-sanitários adequados, os estados não apenas protegerão a vida daqueles que não têm casas ou vivem em assentamentos insalubres, mas também contribuirão a proteger a população mundial como um todo e achatar a curva Covid-19”, ressaltam os especialistas das Nações Unidas.

Portanto, é necessário parar todos os despejos; fornecer alojamentos de emergência para as pessoas atingidas pelo vírus que devem ser isoladas; garantir que as medidas de contenção não imponham sanções a ninguém por seu status de moradia, mas, acima de tudo, insistem os especialistas das Nações Unidas: "é indispensável garantir acesso igual aos testes e à assistência sanitária para essa população”.

Finalmente, o apelo que vem do Palácio de Vidro em Nova York diz respeito ao mundo da economia. "Recursos significativos estão sendo criados para mitigar a crise econômica causada pelo coronavírus, como juros mais baixos. Existe o risco de que tais medidas permitam que os atores financeiros globais utilizem a pandemia e os infortúnios de muitos para dominar o mercado imobiliário, sem respeito pelas normas em matéria de direitos humanos, como fizeram depois da crise financeira de 2008", declarou o relator especial das Nações Unidas sobre o direito à moradia, Leilani Farha.

Portanto, os Estados-membros devem prevenir "práticas predatórias de investidores institucionais no setor imobiliário" e ajudar as pessoas que enfrentam perdas de empregos e as consequentes dificuldades econômicas, prevendo o adiamento dos pagamentos de aluguéis e hipotecas; de uma moratória dos despejos e, pelo menos durante a pandemia, a suspensão dos custos dos serviços públicos.

Leia mais

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

O alarme das Nações Unidas. Há uma emergência para 1,8 bilhão de pessoas sem-teto - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV