Lembrete de solidariedade com Dom Pedro Casaldáliga

Revista ihu on-line

Caetano Veloso. Arte, política e poética da diversidade

Edição: 549

Leia mais

Mulheres na pandemia. A complexa teia de desigualdades e o desafio de sobreviver ao caos

Edição: 548

Leia mais

Clarice Lispector. Uma literatura encravada na mística

Edição: 547

Leia mais

Mais Lidos

  • 'Eu nunca recusei a Eucaristia a ninguém. A comunhão não é um prêmio para os perfeitos'. Entrevista com o papa Francisco voltando da Eslováquia para Roma

    LER MAIS
  • Papa Francisco ataca o 'desejo de poder', a 'rigidez disciplinar' e a 'deslealdade' nas associações de fiéis, dos movimentos eclesiais e das novas comunidades

    LER MAIS
  • Alemanha. Dom Stefan Hesse: renúncia rejeitada

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


11 Fevereiro 2020

"E nós – junto com uma multidão de gente lutadora que não abaixava a cabeça diante do poder dominante – escutamos suas palavras proféticas, que ainda hoje ressoam em nossa memória. Desse poema, resgatamos as últimas frases, ainda e sempre atuais", relembra Lori Altmann, professora da Universidade Federal de Pelotas - UFPel, em homenagem aos 92 anos de Dom Pedro Casaldáliga.

 

Eis o texto.

 

Dom Pedro, pastor e amigo querido,

A distância da geografia nos separa por muitos quilômetros, mas a fé e o coração nos mantêm unidos a você e sua comunidade. Você sabe e nós apenas queremos reafirmar estes laços que se perdem nos idos dos anos de 1970, quando o conhecemos e você, fraternalmente, nos recebeu em sua casa humilde como irmã e irmão de caminhada, esses luteranos desgarrados que começavam a caminhar com os povos indígenas e a se decidir por acompanhar suas lutas como compromisso de vida. Nós o saudamos em mais esta sua celebração da Vida e nos unimos a você em prece, canto, poesia e comunhão. A nos preserva da traição e você foi e será sempre uma inspiração para seguirmos o caminho da cruz e da ressurreição, ainda que nos custe a vida, como um dia você escreveu.

Quando em abril de 1978 nos preparávamos para ir à Amazônia, onde depois permanecemos por quase dez anos entre os Suruí-Paíter de RO e os Kulina-Madihá do AC, estivemos nas Ruínas de São Miguel, na celebração do Ano dos Mártires. Naquelas ruínas que guardam as vozes, os gritos e as esperanças escondidas dos Guarani, você proferiu a sua Proclama Indígena. E nós – junto com uma multidão de gente lutadora que não abaixava a cabeça diante do poder dominante – escutamos suas palavras proféticas, que ainda hoje ressoam em nossa memória. Desse poema, resgatamos as últimas frases, ainda e sempre atuais:

 

Vós sois a necessária urgente Utopia!

A nova inevitável Esperança de todo um Continente!

O prólogo

Nativo

Nativo

Indispensável

Da nova Boa Nova o prístino Evangelho

Do Senhor Jesus Cristo.

(Antologia retirante, p. 240)

 

Com o carinho de sempre

Lori, Roberto, Pama e Binô

E junto conosco a neta Luiza e o neto Gabriel.

Salve 16 de fevereiro de 2020!

 

Leia mais

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Lembrete de solidariedade com Dom Pedro Casaldáliga - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV