Briefing Sínodo: a Amazônia é terra de migração e de fé

Revista ihu on-line

Cultura Pop. Na dobra do óbvio, a emergência de um mundo complexo

Edição: 545

Leia mais

Revolução 4.0. Novas fronteiras para a vida e a educação

Edição: 544

Leia mais

Ontologias Anarquistas. Um pensamento para além do cânone

Edição: 543

Leia mais

Mais Lidos

  • Irreverência

    LER MAIS
  • Uma prova do conclave. O próximo papa assumirá o nome da Comunidade de Santo Egídio

    LER MAIS
  • “Eu estou tirando Deus da Bíblia”. Entrevista com Marc-Alain Ouaknin

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

Enviar

16 Outubro 2019

A questão da migração, o papel das mulheres nas comunidades da Amazônia e possíveis adaptações do rito litúrgico na região da Pan-amazônia. Estes são alguns temas que emergiram durante o briefing com os jornalistas, nesta terça-feira.

A reportagem é de Amedeo Lomonaco, publicada por Vatican News, 15-10-2019.

As comunidades da Amazônia e os representantes dos povos indígenas veem no compromisso da Igreja e no Sínodo “um sinal de esperança”, “um momento de luz”. Foi o que disse durante o briefing realizado na Sala de Imprensa da Santa Sé, nesta terça-feira (15/10), dom Eugenio Coter, vigário apostólico de Pando, na Bolívia.

“A assembleia sinodal é um caminhar juntos”, disse ele. “Fazemos parte de uma Igreja maior e podemos enfrentar os desafios com a força da comunhão.” Sobre a questão do “viri probati”, ou seja, sobre a proposta de ordenação sacerdotal de homens adultos casados, dom Coter disse que na Sala do Sínodo “continua-se falando todos os dias sobre o tema da sacramentalidade”. “Devemos nos perguntar como podemos ajudar a refletir e dar respostas concretas às necessidades dessas comunidades.” “Estamos nos perguntando como formar as pessoas para que possam alcançar as comunidades mais distantes.”

Migração

Dentre os vários desafios que a Igreja enfrenta na região Pan-amazônica, se encontram também os desafios relacionados à questão da migração. Nos últimos anos, a Amazônia foi afetada por vários e relevantes fluxos migratórios. O pe. Sidney Dornelas, diretor do Centro de Estudos Migratórios Latino-americanos, lembrou que muitos imigrantes do Haiti chegaram a essa região após o terrível terremoto que abalou o país. Desde 2017, milhares e milhares de migrantes também vieram da Venezuela. São grandes fluxos de pessoas que atravessam a Amazônia, mas também há muitos que permanecem na região. A Igreja, explicou o padre Sidney Dornelas, deve trabalhar em rede, também com as instituições, para responder às necessidades dos migrantes. Ele preciso ter uma atenção e preparação específicas, acrescentou, em relação a pessoas que vêm de outros países e muitas vezes de contextos que não são pan-amazônicos.

Uma Igreja de rosto amazônico

A Igreja na Amazônia é uma Igreja em que povos, culturas e compromisso missionário estão entrelaçados. Dom Rafael Alfonso Escudero López-Brea, bispo de Moyobamba, no Peru, expressou uma esperança: “A Igreja”, disse ele, “tenha logo um rosto amazônico com bispos, sacerdotes e religiosos amazônicos. Depois de todos os passos dados no trabalho de evangelização com missionários da Europa e do Ocidente, é preciso promover também a formação de um clero autóctone”.

O papel das mulheres

O compromisso das mulheres nas comunidades da América Latina e da Amazônia estiveram no centro do discurso de Marcia María de Oliveira, estudiosa das culturas amazônicas e especialista em História da Igreja na Amazônia. “A presença de mulheres” enfatizou, “é preciosa”. “As mulheres podem ensinar muito sobre ecologia integral a propósito de participação comunitária, através do trabalho e do cuidado das crianças. Em algumas comunidades, as mulheres são líderes religiosas, se dedicam aos cuidados e à saúde de suas comunidades”. “O seu compromisso”, sublinhou Marcia María de Oliveira, “deve ser reconhecido e valorizado”.

Rito litúrgico na Amazônia

Dentre os aspectos abordados pelo Sínodo, há também questões relacionadas à liturgia. “Não se pede um rito litúrgico diferente”, disse dom Rafael Alfonso Escudero López-Brea. “A Igreja”, lembrou, “recebeu do Senhor e dos Apóstolos o ensinamento essencial que, posteriormente, desenvolveu-se com ritos complementares”. “Durante os trabalhos sinodais”, disse o prelado, “falou-se da possibilidade de introduzir na celebração símbolos ou ritos que não tenham um impacto sobre o essencial. Trata-se de entender as especificidades de cada povo ou grupo”. “Na liturgia latina”, por exemplo, lembrou dom Eugenio Coter, “usa-se o incenso como sinal da presença de Deus. Na cultura de alguns grupos indígenas, o incenso expressa o subir ao céu. É usado na oração dos fiéis para indicar que as orações sobem ao Pai”. “Por isso”, concluiu o prelado, “entre as propostas que surgiram durante os trabalhos sinodais está a de criar comissões que trabalhem no método para dar um rosto amazônico também à liturgia”.

Leia mais

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Briefing Sínodo: a Amazônia é terra de migração e de fé - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV